Friday, September 15, 2017

Bolo de laranja, canela e cravo e a segunda receita que aprendi na vida

English version

Orange, cinnamon and clove cake / Bolo de laranja, canela e cravo

Quase todo mundo que me conhece e quem lê o blog sabe que a primeira receita que aprendi foi um bolo de fubá ensinado pela minha querida tia Angélica e que já virou post por aqui. Eu tinha onze anos e foi ali que um mundo novo se abriu para mim: daquele dia em diante iniciei um relacionamento com a cozinha que mudou minha vida para sempre.

O que nem todo mundo sabe é que a segunda receita que aprendi foi a de um bolo de laranja: simples e delicioso, quase consigo sentir o cheirinho dele ao fechar meus olhos por um momento. Portanto, além do fato de ser a louca dos cítricos, bolos de laranja tem um lugar especial no meu coração e sempre procuro novas formas de prepará-los.

O bolo que lhes trago hoje é perfumado com cravo e canela e a inspiração para esta combinação de sabores veio dos sablés que postei uns dois anos atrás, quando estava me despedindo da querida Peggy Olson.

Bolo de laranja, canela e cravo
receita minha

- xícara medidora de 240ml

2 xícaras (280g) de farinha de trigo
2 colheres (chá) de fermento em pó
1/8 colher (chá) de sal
1 colher (chá) de canela em pó
¼ colher (chá) de cravo em pó
1 xícara (200g) de açúcar cristal
raspas da casca de 2 laranjas
¾ xícara (170g) de manteiga sem sal, amolecida
2 ovos grandes, temperatura ambiente
½ colher (chá) de extrato de baunilha
1 xícara (240ml) de creme azedo (sour cream)*
açúcar de confeiteiro, para polvilhar

Preaqueça o forno a 180°C. Unte com manteiga e enfarinhe uma forma de furo central com capacidade para 2 litros.

Em uma tigela média, misture com um batedor de arame a farinha de trigo, o fermento, o sal e as especiarias. Reserve.
Na tigela da batedeira, junte o açúcar e as raspas de casca de laranja e esfregue com as pontas dos dedos até aromatizar o açúcar. Junte a manteiga e bata em velocidade médio-alta até obter um creme claro e fofo – raspe as laterais da tigela ocasionalmente durante todo o preparo da receita. Junte os ovos, um a um, batendo bem a cada adição. Acrescente a baunilha.

Em velocidade baixa, acrescente os ingredientes secos em três adições, alternando com o creme azedo em duas adições – comece e termine com os ingredientes secos. Bata somente até obter uma massa homogênea. Despeje na forma preparada, alise a superfície e leve ao forno por 40-45 minutos ou até que o bolo cresça e doure – faça o teste do palito. Deixe esfriar na forma sobre uma gradinha por 20 minutos, e então desenforme com cuidado sobre a gradinha, deixando esfriando completamente. Polvilhe com açúcar de confeiteiro antes de servir.

* creme azedo (sour cream) caseiro: para preparar 1 xícara de creme azedo, misture 1 xícara (240ml) de creme de leite fresco com 2-3 colheres (chá) de suco de limão ou limão siciliano em uma tigela. Vá mexendo até que comece a engrossar. Cubra com filme plástico e deixe em temperatura ambiente por 1 hora ou até que engrosse um pouco mais (geralmente faço o meu na noite anterior e deixo sobre a pia – com exceção de noites extremamente quentes – coberto com filme plástico; na manhã seguinte o creme fica bem espesso – leve à geladeira para ficar mais espesso ainda)

Rend.: 8 porções

Wednesday, September 13, 2017

Galette de aspargo e gorgonzola com massa de fubá e dias criativos

English version

Asparagus and gorgonzola galette with corn flour pastry / Galette de aspargo e gorgonzola com massa de fubá

Eu poderia começar diversos posts com “quando ainda estava trabalhando no projeto do livro”, pois durante aquele período exercitei a minha criatividade quase que diariamente. Tudo o que eu via era fonte de inspiração e um pulo no mercado ou na feira se tornava uma ideia, que se tornava uma receita, que virava um montão de testes na minha cozinha. Muitas vezes eu e o João almoçamos os testes e quem nos visitava provava os bolos e biscoitos nos quais eu andava trabalhando – todo mundo virou cobaia. :)

Um dia estava no mercado quando vi um maço lindo de aspargos: eu os trouxe para casa pensando em fazer uma frittata, mas acabei mudando os planos e decidi fazer uma galette – amo galettes, são o meu tipo favorito de torta: são fáceis de fazer (nada de pré-assar a massa com feijões secos!) e sempre ficam lindíssimas.

Fiz esta galette para o almoço três vezes – eu ia mesmo repetir a receita para testá-la como fazia com todas as outras, entretanto ficou tão saborosa que fazê-la novamente foi mais um prazer do que uma tarefa.

Galette de aspargo e gorgonzola com massa de fubá
receita minha

- xícara medidora de 240ml

Massa:
1 xícara + 1 colher (sopa) - 150g - de farinha de trigo
¼ xícara (35g) de fubá
¼ colher (chá) de sal
100g de manteiga sem sal, gelada e em cubinhos
¼ xícara (60ml) de creme azedo (sour cream)*, bem gelado
2 colheres (sopa) de água gelada

Recheio:
100g de ricota fresca – uso sempre caseira
50g de gorgonzola, ralado grosseiramente ou esmigalhado
1 colher (sopa) de creme azedo
sal e pimenta do reino moída na hora
200g de aspargos frescos, já com as pontas duras removidas

Para pincelar:
1 gema batida com 1 colher (chá) de creme azedo

Comece preparando a massa: no processador de alimentos, pulse a farinha, o fubá e o sal até misturar bem. Junte a manteiga e pulse algumas vezes até a mistura pareça farofa grossa. Em uma tigelinha misture bem o creme azedo com a água e com o processador ligado vá juntando a mistura aos poucos, somente até que uma massa se forme. Forme uma bola com a massa, embrulhe em filme plástico e leve à geladeira por 1 hora.

Coloque a massa no centro de um pedaço grande de papel manteiga, cubra com outro pedaço grande de papel e abra a massa com um rolo até obter um retângulo de aproximadamente 20x35cm – se necessário, enfarinhe levemente a massa para que o papel não grude, mas não exagere para que a massa não fique seca e dura.
Deslize o papel com a massa para uma assadeira grande e rasa e remova o papel de cima.
Em uma tigela pequena, misture bem a ricota, o gorgonzola e o creme azedo até obter uma pasta. Tempere com sal e pimenta (cuidado com o sal, pois o gorgonzola pode ser salgadinho). Espalhe a pasta na massa deixando uma borda de 2,5cm sem recheio. Arrume os aspargos sobre o recheio, pressionando levemente para firmá-los na pastinha de queijo.
Com cuidado, vá dobrando a massa da beirada sobre parte do recheio. Leve a galette montada ao freezer por 15 minutos – enquanto isso, preaqueça o forno a 200°C.
Pincele a massa com o ovo batido com creme azedo e asse por 30- 40 minutos ou até que a massa fique dourada. Sirva a galette morna.

* creme azedo (sour cream) caseiro: para preparar 1 xícara de creme azedo, misture 1 xícara (240ml) de creme de leite fresco com 2-3 colheres (chá) de suco de limão ou limão siciliano em uma tigela. Vá mexendo até que comece a engrossar. Cubra com filme plástico e deixe em temperatura ambiente por 1 hora ou até que engrosse um pouco mais (geralmente faço o meu na noite anterior e deixo sobre a pia – com exceção de noites extremamente quentes – coberto com filme plástico; na manhã seguinte o creme fica bem espesso – leve à geladeira para ficar mais espesso ainda)

Rend.: 4 porções servidas com uma salada verde

Tuesday, September 12, 2017

Gelatina de tangerina e prosecco e um filme assustador

English version

Tangerine prosecco gelatin / Gelatina de tangerina e prosecco

Não sou muito corajosa quando o assunto é filme de terror, mas fiquei doida pra ver “It: A Coisa” desde que vi o teaser tempos atrás. Meu marido me perguntou se era mesmo uma boa ideia, e eu lhe disse que não haveria problema algum, já que não tenho medo de palhaços.
Alguns minutos depois de o filme começar eu já estava apavorada e com os olhos fechados. :D Para ser sincera, não me lembrava de o original de 1990 ser tão assustador assim. :S

Como prometi, hoje lhes trago uma receita com o suco de tangerina restante do preparo dos financiers de ontem, e a cor da gelatina me lembra os lindos cabelos de fogo da Beverly (fiquei impressionada com o quanto a atriz Sophia Lillis se parece com a Amy Adams). Adicionei prosecco à gelatina para torná-la uma sobremesa mais adulta, mas quem não consome álcool ou quer preparar a sobremesa para crianças é só substituir o prosecco por mais suco de tangerina.

Gelatina de tangerina e prosecco
receita minha

1 ¼ colheres (chá) de gelatina em pó incolor e sem sabor
1 ½ colheres (sopa) de água
200ml de suco de tangerina fresco, peneirado
1 colher (sopa) de açúcar cristal
100ml de prosecco
creme de leite fresco batido, para servir (opcional)

Em uma tigelinha, misture bem a gelatina e a água. Reserve.
Em uma panela pequena misture o suco de tangerina e o açúcar e leve ao fogo baixo, mexendo até dissolver o açúcar e a mistura ficar morna. Retire do fogo e usando um batedor de arame incorpore o prosecco seguido da gelatina. Deixe esfriar por 10 minutos e então passe a mistura por uma peneira fina. Divida entre 4 copos ou potinhos com capacidade para ½ xícara (120ml) cada e leve à geladeira por 3-4 horas ou até firmar. Sirva com uma colherada de creme de leite batido.

Rend.: 4 porções

Monday, September 11, 2017

Financiers de coco e tangerina, vídeos e textos

English version

Coconut tangerine financiers / Financiers de coco e tangerina

Estava conversando com meu marido outro dia sobre as razões pelas quais ainda mantenho o blog, mesmo depois de onze anos – lhe contei que hoje em dia as pessoas querem mesmo são vídeos de receita e que muita gente diz que blogs são coisa do passado.

A conversa começou porque eu estava procurando uma resenha sobre um produto para cabelo e só encontrava vídeos. Eu não queria vídeos, queria texto, e não havia quase nenhum. Até aquele dia sempre dissera para o meu marido que não gravo vídeos de receita porque não tenho tempo (o que é verdade), entretanto me caiu uma ficha gigante: com pouquíssimas exceções (como as lindezas que a Isadora faz), eu não gosto de vídeos de receita – prefiro texto sempre que possível. Gosto de ler as ideias das pessoas e fico feliz quando leem as minhas também.

