Wednesday, June 28, 2017

Pide de carne e alho-poró

English version

Beef and leek pide / Pide de carne e alho-poró

Tenho quase certeza de que a primeira vez que vi/ouvi falar de pizza turca foi assistindo a um dos episódios da fantástica série “A Culinária Mediterrânea de Yotam Ottolenghi”, exibida pelo GNT há bastante tempo – o que ele fez de fato era chamado de lahmacun e parecia delicioso servido com uma saladinha fresca.

Passam-se vários meses e dei de cara com uma receita de pide em uma das revistas que assino (acho que na Delicious australiana – não estou bem certa, a cabeça anda pregando peças). A receita parecia similar ao lahmacun do Ottolenghi, porém o formato é de uma barquinha. Decidi pesquisar um pouco mais e acabei fazendo a minha versão da receita.

A primeira vez que fiz a pide foi para um almoço em um sábado preguiçoso e já esperava os elogios do João, pois ele adora esfiha. Entretanto, ele gostou tanto, mas tanto que da segunda vez em diante eu passei a fazer 1 receita e meia – 4 pides não são suficientes para nós dois. :D

Pide de carne e alho-poró
receita minha, inspirada em diversas outras

- xícara medidora de 240ml

Massa:
1 colher (chá) de fermento biológico seco
½ colher (chá) de açúcar cristal
1/3 xícara (80ml) de água morna
¼ xícara (60ml) de leite integral morno
1 ¼ xícaras (175g) de farinha de trigo comum
¼ xícara (35g) de farinha de trigo integral
½ colher (chá) de sal
2 colheres (sopa) de azeite de oliva extra virgem

Recheio:
2 colheres (sopa) de manteiga sem sal
1 alho-poró grande, somente a parte clara (cerca de 120g), em rodelas
2 dentes de alho grandes, amassados e picadinhos
250g de carne bovina moída – gosto de patinho
1 colher (chá) de páprica defumada
2 tomates maduros, sem as sementes, em cubinhos
sal e pimenta do reino moída na hora
1 punhado de folhas de salsinha fresca, picadas

Para pincelar a massa:
1 colher (sopa) de azeite de oliva extra virgem

Comece pela massa: na tigela da batedeira planetária, junte o fermento biológico, o açúcar, a água e o leite, misturando bem com um garfo. Reserve por 5 minutos ou até espumar. Junte as farinhas, o sal e o azeite e misture usando o batedor para massas pesadas (em formato de gancho no caso da Kitchen Aid) por cerca de 8 minutos ou até obter uma massa lisa e elástica – a massa pode ser sovada com as mãos: neste caso, 12-14 minutos são suficientes. Forme uma bola com a massa, transfira para uma tigela grande levemente untada com azeite. Cubra com filme plástico e deixe crescer em um lugar morninho, livre de correntes de ar, por cerca de 1 hora ou até dobrar de volume.

Enquanto a massa cresce, faça o recheio: aqueça a manteiga em uma panela grande em fogo médio até derreter. Junte o alho-poró e refogue, mexendo algumas vezes, até amaciar, uns 5 minutos. Junte o alho e refogue por 1 minuto ou até perfumar – não deixe queimar o alho para que a receita não fique amarga. Acrescente a carne e refogue, mexendo algumas vezes, até dourar, 5-7 minutos. Junte a páprica, os tomates, tempere com sal e pimenta e cozinhe por mais 3-5 minutos ou até que os tomates desmanchem levemente. Junte salsinha e retire do fogo. Deixe esfriar completamente antes de montar as pides.

Preaqueça o forno a 200°C. Forre uma assadeira grande com papel alumínio.
Divida a massa em 4 porções iguais. Abra cada uma delas com um rolo, formando uma espécie de barquinha ovalada de aproximadamente 25cm de comprimento. Espalhe o recheio pelo meio da massa e então aperte as pontas da massa, finalizando o formato de barquinha – o recheio fica exposto mesmo. Transfira para a assadeira preparada, pincele a massa com o azeite de oliva restante e asse por 25-30 minutos ou até dourar. Sirva imediatamente.

Rend.: 4 unidades

Friday, June 23, 2017

Figos assados com cobertura de farofinha e chantilly de Marsala e a razão de gostarmos de certas coisas

English version

Baked figs with streusel topping and Marsala whipped cream / Figos assados com cobertura de farofinha e chantilly de Marsala

Vocês já pararam para pensar na razão pela qual gostam de determinadas coisas?

Outro dia eu estava fazendo o almoço e ouvindo música quando “Rosanna”, do Toto, começou a tocar. Meu marido comentou: “não sabia que você gostava de Toto”, e eu respondi: “gosto desta música, porque tive uma professora de inglês chamada Rosana que a adorava justamente por causa do nome”. Foi uma das melhores professoras que tive e além disso eu a achava lindíssima: ruiva, ela tinha o rosto e os braços cobertos de sardas – foi ali, aos 15 anos, que eu finalmente comecei a gostar das minhas próprias sardas, já que até aquele momento eu me sentia esquisita e deslocada com elas: ninguém mais na família, na escola ou na minha rua as tinha, somente eu.

