Wednesday, November 27, 2019

Sopa de cenoura, grão-de-bico e tahine com foto, sim, senhor

Sopa de cenoura, grão-de-bico e tahine

Tem horas em que a dinâmica de refeições aqui em casa é engraçada: eu cozinho algo novo, o João logo pergunta se eu vou fotografar para colocar no blog. Às vezes digo que não, porque não ficou tão bom assim (acontece, né? Pelo menos é raro), ou porque estou com preguiça de montar o circo todo. Se digo que sim, ele já vai no quarto da bagunça - carinhosamente apelidado assim por causa da, digamos, bagunça, mas o Pingo já andou falando pra todo mundo que o quarto é dele, então vamos ter que rever isso aí logo – e pega a minha tabuinha de fotografar e coloca na mesinha de centro, abre bem as cortinas, separa o tripé para mim... É marido & assistente de produção & cobaia. :D

Esta sopa, por exemplo, ficou uma delícia: leve, saborosa, e congela bem. Fiz em um domingo para jantar durante a semana. Estava com uma preguiça mortal de fazer foto, então falei pro João que não precisava pegar o arsenal. Só que, depois que almoçamos, fui guardar a sopa na geladeira, roubei uma colherada e... Estava gostosa demais para não dividir com vocês. “Amor, pega as tralhas aí que vai rolar foto, sim!”. :D

Pois bem, receitinha boa, fácil e vegana, cheia de sabor. Espero que vocês gostem e também a tenham no freezer para noites de preguiça – estou indo agora aquecê-la para o meu jantar. x

Sopa de cenoura, grão-de-bico e tahine
inspirada pela sopa de cenoura da Deb

- xícara medidora de 240ml

1 ½ colheres (sopa) de azeite de oliva
½ cebola grande em cubinhos
1/3 xícara de salsão em cubinhos – pique, depois meça
4 cenouras (500g), descascadas e em cubinhos – quanto menor você cortar a cenoura, menos tempo de cozimento será necessário para a sopa como um todo
1 dente de alho grande, picadinho
¼ colher (chá) de cominho em pó
¾ colher (chá) de sementes de mostarda amarela
1 litro de água fervente
1 folha de louro
1 folha de salsão – se não tiver, sem problema, use 2 de louro
4 raminhos de tomilho
sal e pimenta do reino moída na hora
1 lata (300g, 200g drenada) de grão-de-bico
2 colheres (sopa) de tahine
suco de limão taiti ou siciliano, para servir

Aqueça o azeite em uma panela média ao fogo médio-alto. Junte a cebola, o salsão e a cenoura e refogue, mexendo às vezes, por cerca de 10 minutos ou até que amaciem. Junte o alho e refogue por 1 minuto – não deixe o alho queimar ou a receita vai amargar.
Acrescente o cominho e as sementes de mostarda e misture bem. Adicione a água, a folha de louro e a folha de salsão, o tomilho, tempere com sal e pimenta do reino e, assim que ferver, abaixe o fogo e cozinhe, mexendo de vez em quando, por cerca de 25 minutos ou até a cenoura ficar bem macia. Junte o grão-de-bico, cozinhe por mais 5 minutos para aquecer.

Desligue o fogo, retire as folhas de louro e salsão, o tomilho, e então bata a sopa com um mixer até que fique cremosa – se preferir bater no liquidificador tome muito cuidado para não se queimar: remova a tampinha menor e então cubra a tampa com um pano de prato seco dobrado – desta forma o vapor tem por onde sair e a mistura não espirrará em você. Misture o tahine.

Na hora de servir, regue com um pouco de suco de limão espremido na hora – faz toda a diferença!

Rend.: 4 porções como entradinha, ou 3 mais generosas

Friday, November 22, 2019

Bolo cítrico com casquinha de açúcar, um texto que me fez chorar e o querido Nigel

Bolo cítrico com casquinha de açúcar

Uma vez lhes contei o quanto chorei (e também ri) com o filme “Toast”, que conta a vida do maravilhoso Nigel Slater - preciso tomar vergonha e ler o livro. Nigel tem um jeito tão particular com as palavras, tão único e belo – ele se denomina um cozinheiro que escreve, mas para mim ele é um escritor que cozinha.