Estes financiers são o resultado da substituição da farinha de amêndoa por coco, e um sabor tão tropical combinou lindamente com o toque cítrico da tangerina. A receita vai para todos vocês que ainda acham que vale a pena ler blogs, e dentro de alguns dias postarei outra receita deliciosa usando o suco das tangerinas, já que nos financiers vão somente as raspas da casca.

Financiers de coco e tangerina
receita minha

- xícara medidora de 240ml

3 colheres (sopa) – 30g – de farinha de trigo
2/3 xícara (67g) de coco ralado, sem adição de açúcar
½ xícara (70g) de açúcar de confeiteiro, peneirado – meça, depois peneire
1 pitada de sal
raspas da casca de 2 tangerinas
3 claras grandes (84g)
1/3 xícara (75g) de manteiga sem sal, derretida e fria
½ colher (chá) de extrato de baunilha

Em uma tigela média, misture com um batedor de arame a farinha de trigo, o coco, o açúcar, o sal e as raspas de tangerina. Junte as claras e misture. Acrescente a manteiga e a baunilha e misture até obter uma massa homogênea. Cubra com filme plástico e leve à geladeira por 1 hora.

Preaqueça o forno a 200°C. Unte com manteiga 12 forminhas com capacidade para 2 colheres (sopa) cada.
Divida a massa entre as forminhas e asse por cerca de 10 minutos ou até que os financiers cresçam e dourem (faça o teste do palito). Deixe esfriar nas forminhas sobre uma gradinha por 5 minutos. Desenforme com cuidado e transfira para a gradinha. Deixe esfriar completamente.

Rend.: 12 unidades

Wednesday, September 06, 2017

Bolo de banana e chocolate com glacê de coco para um feriado preguiçoso

English version

Banana and chocolate cake with coconut glaze / Bolo de banana e chocolate com glacê de coco

Amanhã é feriado e eu preciso mesmo de uns dias de folga – as últimas semanas foram de trabalho intenso. Por isso, lhes trago hoje um post curtinho, mas com um bolo delicioso: a receita é fácil de fazer e nem precisa de batedeira – perfeita para os dias de preguiça que vem por aí.

Bolo de banana e chocolate com glacê de coco
receita minha

- xícara medidora de 240ml

Bolo:
2 xícaras (280g) de farinha de trigo
¾ xícara (67g) de cacau em pó, sem adição de açúcar
¾ colher (chá) de fermento em pó
1 ½ colheres (chá) de bicarbonato de sódio
½ colher (chá) de canela em pó
½ colher (chá) de sal
2 xícaras (400g) de açúcar cristal
3 ovos grandes
¾ xícara (180ml) de óleo de canola
½ xícara (130g) de iogurte natural integral
1 colher (chá) de extrato de baunilha
3 bananas maduras, amassadas com um garfo

Glacê:
1 xícara (140) de açúcar de confeiteiro, peneirado – meça, depois peneire
2 colheres (sopa) de leite de coco
¼ xícara (25) de coco tostado, para salpicar sobre o bolo

Preaqueça o forno a 180°C. Unte com manteiga uma forma de furo central com capacidade para 12 xícaras de massa.
Em uma tigela média, peneire juntos a farinha, o cacau, o fermento, o bicarbonato, a canela e o sal. Reserve.
Em uma tigela grande, misture bem com um batedor de arame o açúcar, os ovos, o óleo, o iogurte e a baunilha. Junte as bananas e misture bem. Com uma espátula de silicone, incorpore os ingredientes secos gentilmente somente até obter uma massa homogênea – não misture demais para que o bolo fique macio. Despeje a massa na forma preparada e leve ao forno por cerca de 50 minutos ou até que o bolo cresça e a superfície esteja firme ao toque (faça o teste do palito). Deixe esfriar na forma sobre uma gradinha por 20 minutos. Desenforme com cuidado na gradinha e deixe esfriar completamente.

Glacê: coloque o açúcar em uma tigelinha e vá acrescentando o leite de coco aos poucos, misturando bem, até obter a consistência desejada – se quiser um glacê mais espesso, use menos leite. Salpique com o coco tostado.

Rend.: 10-12 porções

Tuesday, September 05, 2017

Clafoutis de abobrinha, queijo e bacon

English version

Zucchini, bacon and cheese clafoutis / Clafoutis de abobrinha, queijo e bacon

Quem me lê há mais tempo sabe que o outro habitante desta casa era um chatinho enjoado até passar (preciosos) dias na China – uma das coisas que o meu marido não comia era creme de leite (!).

Felizmente isso mudou e muitas vezes, nos meses mais quentes, quando queríamos algo leve e gostoso para o almoço fiz clafoutis salgados para o almoço e os servia com uma saladona. A combinação de sabores favorita do João é a que lhes trago hoje: a abobrinha e o queijo ficam deliciosos com os pedacinhos de bacon salgadinho. O meu clafoutis favorito é como este, entretanto trocando a abobrinha por cogumelos-de-Paris em fatias que são douradas em um fiozinho da gordura que sobra do bacon antes de entrarem na massa. Se vocês testarem uma das versões vou adorar saber o que acharam.

Clafoutis de abobrinha, queijo e bacon
receita minha

- xícara medidora de 240ml

2 fatias de bacon picadas
2 ovos grandes, temperatura ambiente
1/3 xícara (80ml) de creme de leite fresco
1/3 xícara (80ml) de leite integral, temperatura ambiente
½ xícara (70g) de farinha de trigo
1/3 xícara de queijo gruyere, ralado grosseiramente – fiz algumas vezes com queijo Canastra e ficou ótimo também
1 abobrinha media (cerca de 200g), em cubos pequenos
2 ramos de tomilho fresco, somente as folhinhas
sal e pimenta do reino moída na hora

Preaqueça o forno a 190°C. Separe um refratário raso com capacidade para 1 litro – o da foto tem 20cm de diâmetro e 3,5cm de altura.

Aqueça uma frigideira antiaderente pequena em fogo alto e nela doure o bacon, mexendo algumas vezes até que doure e fique crocante. Remova-o da panela com a escumadeira e transfira para um prato forrado com papel toalha. Use um pouquinho da gordura restante na frigideira para untar o refratário.

Em uma tigela média, bata os ovos, o creme de leite e o leite com um batedor de arame até obter uma mistura lisa. Junte a farinha e misture novamente até incorporar. Com uma espátula de silicone, incorpore o queijo, a abobrinha e as folhinhas de tomilho. Tempere com sal e pimenta e então despeje no refratário untado. Salpique com o bacon e leve ao forno por 35-40 minutos ou até que o clafoutis infle e doure bem. Sirva imediatamente.

Rend. 2-3 porções (dependendo do que é servido com o clafoutis)

Friday, September 01, 2017

Cookies de manteiga queimada, centeio e chocolate - mais uma ótima receita com farinha de centeio

English version

Brown butter rye choc chip cookies / Cookies de manteiga queimada, centeio e chocolate

Meu amor confesso pela farinha de centeio fina que comprei tempos atrás (aqui, para quem estiver interessado) resultou em diversas receitas deliciosas nos últimos meses, e fico feliz demais sabendo que algumas leitoras adoraram o pão macio de centeio que postei tempos atrás.

É a minha receita de centeio favorita até agora e fica realmente incrível com o rillette de sardinha: foram feitos um para o outro. Entretanto, o favoritismo do pão é seguido de pertinho pelos cookies que lhes trago hoje: a combinação do sabor amendoado da farinha de centeio com a manteiga queimada e o chocolate amargo é das mais saborosas que há – podem acreditar. ;)

Cookies de manteiga queimada, centeio e chocolate
receita minha

- xícara medidora de 240ml

½ xícara (113g) de manteiga sem sal, picada
1 xícara + 2 colheres (sopa) - 160g - de farinha de trigo
½ xícara (70g) de farinha de centeio fina – falei dela neste post
¾ colher (chá) de bicarbonato de sódio
1/8 colher (chá) de sal
¼ xícara (50g) de açúcar cristal
¾ xícara (131g) de açúcar mascavo claro – aperte-o na xícara na hora de medir
2 ovos grandes
1 colher (chá) de extrato de baunilha
150g de chocolate amargo, picado grosseiramente ou em gotas – usei um com 70% de cacau

Comece preparando a manteiga queimada: coloque a manteiga em uma panelinha e leve ao fogo médio – evite usar panela antiaderente escura, pois assim você não conseguirá controlar a cor da manteiga. Cozinhe a manteiga, girando a panela algumas vezes, até que fique com um tom marrom claro/dourado e o cheiro fique amendoado – vigie de pertinho, pois a manteiga pode queimar rapidamente. Transfira para um potinho refratário e deixe esfriar completamente.

Agora, os cookies: preaqueça o forno a 180°C. Forre duas assadeiras rasas e grandes com papel manteiga.
Em uma tigela média, misture com um batedor de arame a farinha de trigo, a de centeio, o bicarbonato e o sal. Reserve.
Na tigela da batedeira, junte a manteiga queimada e os açúcares e bata até obter um creme claro – raspe as laterais da tigela ocasionalmente durante todo o preparo da receita. Junte os ovos, um a um, batendo bem a cada adição. Junte a baunilha. Em velocidade baixa, incorpore os ingredientes secos aos poucos e bata somente até que uma massa se forme – não bata demais. Com uma espátula de silicone incorpore o chocolate. Se o dia estiver quente demais e a massa ficar molinha, leve à geladeira por 30 minutos.

Coloque porções de 2 colheres (sopa) niveladas de massa por biscoito nas assadeiras preparadas, deixando 5cm entre uma e outra. Asse por 12-14 minutos ou até que os biscoitos dourem bem nas extremidades. Deixe esfriar nas assadeiras sobre uma gradinha por 5 minutos, e então deslize o papel com os biscoitos para a gradinha e deixe esfriar completamente.

Guarde os biscoitos em um recipiente hermético em temperatura ambiente por até 3 dias.

Rend.: cerca de 23 unidades

Thursday, August 31, 2017

Risoto de abobrinha e chorizo - uma receita realmente deliciosa

English version

Zucchini and chorizo risotto / Risoto de abobrinha e chorizo

Vocês podem achar que eu fico obcecada só com ingredientes doces – uma visita ao blog e dá para entender muito bem o porquê disso :) –, mas há ingredientes salgados que adoro tanto que fico querendo adicioná-los em tudo quanto é receita. Chorizo é um deles: desde que provei pela primeira vez venho usando em diversas preparações, sempre com resultados saborosos.

Faço risotos com frequência e era apenas uma questão de tempo antes que eu colocasse chorizo neles. Entretanto, eu queria brincar com diferentes texturas e criar camadas de sabores no meu risoto. Colocar pedacinhos crocantes de chorizo no topo do arroz antes de servir foi uma destas ideias, uma ideia muito feliz: usei a gordura do chorizo para dar sabor ao risoto e remover os pedacinhos da panela antes de adicionar os líquidos evitou que ficassem molengos. Eu queria outras texturas para a abobrinha também, por isso grelhei metade em fatias finas – o que deu um sabor meio defumado a elas – e a outra metade foi em cubinhos no meio do risoto. Não quero parecer esnobe, mas este é um dos pratos mais deliciosos que já fiz na vida.

Risoto de abobrinha e chorizo
receita minha

- xícara medidora de 240ml

Abobrinha grelhada:
1 abobrinha grande (cerca de 200g)
azeite de oliva
sal

Para o risoto:
50g de chorizo em cubinhos*
1 ½ colheres (sopa) de manteiga sem sal – uso dividido
½ cebola pequena picadinha
1 ramo de tomilho fresco
¾ xícara (165g) de arroz arbóreo ou carnaroli
¼ xícara (60ml) de vinho branco seco
3 xícaras (720ml) de caldo de legumes quente
sal e pimenta do reino moída na hora
50g de queijo Canastra, ralado grosseiramente
2 colheres (sopa) de parmesão ralado

Comece pela abobrinha: corte metade dela em fatias finas e a corte a outra metade em cubinhos. Reserve os cubinhos. Regue as fatias com um pouquinho de azeite e tempere com sal. Aqueça uma frigideira antiaderente em fogo médio-alto e grelhe as fatias de abobrinha por 1-2 minutos de cada lado ou até que dourem. Transfira para um prato e reserve.

Aqueça uma panela média em fogo médio-alto. Junte o chorizo e vá mexendo algumas vezes até que os cubinhos dourem e fiquem crocantes. Remova-os da panela com a escumadeira e transfira para um prato forrado com papel toalha. Junte ½ colher (sopa) da manteiga à gordura do chorizo e adicione as cebolas. Salpique com um pouquinho de sal e vá refogando, mexendo algumas vezes, até que a cebola fique transparente. Junte os cubinhos de abobrinha e o ramo de tomilho, refogando por 2 minutos. Acrescente o arroz e refogue por 2-3 minutos, mexendo, até que todos os grãos fiquem cobertos de gordura. Junte o vinho e refogue até que evapore. Acrescente 1 concha de caldo quente e vá mexendo até que o caldo quase seque. Acrescente outra concha de caldo e vá mexendo novamente até que ele quase seque – vá repetindo o processo até que o arroz fique al dente, o que vai levar cerca de 20 minutos (talvez você não use todo o caldo. Tempere com sal e pimenta – não exagere no sal, pois o chorizo e os queijos podem ser salgados.

Quando o arroz estiver al dente, acrescente os queijos e o restante da manteiga e misture. Prove e acerte o sal se necessário, tampe a panela e aguarde 2 minutos. Transfira o risoto para os pratos de servir e arrume as fatias de abobrinha grelhada e os cubinhos de chorizo por cima do arroz. Sirva imediatamente.

* alternativas para o chorizo: bacon ou linguiça defumada com uma pitada de páprica e outra de pimenta caiena.

Rend.: 2 porções

Wednesday, August 30, 2017

Galette de coco e maçã - coco, de novo :)

English version

Coconut apple coconut galette / Galette de coco e maçã

Apesar de ser um ingrediente/sabor controverso, adoro coco e quando ainda trabalhava no projeto do livro tentei incluí-lo em tudo quanto era tipo de receita – consegui resultados deliciosos e ainda saiu bem mais em conta do que o meu frenesi de limão siciliano. :)

Fiz muffins, bolos, crumbles, picolés e biscoitos com coco e quero muito dividir as receitas com vocês: hoje lhes trago uma galette e nela substituí parte da farinha de trigo por coco ralado na massa. Combinei a massa de coco com maçãs e adicionei um toque de limão taiti (tanto o suco quanto as raspas da casca) e de canela – a torta ficou saborosa e perfumada.

Esta galette é incrível tanto morna quanto em temperatura ambiente, mas lhes imploro que a provem morna com sorvete de baunilha – é simplesmente divina.

Galette de coco e maçã
receita minha

- xícara medidora de 240ml

Massa:
1 ¾ xícaras (245g) de farinha de trigo comum
1/3 xícara (33g) de coco ralado, sem adição de açúcar
2 colheres (sopa) de açúcar cristal
1 pitada de sal
¾ xícara (170g) de manteiga sem sal, gelada e em cubinhos
1/3 xícara (80ml) de água gelada

Recheio:
4 maçãs Granny Smith (cerca de 700g), descascadas, sem os miolos e sementes, cortadas ao meio e então em fatias finas
¼ xícara (50g) de açúcar cristal
raspas da casca de 1 limão taiti
suco de ½ limão taiti
½ colher (chá) de canela em pó

Para pincelar a massa:
1 gema + 1 colher (chá) de leite integral em temperatura ambiente, bem batidos com um garfo em uma tigelinha

Comece preparando a massa: no processador de alimentos, pulse a farinha, o coco, o açúcar e o sal até combiná-los bem. Junte a manteiga e pulse algumas vezes até que a mistura pareça farofa grossa. Com o processador ligado, junte a água aos poucos, somente até que uma massa se forme. Forme uma bola com a massa, embrulhe em filme plástico e leve à geladeira por 1 hora.

Preaqueça o forno a 200°C. Coloque a massa no centro de um pedaço grande de papel manteiga, cubra com outro pedaço grande de papel e abra a massa com um rolo até obter um círculo de 30cm de diâmetro – se necessário, enfarinhe levemente a massa para que o papel não grude, mas não exagere para que a massa não fique seca e dura.
Deslize o papel com a massa para uma assadeira grande e rasa e remova o papel posto em cima da massa.
Coloque as maçãs em uma tigela com o açúcar, as raspas e o suco de limão e a canela e misture. Arrume as fatias no centro da massa como desejar – eu prefiro arrumar uma fatia ao lado da outra, assim o ar quente do forno circula melhor entre as porções de fruta e a torta assa de maneira mais uniforme.

Com cuidado, vá dobrando a massa da beirada sobre parte do recheio. Pincele a massa com o ovo batido com leite e asse por cerca de 40 minutos ou até que a massa fique dourada. Sirva a galette morna ou em temperatura ambiente.

Rend.: 6-8 porções

Tuesday, August 29, 2017

Waffles de laranja e azeite de oliva

English version

Orange olive oil waffles / Waffles de laranja e azeite de oliva

Não faço waffles sempre, pois meu marido não gosta e sou obrigada a comer toda a leva so-zi-nha; :) mesmo assim, estou sempre interessada em novos sabores de waffles e coberturas com as quais posso servi-los. Um pouco de pesquisa me levou ao fato de que o segredo para waffles mais crocantes por fora e macios por dentro era usar óleo em vez de manteiga, e a substituição realmente funciona.

Agora que não posso mais comer laticínios convencionais tenho feito meus waffles como os que lhes trago hoje, com azeite de oliva ou óleo e leite sem lactose. Entretanto, quem preferir o sabor da manteiga à textura crocante pode usar manteiga derretida no lugar do azeite, nas mesmas proporções.

Sou louca pela combinação de laranja com mirtilos – uma das minhas favoritas – por isso lhes digo que estes waffles ficam deliciosos servidos com a geleia de mirtilos feita no forno que postei há alguns anos. Dá para fazer a geleia usando mirtilos congelados, desde que já estejam descongelados – nem sempre os frescos estão disponíveis, e muitas vezes o preço também não ajuda. :D

Waffles de laranja e azeite de oliva
receita minha

2 colheres (sopa) de açúcar cristal
raspas da casca de 1 laranja grande
1 ¼ xícaras (175g) de farinha de trigo
2 colheres (chá) de fermento em pó
1 pitada de sal
1 ovo grande
¼ xícara (60ml) de azeite de oliva extra virgem
¾ xícara (180ml) de leite integral, temperatura ambiente
½ colher (chá) de extrato de baunilha

Em uma tigela média, misture o açúcar e as raspas de laranja e esfregue-os juntos com as pontas dos dedos até aromatizar o açúcar. Junte a farinha, o fermento e o sal e misture com um batedor de arame. Reserve.
Em uma tigela pequena, misture com um batedor de arame o ovo, o azeite, o leite e a baunilha. Verta os líquidos sobre os ingredientes secos e misture somente até incorporar – não misture demais.

Preaqueça a máquina de waffle. Cozinhe porções de massa por vez, até que cada waffle doure - siga as instruções do fabricante. Sirva com mel, melado ou com o que preferir.

Rend.: 5-6 waffles

Friday, August 25, 2017

Mini berinjelas Hasselback

English version

Hasselback baby eggplants / Mini berinjelas Hasselback

Quem me lê há mais tempo sabe que sou fã da Nigella Lawson: há alguns anos tive a sorte de vê-la em uma sessão de autógrafos aqui em São Paulo e tive um dos meus livros assinados por ela. Foi Nigella quem me apresentou às batatas Hasselback, uma receita que acho linda, além de saborosa.

Um dia, quando eu ainda estava trabalhando no projeto do livro, pensei: “por que não fazer outros legumes do jeito Hasselback, também?”. Tempos depois, andando pela feira, vi estas mini berinjelas fofíssimas e o pensamento Hasselback voltou à mente com tudo. Para deixar tudo mais interessante, queijo, claro, mas um de sabor forte. Um toque de azeite de alho deixou tudo mais delicioso e perfumado – se meu marido lesse este post ele deletaria a palavra “perfumado”: para ele, não dá para ter esta palavra e “gorgonzola” na mesma sentença. :D

Hasselback baby eggplants / Mini berinjelas Hasselback

Mini berinjelas Hasselback
receita minha

12 mini berinjelas (cerca de 600g)
1 dente de alho grande
sal e pimenta do reino moída na hora
4 ½ colheres (sopa) de azeite de oliva extra virgem
75g de gorgonzola

Pré-aqueça o forno a 200°C. Separe 12 pedaços de papel alumínio de aproximadamente 20x20cm. Amasse cada um deles levemente, formando uma espécie de ninho – eles serão o apoio para que as berinjelas não rolem na assadeira.
Coloque os ninhos de papel alumínio em uma assadeira grande e rasa, regue as cavidades de cada um deles com azeite e reserve.

Em um pilãozinho, junte o alho com um pouquinho de sal e amasse até obter um purê. Acrescente a pimenta do reino e o azeite, misture bem e reserve.

Coloque cada berinjelinha dentro de uma colher de pau e faça 4, 5 cortes verticais, parando a faca quando esta encontrar a colher – a ideia é fazer os cortes sem separar os pedaços.