Hoje mais cedo li este texto incrível da revista The New Yorker e chorei, de soluçar, e fiquei tentando disfarçar as lágrimas/não borrar a maquiagem, torcendo para não dar muito vexame (tudo em vão, pois além dos olhos de panda fiquei também com o nariz do Rudolph).
O jeito como Kathleen Alcott fala de Nigel e suas receitas é tão amável, tão querido, e aquele final, meu deus, que tijolada no dedão (daí as várias lágrimas). Recomendo demais o texto da Kathleen para quem lê em inglês, mesmo que não curta cozinhar, porque Nigel Slater é tão mais do que simplesmente comida ou receitas – seus textos tocam a alma da gente.

O bolo de hoje é uma receita saborosa da Gourmet Traveller, um bolo do jeito que gosto: cítrico e encharcado. É delicioso, sim, apesar de eu ficar devendo uma casquinha de açúcar decente, porque não tive coragem de usar 100g de açúcar por cima de um bolo que já era docinho. Adaptei a receita e achei que ficou gostoso e doce o suficiente. Este bolo me lembra um dos meus favoritos de todos os tempos, o de limão siciliano e tomilho do meu querido Nigel, e eu me lembro exatamente do dia em que o vi na TV preparando a receita no extinto canal da BBC na Net, e de como corri para a cozinha para fazer o bolo assim que o programa terminou. O bolo de hoje é uma delícia e eu adoraria que vocês o provassem, mas o do Nigel tem um gostinho mais especial no meu coração.

Bolo cítrico com casquinha de açúcar

Bolo cítrico com casquinha de açúcar
adaptado da sempre lindíssima Gourmet Traveller

- xícara medidora de 240ml

Bolo:
1 ½ xícaras (210g) de farinha de trigo
1 ½ colheres (chá) de fermento em pó
¼ colher (chá) de sal
1 xícara (200g) de açúcar cristal
raspas da casca de 1 laranja e de 1 limão taiti
200g de manteiga sem sal, amolecida
3 ovos, temperatura ambiente
1 colher (chá) de extrato de baunilha

Casquinha de açúcar:
suco da laranja usada para o bolo
suco do limão usada para o bolo
3 ½ colheres (sopa) - 42g - de açúcar cristal

Preaqueça o forno a 180°C. Unte uma assadeira de bolo inglês com capacidade para 6 xícaras e massa, forre-a com papel manteiga deixando sobras em lados opostos e unte o papel.

Em uma tigela média, misture bem a farinha, o fermento e o sal usando um batedor de arame. Reserve.
Na tigela da batedeira junte o açúcar e as raspas de limão e laranja e esfregue com as pontas dos dedos até que o açúcar fique aromatizados. Junte a manteiga e bata em velocidade média-alta até obter um creme claro e fofo – raspe as laterais da tigela algumas vezes durante todo o preparo da receita.

Junte os ovos, um a um, batendo bem a cada adição. Acrescente a baunilha e bata bem. Em velocidade baixa, junte os ingredientes secos e bata somente até incorporar – não bata demais para não deixar o bolo duro ou solado. Despeje na forma e alise a superfície. Asse por 45-50 minutos ou até que o bolo cresça e doure (faça o teste do palito).
Misture os ingredientes da calda em uma tigelinha até dissolver o açúcar. Ao retirar o bolo do forno, faça furos em todo o bolo com um palito de churrasco ou faca bem fina. Despeje a calda aos poucos até que toda ela seja absorvida pelo bolo. Deixe esfriar completamente na forma sobre uma gradinha. Remova o bolo da forma usando as alças de papel e sirva.

Rend.: 8-10 fatias

Thursday, November 07, 2019

Salada de batatas com especiarias

Salada de batatas com especiarias

Preciso começar o post de hoje sendo sincera com vocês: eu não gosto de salada de batata, nem de salada de maionese. É uma coisa que não me atrai mesmo, não me perguntem o porquê. Só que aqui em casa tenho um fã número um de salada de maionese, capaz de comer a travessa toda sozinho feliz da vida, e quando estava ainda criando receitas para o livro ele me disse que eu tinha que colocar a minha salada no livro. Como é uma receita simples e comum demais, disse para o João que colocaria uma quase salada de maionese, uma salada de batatas, mas que tivesse um algo a mais para que ficasse interessante.

Foi assim que a receita de hoje apareceu. João não curtiu muito, porque não é muito fã de especiarias (como pode, né, gente?), e eu não curti muito simplesmente porque salada de batata não é a minha praia. Portanto, a decisão fica com vocês: quem fizer a receita volta aqui para me contar o que achou.