Corte o gorgonzola em fatias finas, para que possam entrar nos cortes feitos nas berinjelinhas. Encaixe 1 fatia de queijo dentro de cada corte em todas as berinjelas. Arrume 1 berinjela dentro de cada ninho de papel alumínio e regue-as com o azeite de alho. Leve ao forno por cerca de 25 minutos ou até que as berinjelas estejam macias.

Rend.: 4 porções como acompanhamento

Wednesday, August 23, 2017

Brownies com chocolate branco e nibs de cacau

English version

Brownies com chocolate branco e nibs de cacau / Brownies with white chocolate chips and cocoa nibs

Dá para dizer que sou louca por brownies pela quantidade de receitas postadas neste blog, mas em minha defesa digo que não os faço só para a minha própria alegria: sempre que quero alegrar o dia de alguém dou brownies de presente (alguns dos meus amigos já sabem disso muito bem). :)

Tinha um pacotinho de nibs de cacau em casa e eu queria usar o ingrediente em uma receita bem gostosa – como os nibs são meio amarguinhos, pensei em combiná-los com a doçura do chocolate branco, e os brownies cremosos foram o veículo perfeito para a combinação de sabores. Para deixar os brownies ainda mais encorpados e chocolatudos, juntei um tiquinho de cacau em pó à massa.

Brownies com chocolate branco e nibs de cacau
receita minha

¾ xícara (170g) de manteiga sem sal, temperatura ambiente e picada
170g de chocolate amargo bem picadinho – usei um com 53% de cacau
1 xícara (200g) de açúcar cristal
1 colher (chá) de extrato de baunilha
3 ovos grandes, temperatura ambiente
¾ xícara (105g) de farinha de trigo
1/3 xícara (30g) de cacau em pó, sem adição de açúcar – meça, depois peneire
¼ colher (chá) de fermento em pó
1/8 colher (chá) de sal
100g de chocolate branco em gotas ou pedaços pequenos
1/3 xícara (40g) de nibs de cacau

Preaqueça o forno a 180°C. Unte com manteiga uma forma quadrada de 20cm, forre-a com papel alumínio deixando sobrar um pouco em dois lados opostos, formando “alças” que depois vão lhe ajudar a desenformar os brownies. Unte o papel também.

Em uma tigela grande, junte a manteiga e o chocolate e leve ao banho-maria em fogo baixo (sem deixar o fundo da tigela tocar a água), mexendo de vez em quando até que os ingredientes derretam. Retire do fogo e deixe esfriar um pouco. Com um batedor de arame, incorpore o açúcar e a baunilha. Faça o mesmo com os ovos, um por um, mexendo até obter uma massa homogênea. Com uma espátula de silicone, misture a farinha, o cacau, o fermento e o sal, mexendo somente até incorporar. Incorpore o chocolate branco e os nibs de cacau.

Espalhe a massa na forma preparada e alise a superfície. Asse por cerca de 20 minutos ou até o brownie firmar na superfície – faça o teste do palito: ele deve sair com migalhas bem úmidas. Deixe esfriar completamente na forma sobre uma gradinha. Corte em quadrados para servir.

Rend.: 16 unidades

Monday, August 21, 2017

Sopa de tomates assados e lentilha vermelha e pés congelados

English version

Roasted tomato and red lentil soup / Sopa de tomates assados e lentilha vermelha

Uma das razões pelas quais o meu amor pelo inverno tem diminuído consideravelmente é o fato de que pelo menos aqui em São Paulo não estamos preparados para os dias mais frios: não há aquecimento na maioria das casas e apartamentos, lojas e restaurantes – passamos frio tanto do lado de fora quanto do lado de dentro. Tomar banho é um pesadelo, trocar de roupa é outro. :S

Enquanto digito esta receita em um domingo frio, com uma xícara de chá pelando ao meu lado, meus pés estão enfiados em dois pares de meias grossas e ainda assim parecem duas pedras de gelo. Fico aqui sonhando com dias de clima mais gostoso, e enquanto isso não vem faço sopa – a de hoje é simples, deliciosa e o calor do forno transforma os tomates em um tesouro, mesmo se eles não estiverem em seus melhores dias, e a lentilha torna a sopa mais espessa e completa.

Sopa de tomates assados e lentilha vermelha
receita minha

- xícara medidora de 240ml

Para os tomates assados:
8 tomates italianos maduros, cortados ao meio no sentido do comprimento
1 colher (sopa) de azeite de oliva extra virgem
sal e pimenta do reino moída na hora
3 galhinhos de orégano fresco
2 folhas de louro

Para a sopa:
1 ½ colheres (sopa) de manteiga sem sal
½ colher (chá) de azeite de oliva extra virgem
1 alho-poró grande, somente a parte clara, em fatias fininhas
1 dente de alho grande, amassado e picadinho
3 xícaras (720ml) de caldo de legumes, quente
sal e pimenta do reino moída na hora
½ xícara (100g) de lentilha vermelha seca

Preaqueça o forno a 200°C. Forre uma assadeira grande e rasa com papel alumínio.
Arrume os tomates sobre o papel com o lado cortado para cima. Regue com o azeite e salpique com o sal e a pimenta. Arrume os galhinhos de orégano e as folhas de louro sobre os tomates e leve ao forno por 40 minutos ou até que os tomates fiquem bem macios. Retire do forno e descarte o orégano e o louro.

Sopa: em uma panela grande, derreta a manteiga e o azeite em fogo médio-alto. Junte o alho-poró e refogue, misturando algumas vezes, até que amacie, cerca de 5 minutos. Junte o alho e refogue por 1 minuto, somente até perfumar. Junte o tomate e todos os sucos que ficaram na assadeira, juntamente com o caldo de legumes, e bata tudo com um mixer até obter uma sopa lisa. Junte as lentilhas e cozinhe até que amaciem, cerca de 10 minutos – a sopa vai ficar mais espessa. Cheque o tempero e sirva.

Rend.: 4-6 porções

Wednesday, August 16, 2017

Pãezinhos de coco e creme azedo (sour cream) e sabores que dividem as pessoas

English version

Coconut sour cream buns / Pãezinhos de coco e creme azedo (sour cream)

Eu achava que era a louca dos doces até começar a trabalhar no meu emprego atual, dois anos atrás: meus colegas de escritório são viciados em tudo quanto é tipo de doce, e sendo uma empresa suíça vocês podem imaginar a quantidade absurda de chocolate que chega pra gente sempre que alguém vem ou volta da matriz para cá. :)

Um dos executivos mantém um vidro de doces na mesa dele e todos podem se servir quando bate aquela vontade de comer um docinho. Quem viaja também contribui com o estoque de doces, o que acho bem bacana e generoso. Semana passada tivemos um debate sobre sabores por causa do tal vidro: minha chefe foi pegar um chocolate e como ela não fala português alertei-a de que os bombons eram recheados de coco. Ela me disse que ama coco, no que alguém respondeu que eca, odeia coco, e mais alguém disse que ama coco, e assim foi – ela então disse que coco é um daqueles sabores que dividem as pessoas: ou amam ou odeiam – como o coentro. :)

Sou parte do fã-clube do coco e adoro em tudo, até em preparações salgadas. Por isso fiquei um tempo querendo fazer pãezinhos de coco que levassem o ingrediente na massa e no recheio, e que também fossem bem macios, quase um briochinho. Fiz esta receita algumas vezes e fiquei feliz com resultado, por isso divido com vocês agora – os pãezinhos ficaram uma delícia e incrivelmente macios por causa da combinação de manteiga e creme azedo na massa.

Pãezinhos de coco e creme azedo (sour cream)
receita minha

- xícara medidora de 240ml

Massa:
2 ¼ colheres (chá) de fermento biológico seco
¼ xícara (50g) de açúcar cristal
½ xícara (120ml) de água morna
½ xícara (120ml) de creme azedo (sour cream)*
1 gema de ovo grande
2 ½ xícaras (350g) de farinha de trigo comum
1 pitada de sal
1/3 xícara (33g) de coco ralado sem adição de açúcar
½ colher (chá) de extrato de baunilha
¼ xícara (56g) de manteiga sem sal, bem molinha

Recheio:
¼ xícara (56g) de manteiga sem sal, bem molinha
2/3 xícara (66g) de coco em flocos sem adição de açúcar
4 colheres (sopa) de açúcar demerara (para dar mais textura; caso prefira, use o granulado)

Para pincelar e polvilhar os pãezinhos:
1 ovo + 1 colher (chá) de água, batidos com um garfo
3 colheres (sopa) de coco em flocos sem adição de açúcar

Comece preparando a massa: na tigela grande da batedeira planetária (você vai usar o batedor para massas pesadas), junte o fermento biológico, 1 pitada do açúcar e a água. Misture com um garfo e reserve até espumar, cerca de 5 minutos. Junte o creme azedo, a gema, o açúcar restante, a farinha, o coco e a baunilha e misture em velocidade média por cerca de 8 minutos ou até que uma massa lisa e elástica se forme. Aos poucos, vá acrescentando a manteiga, 1 colher (sopa) por vez, e misture bem em velocidade média após cada adição – a massa é bem molinha. Transfira para uma tigela grande levemente untada com manteiga, cubra com filme plástico e deixe crescer em um lugar morninho, longe de correntes de ar, por cerca de 1 ½ horas, ou até dobrar de volume.

Unte generosamente com manteiga uma forma de muffins com 12 cavidades. Reserve.
Transfira a massa para uma superfície levemente enfarinhada e abra com um rolo, formando um retângulo de 30x40cm. Espalhe a manteiga sobre toda a massa, deixando 1cm de borda sem manteiga. Salpique com o açúcar e em seguida com o coco. Começando pelo lado mais longo, enrole a massa firmemente em um cilindro. Corte em 12 fatias iguais e arrume cada uma delas nas cavidades da forma de muffin. Cubra com um pano de prato limpo e seco e deixe crescer novamente por 40-45 minutos – enquanto isso, preaqueça o forno a 200°.

Pincele os pãezinhos com o ovo batido com água e salpique com o coco. Leve-os ao forno por cerca de 25 minutos ou até que cresçam e dourem bem. Deixe esfriar na forma sobre uma gradinha por 5 minutos, e então desenforme com cuidados (os pãezinhos são bem macios), transferindo-os para a gradinha e deixando esfriar completamente (eles também são uma delícia servidos mornos).

* creme azedo (sour cream) caseiro: para preparar 1 xícara de creme azedo, misture 1 xícara (240ml) de creme de leite fresco com 2-3 colheres (chá) de suco de limão ou limão siciliano em uma tigela. Vá mexendo até que comece a engrossar. Cubra com filme plástico e deixe em temperatura ambiente por 1 hora ou até que engrosse um pouco mais (geralmente faço o meu na noite anterior e deixo sobre a pia – com exceção de noites extremamente quentes – coberto com filme plástico; na manhã seguinte o creme fica bem espesso – leve à geladeira para ficar mais espesso ainda)

Rend.: 12 unidades

Friday, August 11, 2017

Muffins de laranja, mirtilo e azeite de oliva e um problema com lactose

English version

Orange, blueberry and olive oil muffins / Muffins de laranja, mirtilo e azeite de oliva

Sei que é bastante raro eu postar receitas no blog em dois dias seguidos, e ainda estou correndo pra lá e pra cá tentando dar conta das minhas coisas, mas já que a semana que vem será mais cheia do esta que termina hoje decidi chutar o balde e trazer-lhes estes muffins hoje: novamente uma receita rapidinha, mas muito gostosa. Os muffins ficam dourados e úmidos, macios e perfumados de laranja.

Sou a louca dos cítricos, como vocês bem sabem, e nestes muffins o sabor da laranja complementa lindamente os mirtilos. A adição de azeite é uma surpresa bacana, sem contar que esta se tornou a minha receita de muffin oficial, aquela que é pau-para-toda-obra, depois que fui diagnosticada como intolerante à lactose, há um mês e qualquer coisa. Já a fiz com leite sem lactose com bons resultados e preciso testá-la com leite de amêndoa qualquer hora.

Muffins de laranja, mirtilo e azeite de oliva
receita minha

- xícara medidora de 240ml

¾ xícara (150g) de açúcar cristal
raspas da casca de 2 laranjas
1 ½ xícaras (210g) de farinha de trigo
2 colheres (chá) de fermento em pó
1/8 colher (chá) de sal
1 ovo grande, temperatura ambiente
½ xícara (120ml) de leite integral, temperatura ambiente
1/3 xícara (80ml) de azeite de oliva extra virgem
½ colher (chá) de extrato de baunilha
1 xícara (140g) de mirtilos, frescos ou congelados (se usar congelados, não descongele antes)

Preaqueça o forno a 200°C. Forre com forminhas de papel 8 cavidades de uma forma de muffin. Encha as cavidades restantes com água até a metade: isso evita que a forma entorte.

Em uma tigela grande, misture o açúcar e as raspas de laranja e esfregue com as pontas dos dedos até o açúcar aromatizar. Junte a farinha, o fermento e o sal e misture bem com um batedor de arame.
Em uma tigela média, misture bem com um batedor de arame o ovo, o leite, o azeite e a baunilha. Despeje sobre os ingredientes secos e misture levemente com um garfo – não misture demais, ou os muffins ficarão duros; massa de muffin não é lisa como massa de bolo.
Incorpore os mirtilos. Divida a massa entre as forminhas de papel e leve ao forno por cerca de 20 minutos ou até que os muffins cresçam e dourem – faça o teste do palito. Deixe esfriar na forma sobre uma gradinha por 5 minutos, e então remova os muffins da forma com cuidado, transferindo-os para a gradinha. Deixe esfriar completamente ou sirva mornos.

Rend.: 8 unidades

Thursday, August 10, 2017

Amaretti de amendoim com um toque de canela e sem tempo para o blog

English version

Peanut cinnamon amaretti / Amaretti de amendoim com um toque de canela

Meus dias tem sido cheios ultimamente e acho que alguns de vocês já sabem que isso acontece quando eu sumo do blog. :)

Entretanto, dei um jeito de passar por aqui hoje, bem rapidamente, para lhes trazer uma receita que adoro, e que também é rapidíssima de fazer: os amaretti que preparo de vez em quando, trocando as amêndoas por um ingrediente bem brasileiro: amendoim. Eu os considero biscoitos Ítalo-brasileiros (gosto mesmo de misturar países na minha cozinha). :)

Estes amaretti vão super bem com café ou chá, além de ficarem uma delícia quebradinhos em pedaços menores e salpicados por cima do sorvete.

Amaretti de amendoim com um toque de canela
receita minha

- xícara medidora de 240ml

2 ½ xícaras (250g) de farinha de amendoim
1 xícara (200g) de açúcar cristal
½ colher (chá) de canela em pó
1 pitada de sal
2 claras grandes (56g no total)
½ colher (chá) de extrato de baunilha

Preaqueça o forno a 180°C. Forre duas assadeiras grandes e rasas com papel manteiga.

Em uma tigela grande, misture com um batedor de arame a farinha de amendoim, o açúcar, a canela e o sal. Acrescente as claras e a baunilha e vá misturando com uma espátula de silicone até obter uma massa.

Faça bolinhas usando 2 colheres (chá) niveladas de massa e coloque nas assadeiras preparadas, deixando 2,5cm de distância entre elas. Achate cada bolinha levemente com os dedos e asse por 15 minutos ou até que dourem. Deixe esfriar completamente nas assadeiras sobre gradinhas.

Os biscoitinhos podem ser guardados em um recipiente hermético em temperatura ambiente por até 2 semanas.

Rend.: cerca de 35 unidades

Wednesday, August 02, 2017

Frittata de brócolis, cebola caramelizada e mozarela fresca, ou ovos são os meus heróis na cozinha

English version

Broccolini, caramelized onions and mozzarella frittata / Frittata de brócolis, cebola caramelizada e mozarela fresca

Posso dizer com certeza que ovos são um dos meus ingredientes favoritos no mundo: deliciosos, saudáveis e extremamente versáteis. Não importa o quão pobrinhas estejam a sua despensa e geladeira, se houver ovos em casa o jantar está garantido – e quase sempre de maneira rapidíssima.

Faço frittatas com frequência, já que nelas posso usar o que estiver sem destino certo na geladeira. A que lhes trago hoje tem uma das minhas combinações de sabores mais adoradas em frittatas e há vezes em que compro brócolis e/ou mozarela só para prepará-la: os brócolis ficam ótimos combinados com os pedacinhos molinhos de queijo derretido, mas para mim o que faz mesmo o prato brilhar é a doce e saborosa cebola caramelizada, por isso, lhes peço que tenham paciência e insistam neste passo, mesmo que lhes pareça uma tarefa chata e ingrata – vale muito a pena. Já usei algumas vezes orégano fresco no lugar do tomilho e ficou muito gostoso também.

Frittata de brócolis, cebola caramelizada e mozarela fresca
receita minha

- xícara medidora de 240ml

½ cebola grande, em fatias finas
1 colher (sopa) de azeite de oliva
½ colher (chá) de açúcar cristal
sal
1 ½ xícaras (60g) de floretes de brócolis
3 ovos grandes, temperatura ambiente
pimenta do reino moída na hora
2 colheres (chá) de folhas de tomilho fresco
1/3 xícara (60g) de mozarela fresca

Preaqueça o forno a 200°C. Aqueça o azeite em uma frigideira de 20cm de diâmetro e que possa ir ao forno. Junte a cebola e misture para cobri-las com o azeite. Salpique com o açúcar e 1 pitada de sal, baixe o fogo e cozinhe, mexendo de vez em quando, por cerca de 20 minutos ou até que as cebolas estejam douradas e macias.

Junte os floretes de brócolis e cozinhe, mexendo ocasionalmente, por 2 minutos. Enquanto isso, quebre os ovos em uma tigela média, tempere com sal e pimenta do reino e bata com um batedor de arame. Junte o tomilho.
Dê uma boa misturada na cebola e nos brócolis na frigideira antes de cobrir com os ovos, para evitar que a cebola fique toda no fundo. Despeje os ovos sobre os ingredientes. Rasgue a mozarela em pedaços e espalhe-os sobre os ovos. Cozinhe a frittata em fogo baixo por 2 minutos, sem misturar, e então leve ao forno por 8 minutos, ou até que estufe e doure. Sirva imediatamente.

Rend.: 2 porções

Wednesday, July 12, 2017

Bolo de amêndoa e sementes de papoula para celebrar coisas simples

English version

Almond poppy seed cake / Bolo de amêndoa e sementes de papoula

Tempos atrás estava pensando nas coisas que tem o poder de melhorar os meus dias e foi meio que uma surpresa perceber que muitas delas são incrivelmente simples: chegar em casa do trabalho e imediatamente tirar os sapatos (especialmente quando estou usando salto alto), tomar um banho pelando nos dias frios – a pele sofre, mas quem consegue resistir? –, vestir o pijama e relaxar no sofá com uma caneca de chocolate quente... Alguns dias são bem difíceis e me espanta quanto conforto encontro nas pequenas coisas (ou talvez eu seja fácil de agradar, quem sabe?). :)

Enquanto preparava o almoço sábado passado, de repente me dei conta que não batia um bolinho havia séculos – fazer bolos é algo que me deixa bastante feliz: entra na categoria das coisas simples que alegram o meu dia, sobre a qual escrevi no início do post. E também há a vantagem de comer uma fatia de bolo fresquinho entre as refeições, quando bate aquela fominha misturada com uma vontade de comer um doce e uma fruta não resolveria.

Esta é uma receita que já fiz algumas vezes e como as coisas que descrevi no texto é bastante simples, porém ótima: o bolo é saboroso e úmido. Vai bem sozinho, com chá ou café, mas como eu tinha morangos lindos na geladeira decidi servir com o bolo e uma colherada de chantilly. Ainda assim simples, ainda assim boa e reconfortante: como ficar descalça depois de um dia se equilibrando em sapatos de salto. :)

Bolo de amêndoa e sementes de papoula
receita minha

- xícara medidora de 240ml

¾ xícara (105g) de farinha de trigo
1 xícara (100g) de farinha de amêndoa
1 ¼ colheres (chá) de fermento em pó
1/8 colher (chá) de sal
1 ½ colheres (sopa) de sementes de papoula
½ xícara (100g) de açúcar cristal
raspas da casca de 1 laranja
½ xícara (113g) de manteiga sem sal, amolecida
2 ovos grandes
2 colheres (chá) de Amaretto
1 colher (chá) de extrato de baunilha
½ xícara (130g) iogurte natural desnatado

Preaqueça o forno a 180°C. Unte com manteiga uma forma redonda de 20cm de diâmetro, forre o fundo com um círculo de papel manteiga e unte-o também.

Em uma tigela média, misture com um batedor de arame a farinha de trigo, a farinha de amêndoa, o fermento, o sal e as sementes de papoula. Reserve.
Na tigela da batedeira, junte o açúcar e as raspas de casca de laranja e esfregue com as pontas dos dedos até aromatizar o açúcar. Junte a manteiga e bata em velocidade médio-alta até obter um creme claro e fofo – raspe as laterais da tigela ocasionalmente durante todo o preparo da receita. Junte os ovos, um a um, batendo bem a cada adição. Acrescente o Amaretto e a baunilha.

Em velocidade baixa, acrescente os ingredientes secos em três adições, alternando com o iogurte em duas adições – comece e termine com os ingredientes secos. Bata somente até obter uma massa homogênea. Despeje na forma preparada, alise a superfície e leve ao forno por 30-35 minutos ou até que o bolo cresça e doure – faça o teste do palito. Deixe esfriar completamente na forma sobre uma gradinha. Desenforme com cuidado, remova o papel e transfira o bolo para o prato de servir.