Salada de batatas com especiarias
receita minha

500g de batata bolinha
1 colher (sopa) de azeite
½ colher (chá) de cominho em pó
¼ colher (chá) de cúrcuma em pó
1 pitada de pimenta caiena em pó
1 colher (chá) de coentro em grãos
sal e pimenta do reino moída na hora
raspas de 1 limão taiti pequeno
suco de ½ limão taiti pequeno
¼ xícara de iogurte natural integral
2 colheres (sopa) de maionese
1 cebolinha picada, incluindo a parte verde
1 punhado de salsinha picada

Lave bem as batatas e esfregue bem as cascas. Coloque em uma panela grande, cubra com água e leve ao fogo alto até começar a ferver. Acrescente 1 colher (chá) de sal e cozinhe até que as batatas fiquem macias – espete com um garfo para testar. Escorra a água e deixe as batatas no escorredor por alguns minutos para eliminar o excesso de umidade.

Enquanto as batatas cozinham, aqueça o azeite em uma frigideira média antiaderente. Junte as especiarias e doure-as no azeite por 1-2 minutos, até perfumarem – vá misturando para que não queimem. Retire do fogo e deixe amornar.

Corte as batatas ao meio e transfira para uma tigela grande enquanto ainda estiverem mornas. Junte as especiarias e o azeite que estiver a frigideira. Misture. Acrescente as raspas e o suco de limão, o iogurte e a maionese, a cebolinha e a salsinha e misture, com cuidado para não quebrar as batatas. Leve à geladeira por pelo menos 1 hora antes de servir.

Rend.: 4 porções

Friday, November 01, 2019

Curry de berinjela, grão-de-bico e espinafre

Curry de berinjela, grão-de-bico e espinafre

Nem preciso lhes dizer o quanto gosto de tirar foto de comida, mas confesso que alguns pratos são chatinhos de fotografar: sorvete, por exemplo, derrete rápido demais (pensem no sufoco que é fotografar sorvete em pleno janeiro), suflê murcha em um instante. Há, também, o caso das comidas feias, e o curry entra nesta categoria. O que lhes trago hoje ficou uma delícia, foi besta de fazer de tão fácil, usei tudo o que estava na geladeira (a receita em que me baseei, por exemplo, usava espinafre fresco e tomate pelado), mas ficou tão, mas tão feinho o coitado.

Daí fui no truque de caprichar no tecido e na louça para deixar a foto interessante e desviar a atenção da comida desprovida de beleza - mais ou menos quando a gente tá com cara de cansada e/ou em um bad hair day e capricha no batom vermelho para mudar o foco. #quemnunca :D

Curry de berinjela, grão-de-bico e espinafre
adaptado desta receita

- xícara medidora de 240ml

1 colher (sopa) de azeite
½ cebola grande, picadinha
1 berinjela grande (200g) em cubos pequenos
sal e pimenta do reino moída na hora
1 dente de alho grande, picadinho
½ colher (chá) de sementes de mostarda amarela
½ colher (chá) de cominho em pó
¼ colher (chá) de cúrcuma em pó
1 lata (300g) de grão-de-bico
2 tomates maduros, sem as sementes e em cubinhos
1 xícara (240ml) de água fervente
150g de espinafre congelado
1 punhado de coentro fresco picado

Em uma panela média, aqueça o azeite em fogo médio-alto. Junte a cebola e refogue, mexendo de vez em quando, até que fique transparente. Junte a berinjela e refogue, mexendo algumas vezes, até que doure e murche ligeiramente. Acrescente o alho e refogue por 1 minuto – não deixe queimar ou vai amargar a receita. Junte as especiarias, refogue por 1 minuto e junte o grão-de-bico e o tomate. Cozinhe, mexendo às vezes, por 5 minutos ou até o tomate começar a desmanchar.

Acrescente a água, misture bem, e então junte o espinafre. Tempere com sal e pimenta do reino e cozinhe tampado por 15 minutos, mexendo de vez em quando para que o espinafre descongele e se misture à receita.

Acerte o tempero, misture o coentro e sirva.

Rend.: 2-3 porções generosas – eu comi no almoço com arroz, levei de marmita para o trabalho no dia seguinte e congelei o restante em 2 porções para outras refeições

Related Posts with Thumbnails