Rend.: 8 porções

Friday, July 07, 2017

Sopa de abóbora assada, pimentão, grão de bico e chorizo e mudando de ideia

English version

Roasted butternut squash, bell pepper and chickpea soup with chorizo / Sopa de abóbora assada, pimentão, grão de bico e chorizo

Quem me lê faz tempo já me viu fazer declarações de amor ao frio e também reclamar muito das temperaturas de verão – bem, meus queridos leitores, uma das coisas boas da vida é poder mudar de ideia sobre certas questões, não? Não sei bem o que foi acontecendo no último ano, mas no momento ando de mal com o inverno, me sentindo miserável ao levantar da cama com manhãs de 9-10°C.

Quem mora em países que passam por invernos rigorosos deve estar gargalhando de eu chamar 9-10°C de frio, eu sei. :D

Nunca fui gostei de ficar ao ar livre – nem mesmo quando criança – mas nos últimos meses tenho adorado passar tempo fora de casa, fazendo longas caminhadas em parques – o cheiro das árvores me traz um misto de conforto e felicidade. Talvez seja por isso que o inverno está me chateando: sinto falta de ficar ao ar livre e anda me faltando coragem para encarar o parque em noites de 12°C.

Uma tigela de sopa bem quente tem sido a melhor opção para o jantar ultimamente, e hoje lhes trago uma receita que criei com a Espanha na cabeça: percebi que assar a abóbora em vez de simplesmente cozinhá-la no caldo de legumes dá uma nova dimensão de sabor, mais caramelizado. E quem consegue resistir aos pedacinhos de chorizo crocantes sobre a sopa? Eu não consigo – posso até não ser tão doida por carne de porco como minha mãe era, mas bacon e chorizo me dão água na boca. Fui vegetariana por oito anos e durante todo este tempo não senti falta de nenhuma carne, a não ser de bacon. :)

Sopa de abóbora assada, pimentão, grão de bico e chorizo
receita minha

1kg de abóbora pescoço, já descascada, sem as sementes e em cubos
1 ½ colheres (sopa) de azeite de oliva
sal e pimenta do reino moída na hora
4 dentes de alho, ainda na casca
5-6 galhinhos de orégano fresco
100g de chorizo em cubinhos
½ cebola grande picadinha
1 pimentão vermelho pequeno em cubinhos pequenos
3 xícaras (720ml) de caldo de legumes quente
1 ½ xícaras (300g) de grão de bico cozido e escorrido

Preaqueça o forno a 200°C. Forre uma assadeira grande e rasa com papel alumínio e pincele-o com um fio do azeite. Transfira a abóbora para a assadeira e junte os galhinhos de orégano e os dentes de alho. Regue com o azeite restante, tempere com sal e pimenta e misture bem com as mãos. Arrume os pedaços de abóbora na assadeira uns ao lado dos outros, sem sobrepor. No meio deles vão os dentes de alho e por cima os galhinhos de orégano – é importante que o orégano esteja regado com azeite para não queimar. Leve ao forno por 30-35 minutos ou até que a abóbora esteja macia. Retire do forno e descasque os dentes de alho (quando estiverem frios o bastante para não queimar as suas mãos).

Em uma panela grande, leve o chorizo ao fogo alto e vá fritando até dourar de todos os lados. Retire da panela e transfira para um prato forrado com papel toalha. Na gordura do chorizo refogue a cebola e o pimentão até que amaciem. Junte o alho assado, refogue por 1 minuto, e então junte a abóbora e refogue por mais 3 minutos. Acrescente o caldo de legumes e assim que começar a ferver, abaixo o fogo para médio e cozinhe por 5 minutos. Bata a sopa com o mixer ou no liquidificador – se usar o liquidificador, tome muito cuidado para não se queimar: remova a tampinha menor e então cubra a tampa com um pano de prato seco dobrado – desta forma o vapor tem por onde sair e a mistura não espirrará em você.
Quando a sopa estiver lisa, junte o grão de bico e cheque o tempero. Transfira a sopa para tigelas ou pratos e salpique com o chorizo na hora de servir.

Rend.: 5-6 porções

Alternativas para o chorizo: bacon ou linguiça defumada com uma pitada de páprica e outra de pimenta caiena.




Tuesday, July 04, 2017

Blondies de chocolate branco e limão siciliano para comemorar 11 anos de TK

English version

White chocolate and lemon blondies / Blondies de chocolate branco e limão siciliano

Na época em que ainda estava planejando escrever o livro de receitas lembro de ter dito ao meu marido que incluiria um montão de receitas cítricas, tantas quanto fossem possíveis, e muitas delas seriam de doces de limão siciliano – só de pensar já sinto a boca repuxar, tamanho o meu amor pelo azedinho perfumado da fruta.

Entretanto, a cada ida ao supermercado o preço dos limões sicilianos me deixava abismada e eu voltava para casa de mãos abanando – fiquei desempregada por um bom tempo e não tinha coragem de pagar absurdos R$ 15,00, às vezes até mais, no quilo da fruta. Passei de querer um livro cheio de receitas com o meu querido limãozinho a selecionar com cuidado as receitas nas quais usaria o ingrediente. :(

Esta é uma das razões pelas quais fiquei tão orgulhosa destas blondies: são deliciosas, perfumadas de limão siciliano e o azedinho da fruta combina lindamente com a doçura do chocolate branco. Os limões foram caros, sim, mas cada centavo gasto neles valeu a pena para criar algo tão saboroso (sem contar facílimo de fazer): as blondies desapareceram em cada uma das três vezes em que as preparei.

Falando em limão siciliano, adoro quando vocês, leitores, me dizem que lembram de mim por causa dele. Por isso mesmo, trago hoje esta receita, no dia em que o meu blog completa onze anos de existência: muita coisa mudou de 2006 pra cá – trabalho, pessoas novas na minha vida – porém o meu amor pela cozinha ainda é sólido e o blog continua me trazendo alegria.

Obrigada pela companhia por todos estes anos. xx

Blondies de chocolate branco e limão siciliano
receita minha

- xícara medidora de 240ml

¼ xícara (50g) de açúcar cristal
raspas da casca de 2 limões sicilianos
2 ½ colheres (sopa) - 35g - de manteiga sem sal, temperatura ambiente
200g de chocolate branco picado, uso dividido
1 ovo grande
½ colher (chá) de extrato de baunilha
¾ xícara (105g) de farinha de trigo
½ colher (chá) de fermento em pó
1 pitada de sal

Preaqueça o forno a 180°C. Unte levemente com manteiga uma forma quadrada de 20cm, forre-a com papel alumínio deixando sobras em dois lados opostos, formando “alças”, e unte o papel também.

Em uma tigelinha, misture o açúcar e as raspas de limão e esfregue com as pontas dos dedos até o açúcar aromatizar. Reserve.
Em uma tigela grande, junte o chocolate e a manteiga e leve ao banho-maria (fogo baixo, sem deixar o fundo da tigela tocar a água), mexendo até que derretam. Retire do fogo e deixe esfriar um pouco.
Junte o açúcar e misture com um batedor de arame. Faça o mesmo com o ovo e a baunilha. Com uma espátula de silicone, incorpore gentilmente a farinha, o fermento e o sal, misturando de baixo para cima. Faça o mesmo com os 50g de chocolate restantes.

Espalhe a massa na forma preparada e alise a superfície. Asse por 15-20 minutos ou até que um palito inserido no centro saia com migalhas úmidas. Deixe esfriar completamente na forma, sobre uma gradinha. Corte em quadradinhos para servir.

Rend.: 16 unidades

Wednesday, June 28, 2017

Pide de carne e alho-poró

English version

Beef and leek pide / Pide de carne e alho-poró

Tenho quase certeza de que a primeira vez que vi/ouvi falar de pizza turca foi assistindo a um dos episódios da fantástica série “A Culinária Mediterrânea de Yotam Ottolenghi”, exibida pelo GNT há bastante tempo – o que ele fez de fato era chamado de lahmacun e parecia delicioso servido com uma saladinha fresca.

Passam-se vários meses e dei de cara com uma receita de pide em uma das revistas que assino (acho que na Delicious australiana – não estou bem certa, a cabeça anda pregando peças). A receita parecia similar ao lahmacun do Ottolenghi, porém o formato é de uma barquinha. Decidi pesquisar um pouco mais e acabei fazendo a minha versão da receita.

A primeira vez que fiz a pide foi para um almoço em um sábado preguiçoso e já esperava os elogios do João, pois ele adora esfiha. Entretanto, ele gostou tanto, mas tanto que da segunda vez em diante eu passei a fazer 1 receita e meia – 4 pides não são suficientes para nós dois. :D

Pide de carne e alho-poró
receita minha, inspirada em diversas outras

- xícara medidora de 240ml

Massa:
1 colher (chá) de fermento biológico seco
½ colher (chá) de açúcar cristal
1/3 xícara (80ml) de água morna
¼ xícara (60ml) de leite integral morno
1 ¼ xícaras (175g) de farinha de trigo comum
¼ xícara (35g) de farinha de trigo integral
½ colher (chá) de sal
2 colheres (sopa) de azeite de oliva extra virgem

Recheio:
2 colheres (sopa) de manteiga sem sal
1 alho-poró grande, somente a parte clara (cerca de 120g), em rodelas
2 dentes de alho grandes, amassados e picadinhos
250g de carne bovina moída – gosto de patinho
1 colher (chá) de páprica defumada
2 tomates maduros, sem as sementes, em cubinhos
sal e pimenta do reino moída na hora
1 punhado de folhas de salsinha fresca, picadas

Para pincelar a massa:
1 colher (sopa) de azeite de oliva extra virgem

Comece pela massa: na tigela da batedeira planetária, junte o fermento biológico, o açúcar, a água e o leite, misturando bem com um garfo. Reserve por 5 minutos ou até espumar. Junte as farinhas, o sal e o azeite e misture usando o batedor para massas pesadas (em formato de gancho no caso da Kitchen Aid) por cerca de 8 minutos ou até obter uma massa lisa e elástica – a massa pode ser sovada com as mãos: neste caso, 12-14 minutos são suficientes. Forme uma bola com a massa, transfira para uma tigela grande levemente untada com azeite. Cubra com filme plástico e deixe crescer em um lugar morninho, livre de correntes de ar, por cerca de 1 hora ou até dobrar de volume.

Enquanto a massa cresce, faça o recheio: aqueça a manteiga em uma panela grande em fogo médio até derreter. Junte o alho-poró e refogue, mexendo algumas vezes, até amaciar, uns 5 minutos. Junte o alho e refogue por 1 minuto ou até perfumar – não deixe queimar o alho para que a receita não fique amarga. Acrescente a carne e refogue, mexendo algumas vezes, até dourar, 5-7 minutos. Junte a páprica, os tomates, tempere com sal e pimenta e cozinhe por mais 3-5 minutos ou até que os tomates desmanchem levemente. Junte salsinha e retire do fogo. Deixe esfriar completamente antes de montar as pides.

Preaqueça o forno a 200°C. Forre uma assadeira grande com papel alumínio.
Divida a massa em 4 porções iguais. Abra cada uma delas com um rolo, formando uma espécie de barquinha ovalada de aproximadamente 25cm de comprimento. Espalhe o recheio pelo meio da massa e então aperte as pontas da massa, finalizando o formato de barquinha – o recheio fica exposto mesmo. Transfira para a assadeira preparada, pincele a massa com o azeite de oliva restante e asse por 25-30 minutos ou até dourar. Sirva imediatamente.

Rend.: 4 unidades

Friday, June 23, 2017

Figos assados com cobertura de farofinha e chantilly de Marsala e a razão de gostarmos de certas coisas

English version

Baked figs with streusel topping and Marsala whipped cream / Figos assados com cobertura de farofinha e chantilly de Marsala

Vocês já pararam para pensar na razão pela qual gostam de determinadas coisas?

Outro dia eu estava fazendo o almoço e ouvindo música quando “Rosanna”, do Toto, começou a tocar. Meu marido comentou: “não sabia que você gostava de Toto”, e eu respondi: “gosto desta música, porque tive uma professora de inglês chamada Rosana que a adorava justamente por causa do nome”. Foi uma das melhores professoras que tive e além disso eu a achava lindíssima: ruiva, ela tinha o rosto e os braços cobertos de sardas – foi ali, aos 15 anos, que eu finalmente comecei a gostar das minhas próprias sardas, já que até aquele momento eu me sentia esquisita e deslocada com elas: ninguém mais na família, na escola ou na minha rua as tinha, somente eu.

Hoje se fala tanto sobre representatividade, né? Vinte e três anos atrás, sem nem perceber, minha professora Rosana, a professora ruiva do CCAA da Av. Dr. Gentil de Moura, no Ipiranga, foi quem me fez parar de cobrir os braços com mangas longas mesmo em dias de extremo calor; foi ela quem me fez parar com a bobagem de esfregar o rosto com a água da lavagem do arroz para apagar as sardas. Eu ouço “Rosanna” por causa dela e sinto uma alegria imensa.

Já os figos... Gosto deles por tê-los provado pela primeira vez na casa da minha madrinha, lá pelos 7-8 anos de idade. O cheiro da fruta me leva imediatamente de volta aos dias que passei em sua casa – figos e chá de hortelã: impossível não pensar na minha madrinha com tais cheiros e sabores. Ela morreu há bastante tempo, porém tenho muitos momentos gostosos para revisitar.

Minha madrinha Yolanda era uma mulher sofisticada e viajara o mundo, então tenho certeza de que ela adoraria esta sobremesa: os figos se transformam em uma espécie de geleia cremosa dentro do forno e o chantilly de Marsala complementa o sabor da fruta lindamente. Apenas acho que a casca dos figos não se beneficia do calor, por isso sugiro comer a polpa com a cobertura de farofinha usando uma colher e considerar a casca apenas uma “tigelinha” para toda a deliciosidade da sobremesa. :)

Figos assados com cobertura de farofinha e chantilly de Marsala
receita minha

- xícara medidora de 240ml

Para os figos:
6 figos pequenos
½ xícara (70g) de farinha de trigo
3 colheres (sopa) de açúcar demerara
3 colheres (sopa) - 42g - de manteiga sem sal, gelada e picada
¼ colher (chá) de canela em pó
1 pitada de sal

Chantilly de Marsala:
½ xícara (120ml) de creme de leite fresco, gelado
1 colher (sopa) de açúcar cristal
1 colher (chá) de vinho Marsala

Preaqueça o forno a 200°C. Forre uma assadeira pequena e rasa com papel alumínio.

Em uma tigelinha junte a farinha, o açúcar, o sal e a canela. Junte a manteiga e esfregue com as pontas dos dedos até obter uma farofinha grossa.
Corte os figos ao meio no sentido do comprimento e arrume-os na assadeira preparada, com o lado cortado virado para cima. Distribua a farofinha entre os figos, apertando levemente com os dedos para que ela grude nas frutas e não caia na assadeira durante o tempo de forno. Asse por 20-25 minutos ou até a farofinha dourar.

Enquanto isso, junte o creme de leite, o açúcar e o Marsala em uma tigela pequena e bata com um batedor de arame até obter picos suaves. Sirva os figos ainda quentes com o creme batido.

Rend.: 4 porções

Wednesday, June 21, 2017

Financiers de centeio e amora e pirando com ingredienes

English version

Blackberry rye financiers / Financiers de centeio e amora

Sei que muita gente de-tes-ta ir ao supermercado, mas confesso que acho pra lá de divertido (podem me chamar de louca, não tem problema). :)

Meu marido acha engraçado o quão animada eu fico com uma fruta bonita ou um produto novo – semanas atrás vi uma geleia de limão siciliano na prateleira e mandei um “OLHA ESSA GELEIA!!” pra ele, lá na outra ponta do corredor – ainda bem que ele me conhece bem e não liga de ser encarado por estranhos. :)

Outro momento “discreto” aconteceu alguns meses atrás, quando vi no sacolão essas amoras pequetiticas – tão bonitinhas, tive que trazê-las para casa. Minha ideia era comê-las com iogurte no café da manhã, porém as danadas estavam azedas demais, mesmo para mim. Então metade virou um crumble e a outra metade adicionei a estes financiers, e neles troquei a farinha de trigo pela de centeio fina (da qual falei neste post). Foi uma combinação incrível de sabores e fiquei bem feliz com o resultado – sem contar que os financiers ficaram uma fofurinha de tão lindos. <3


Blackberry rye financiers / Financiers de centeio e amora

Financiers de centeio e amora
receita minha

¾ xícara (75g) de farinha de amêndoa
2 ½ colheres (sopa) - 25g - de farinha de centeio fina (a mesma deste post)
½ xícara (70g) de açúcar de confeiteiro, peneirado – meça, depois peneire
1/8 colher (chá) de canela em pó
1 pitada de sal
3 claras (84g)
1/3 xícara (75g) de manteiga sem sal, derretida e fria
2 colheres (chá) de Amaretto
½ colher (chá) de extrato de baunilha
¾ xícara (90g) de amoras pequenas

Em uma tigela média, misture com um batedor de arame a farinha de amêndoa, a de centeio, o açúcar, a canela e o sal. Junte as claras e misture. Acrescente a manteiga, o Amaretto e a baunilha e misture até obter uma massa homogênea. Cubra com filme plástico e leve à geladeira por 1 hora.

Preaqueça o forno a 200°C. Unte com manteiga 8 forminhas com capacidade para 100ml cada.
Divida a massa entre as forminhas e cubra com as amoras. Asse por cerca de 15 minutos ou até que os financiers cresçam e dourem. Deixe esfriar nas forminhas sobre uma gradinha por 5 minutos. Desenforme com cuidado e transfira para a gradinha. Deixe esfriar completamente.

Rend.: 8 porções



Wednesday, June 14, 2017

Muffins de limão siciliano e pera com farofinha de amêndoa

English version

Pear lemon muffins with almond streusel / Muffins de limão siciliano e pera com farofinha de amêndoa

Muitas das vezes em que cozinho começo com uma ideia específica, uma vontade grande naquele momento ou algo que vi em algum lugar. Entretanto, há vezes em que abro a geladeira ou o armário e decido o que fazer ali na hora, dependendo do que vejo.

Os muffins que lhes trago hoje surgiram quando eu estava pegando algumas hortaliças na geladeira para fazer o almoço: olhei para o lado e vi um punhado de peras. Meu marido trouxera uns limões sicilianos lindos do mercado, então decidi combinar as duas frutas. E a ideia da farofinha de amêndoa me veio à mente porque alguns dias antes eu havia feito um crumble de frutas com amêndoa.

O processo de criação desta receita pode ter sido bem simples, até mesmo bobo – uma espiada de geladeira, umas frutas na fruteira – mas os muffins são tudo menos isso: deliciosos, macios e perfumados.

Muffins de limão siciliano e pera com farofinha de amêndoa
receita minha

- xícara medidora de 240ml

Farofinha:
2 ½ colheres (sopa) - 25g - de farinha de trigo
¼ xícara (25g) de farinha de amêndoa
1/3 xícara (65g) de açúcar demerara
1 pitada de sal
2 colheres (sopa) - 28g - de manteiga sem sal, derretida e fria
¼ xícara (25g) de amêndoas em lâminas

Muffins:
½ xícara (100g) de açúcar cristal
raspas da casca de 2 limões sicilianos
2 xícaras (280g) de farinha de trigo
2 colheres (chá) de fermento em pó
1 pitada de noz-moscada ralada na hora
1 pitada de sal
½ xícara (113g) de manteiga sem sal, derretida e fria
2 ovos grandes
¾ xícara (180ml) de leite integral, temperatura ambiente
1 colher (chá) de extrato de baunilha
3 peras pequenas (400g no total), descascadas, cabinhos e sementes removidos, cortadas em cubinhos

Preaqueça o forno a 200°C. Forre uma forma de muffins de 12 cavidades com forminhas de papel.

Comece pela farofinha: em uma tigelinha, misture a farinha de trigo, a farinha de amêndoa, o açúcar e o sal. Junte a manteiga e misture com um garfo apenas até que a mistura se torne uma farofinha parecida com areia molhada – não misture demais, ou tudo virará uma pasta. Leve à geladeira enquanto prepara a massa dos muffins.

Muffins: em uma tigela grande, misture o açúcar e as raspas de limão e esfregue com as pontas dos dedos até que o açúcar fique aromatizado. Acrescente a farinha, o fermento, a noz-moscada e o sal e misture com um batedor de arame.
Em uma tigela média, misture a manteiga, os ovos, o leite e a baunilha com um batedor de arame. Despeje sobre os ingredientes secos e misture levemente com um garfo, sem misturar demais para que os muffins não fiquem duros – massa de muffin não é lisa como massa de bolo. Incorpore os pedacinhos de pera rapidamente.
Divida a massa entre as forminhas de papel. Cubra com a farofinha, apertando levemente com as mãos para que ela grude na massa.

Asse por cerca de 20 minutos ou até que os muffins cresçam e dourem – faça o teste do palito. Deixe esfriar na forma sobre uma gradinha por 5 minutos e então desenforme com cuidado, transferindo os muffins para a gradinha.

Rend.: 12 unidades

Friday, June 09, 2017

Pão macio de centeio com rillette de sardinha e mais lembranças da infância

English version

Soft rye bread with sardine rillette / Pão de centeio macio com rillette de sardinha

Muitos e muitos meses atrás, quando eu ainda estava com os planos do livro, li sobre rillettes e achei bem interessantes – conforme fui vendo receitas de rillette de carne de porco, pensei logo em minha mãe e em seu amor por este tipo de carne, coisa que sempre ligo ao sangue alemão (eu e meu trauma eterno de todas aquelas salsichas estranhas e joelhos de porco cheios de gordura dos quais eu não chegava nem perto nas férias da infância) :)

Conforme fui pensando no quanto ela amaria este tipo rústico de patê, me veio à mente também o seu patê de sardinha, comida barata das épocas de vacas magras – com a tão conhecida torta de liquidificador, era o fim dado a tantas latas de sardinha que vinham na cesta do meu pai, à época metalúrgico. Foram muitos sanduichinhos de patê de sardinha na lancheira – os meus sempre sem as cascas – junto com os bolos de cenoura. :)

Tudo isso acima misturado na minha cabeça me deu a ideia de fazer rillette com sardinhas em lata em vez da carne de porco e uma pesquisada pela Internet afora me mostrou variações do prato feitas com salmão, então eu soube que estava no caminho certo. Acabei fazendo este rillette de sardinha inúmeras vezes, já que eu e o marido ficamos loucos pelo patezinho.

Lá pela terceira vez, se não me falha a memória, achei que o rillette merecia ser acompanhado de um pãozinho caseiro e achei que o sabor forte do centeio combinaria bem com o patê – João concordou, porém me pediu um pão macio, para comermos no café da manhã do dia seguinte. Fiz este que lhes trago hoje, macio com a adição de leite à massa, mas ainda assim saboroso. O problema foi que no final das contas comemos TODO O PÃO com o rillette e não sobrou nada para o café da manhã. :)

Pão macio de centeio
receita minha

- xícara medidora de 240ml

Pão:
150ml de leite integral morno
200ml de água morna
2 colheres (chá) de fermento biológico seco
1 colher (chá) de açúcar cristal
½ colher (sopa) de mel
2 xícaras (280g) de farinha de trigo
1 ¼ xícaras (175g) de farinha de centeio
1 ½ colheres (chá) de sal

Para pincelar o pão:
1 colher (sopa) de leite integral, temperatura ambiente

Na tigela da batedeira planetária, misture o leite, a água, o fermento biológico e o açúcar usando um garfo. Reserve por 5 minutos ou até espumar. Acrescente o mel, as farinhas e o sal e misture usando o batedor para massas pesadas (em formato de gancho no caso da Kitchen Aid) por cerca de 8 minutos ou até obter uma massa lisa e elástica – a massa pode ser sovada com as mãos: neste caso, 12-14 minutos são suficientes. Forme uma bola com a massa, transfira para uma tigela grande levemente untada com óleo ou azeite. Cubra com filme plástico e deixe crescer em um lugar morninho, livre de correntes de ar, por 1 ½ horas ou até dobrar de volume.

Unte levemente com azeite ou manteiga uma forma de bolo inglês com capacidade para 6 xícaras de massa.
Dê um soquinho na massa para eliminar o excesso de ar. Transfira a massa para uma superfície levemente polvilhada com farinha e abra-a com um rolo, formando um retângulo de aproximadamente 20x30cm. Começando com um dos lados mais longos, enrole a massa, formando um cilindro (como se estivesse fazendo cinnamon rolls). Aperte as emendas com as pontas dos dedos e transfira o cilindro de massa para a forma preparada, deixando a emenda virada para baixo. Cubra com um pano de prato limpo e seco e deixe crescer em um lugar morninho, livre de correntes de ar, por 40-45 minutos – enquanto isso, preaqueça o forno a 200°C.

Pincele o topo do pão com o leite e asse por cerca de 30 minutos ou até que cresça e doure bem. Para verificar se o pão está pronto dê batidinhas na superfície com os nós dos dedos: o som deve ser de algo oco. Deixe esfriar na forma sobre uma gradinha por 5 minutos e então desenforme com cuidado sobre a gradinha. Deixe esfriar completamente.

Rend.: 6-8 porções

Rillette de sardinha
receita minha

- xícara medidora de 240ml

1 ½ colheres (sopa) de azeite de oliva extra virgem, uso dividido
½ colher (sopa) de manteiga sem sal
½ cebola picadinha
1 talo de salsão em fatias finas – use uma mandolina
1 dente de alho, amassado e picadinho
3 galhinhos de tomilho fresco – apenas as folhas
1 pitada de páprica defumada
sal e pimenta do reino moída na hora
350g de sardinhas em lata, escorridas e em lascas
2 colheres (sopa) de vinho branco seco
2 colheres (sopa) de creme azedo (sour cream)*
2 colheres (sopa) de salsinha fresca e picadinha – pique, depois meça

Em um panela media, junte ½ colher (sopa) do azeite e a manteiga. Leve ao fogo médio até a manteiga derreter. Acrescente a cebola e o salsão e refogue, mexendo às vezes, até que fiquem macios, 3-4 minutos. Junte o alho e refogue somente até perfumar, 1 minuto. Abaixo o fogo e junte o tomilho e a páprica, tempere com sal e pimenta do reino e cozinhe, tampado, por 2 minutos. Junte o vinho, aumente o fogo e cozinhe até o vinho evaporar. Retire do fogo, junte a sardinha e misture bem. Deixe esfriar completamente. Quando esfriar, incorpore o creme azedo, o azeite restante e a salsinha. Prove e acerte o sal, se necessário.

O rillette pode ser guardado em um recipiente hermético na geladeira de um dia para o outro, porém deve ser servido em temperatura ambiente.

* creme azedo (sour cream) caseiro: para preparar 1 xícara de creme azedo, misture 1 xícara (240ml) de creme de leite fresco com 2-3 colheres (chá) de suco de limão ou limão siciliano em uma tigela. Vá mexendo até que comece a engrossar. Cubra com filme plástico e deixe em temperatura ambiente por 1 hora ou até que engrosse um pouco mais (geralmente faço o meu na noite anterior e deixo sobre a pia – com exceção de noites extremamente quentes – coberto com filme plástico; na manhã seguinte o creme fica bem espesso – leve à geladeira para ficar mais espesso ainda)

Rend.: 2 porções

Wednesday, June 07, 2017

Panna cotta de iogurte com gelatina de morango e destruindo clássicos (ou não)

English version

Yogurt panna cotta with strawberry gelatin / Panna cotta de iogurte com gelatina de morango

Toda vez que ouço algo sobre remakes de filmes sinto um aperto no coração – pra que mexer com os clássicos e arruinar o que já é ótimo?

A primeira vez que li que Hollywood pretendia fazer um remake de “Blade Runner” logo pensei: “vão destruir um filme incrível”. Semanas atrás vi o primeiro trailer e achei maravilhoso – não se trata de um remake, e sim de uma continuação (e sabemos que prequels e sequels nem sempre funcionam, né, Sr. Scott?), mas como Denis Villeneuve está dirigindo eu ainda tenho esperanças – “A Chegada” deveria ter levado o Oscar de Melhor Filme em fevereiro, apesar de eu ter amado “Moonlight”. Por enquanto, parece que não estão destruindo um clássico – vamos esperar até outubro para ter certeza.

E falando em clássicos, sei que muita gente torce o nariz para panna cotta feita com iogurte, dizendo que não é panna cotta “de verdade”, mas eu adoro: há, sim, a presença do creme de leite para encorpar, porém em menor quantidade, e o iogurte dá leveza à textura e um azedinho interessante ao sabor – para mim, a combinação é perfeita. Para deixar a panna cotta ainda mais interessante acrescentei uma camada de gelatina de morango – caseira, é claro – e a danada é tão gostosa que pode ser servida sozinha, sem a panna cotta mesmo. Gelatina feita com fruta é simplesmente imbatível.

Yogurt panna cotta with strawberry gelatin / Panna cotta de iogurte com gelatina de morango

Panna cotta de iogurte com gelatina de morango
receita minha

- xícara medidora de 240ml

Panna cotta:
2 colheres (sopa) de água fria
1 ½ colheres (chá) de gelatina incolor em pó
1 xícara (240ml) de creme de leite fresco
¼ xícara (50g) de açúcar cristal
¾ xícara (195g) de iogurte natural integral, temperatura ambiente
¼ xícara (60ml) de leite integral, temperatura ambiente
2 colheres (chá) de extrato de baunilha
1 pitada de sal

Gelatina de morango:
600g de morangos, sem os cabinhos e cortados ao meio
¼ xícara + 2 colheres (sopa) - 75g - de açúcar cristal
2/3 xícara (160ml) de água fria, uso dividido
2 colheres (chá) de suco de limão
2 colheres (chá) de gelatina incolor em pó

Comece pela panna cotta: separe 6 copos ou potinhos com capacidade para 200ml cada – use copos ou potinhos transparentes para que as duas camadas da sobremesa apareçam.

Coloque a água em um potinho pequeno e salpique com a gelatina. Reserve por 5 minutos para que a gelatina absorva a água. Enquanto isso, em uma panelinha, aqueça o creme de leite e o açúcar em fogo médio, mexendo com um batedor de arame para dissolver o açúcar, até a mistura começar a ferver. Retire do fogo e incorpore o iogurte, o leite, a baunilha e o sal. Junte a gelatina e mexa bem com o batedor para dissolvê-la. Passe a mistura por uma peneira fina e divida-a entre os potinhos. Leve à geladeira por 4 horas ou até firmar.

Agora, a gelatina: em uma panela média, junte os morangos, o açúcar cristal e 1 colher (sopa) da água. Leve ao fogo médio, mexendo algumas vezes, até os morangos ficarem macios e soltarem seus sucos, aproximadamente 10 minutos. Retire do fogo e leve ao liquidificador com ½ xícara (120ml) da água fria e o suco de limão. Bata bem até obter uma mistura homogênea. Passe por uma peneira fina, voltando o líquido para a panela.
Coloque as 2 colheres (sopa) de água fria restantes em um potinho pequeno e salpique com a gelatina. Reserve por 5 minutos para que a gelatina absorva a água.
Volte o suco de morango ao fogo até começar a ferver, desligue e incorpore a gelatina, misturando bem com um batedor de arame para dissolvê-la no suco. Passe novamente pela peneira, deixe esfriar e então despeje com cuidado sobre a panna cotta. Leve à geladeira por mais 4 horas para a gelatina firmar.

A sobremesa dura até dois dias na geladeira, coberta com plástico filme.

Rend.: 6 porções

Related Posts with Thumbnails