Hoje se fala tanto sobre representatividade, né? Vinte e três anos atrás, sem nem perceber, minha professora Rosana, a professora ruiva do CCAA da Av. Dr. Gentil de Moura, no Ipiranga, foi quem me fez parar de cobrir os braços com mangas longas mesmo em dias de extremo calor; foi ela quem me fez parar com a bobagem de esfregar o rosto com a água da lavagem do arroz para apagar as sardas. Eu ouço “Rosanna” por causa dela e sinto uma alegria imensa.

Já os figos... Gosto deles por tê-los provado pela primeira vez na casa da minha madrinha, lá pelos 7-8 anos de idade. O cheiro da fruta me leva imediatamente de volta aos dias que passei em sua casa – figos e chá de hortelã: impossível não pensar na minha madrinha com tais cheiros e sabores. Ela morreu há bastante tempo, porém tenho muitos momentos gostosos para revisitar.

Minha madrinha Yolanda era uma mulher sofisticada e viajara o mundo, então tenho certeza de que ela adoraria esta sobremesa: os figos se transformam em uma espécie de geleia cremosa dentro do forno e o chantilly de Marsala complementa o sabor da fruta lindamente. Apenas acho que a casca dos figos não se beneficia do calor, por isso sugiro comer a polpa com a cobertura de farofinha usando uma colher e considerar a casca apenas uma “tigelinha” para toda a deliciosidade da sobremesa. :)

Figos assados com cobertura de farofinha e chantilly de Marsala
receita minha

- xícara medidora de 240ml

Para os figos:
6 figos pequenos
½ xícara (70g) de farinha de trigo
3 colheres (sopa) de açúcar demerara
3 colheres (sopa) - 42g - de manteiga sem sal, gelada e picada
¼ colher (chá) de canela em pó
1 pitada de sal

Chantilly de Marsala:
½ xícara (120ml) de creme de leite fresco, gelado
1 colher (sopa) de açúcar cristal
1 colher (chá) de vinho Marsala

Preaqueça o forno a 200°C. Forre uma assadeira pequena e rasa com papel alumínio.

Em uma tigelinha junte a farinha, o açúcar, o sal e a canela. Junte a manteiga e esfregue com as pontas dos dedos até obter uma farofinha grossa.
Corte os figos ao meio no sentido do comprimento e arrume-os na assadeira preparada, com o lado cortado virado para cima. Distribua a farofinha entre os figos, apertando levemente com os dedos para que ela grude nas frutas e não caia na assadeira durante o tempo de forno. Asse por 20-25 minutos ou até a farofinha dourar.

Enquanto isso, junte o creme de leite, o açúcar e o Marsala em uma tigela pequena e bata com um batedor de arame até obter picos suaves. Sirva os figos ainda quentes com o creme batido.

Rend.: 4 porções

Wednesday, June 21, 2017

Financiers de centeio e amora e pirando com ingredienes

English version

Blackberry rye financiers / Financiers de centeio e amora

Sei que muita gente de-tes-ta ir ao supermercado, mas confesso que acho pra lá de divertido (podem me chamar de louca, não tem problema). :)

Meu marido acha engraçado o quão animada eu fico com uma fruta bonita ou um produto novo – semanas atrás vi uma geleia de limão siciliano na prateleira e mandei um “OLHA ESSA GELEIA!!” pra ele, lá na outra ponta do corredor – ainda bem que ele me conhece bem e não liga de ser encarado por estranhos. :)

Outro momento “discreto” aconteceu alguns meses atrás, quando vi no sacolão essas amoras pequetiticas – tão bonitinhas, tive que trazê-las para casa. Minha ideia era comê-las com iogurte no café da manhã, porém as danadas estavam azedas demais, mesmo para mim. Então metade virou um crumble e a outra metade adicionei a estes financiers, e neles troquei a farinha de trigo pela de centeio fina (da qual falei neste post). Foi uma combinação incrível de sabores e fiquei bem feliz com o resultado – sem contar que os financiers ficaram uma fofurinha de tão lindos. <3


Blackberry rye financiers / Financiers de centeio e amora

Financiers de centeio e amora
receita minha

¾ xícara (75g) de farinha de amêndoa
2 ½ colheres (sopa) - 25g - de farinha de centeio fina (a mesma deste post)
½ xícara (70g) de açúcar de confeiteiro, peneirado – meça, depois peneire
1/8 colher (chá) de canela em pó
1 pitada de sal
3 claras (84g)
1/3 xícara (75g) de manteiga sem sal, derretida e fria
2 colheres (chá) de Amaretto
½ colher (chá) de extrato de baunilha
¾ xícara (90g) de amoras pequenas

Em uma tigela média, misture com um batedor de arame a farinha de amêndoa, a de centeio, o açúcar, a canela e o sal. Junte as claras e misture. Acrescente a manteiga, o Amaretto e a baunilha e misture até obter uma massa homogênea. Cubra com filme plástico e leve à geladeira por 1 hora.

Preaqueça o forno a 200°C. Unte com manteiga 8 forminhas com capacidade para 100ml cada.
Divida a massa entre as forminhas e cubra com as amoras. Asse por cerca de 15 minutos ou até que os financiers cresçam e dourem. Deixe esfriar nas forminhas sobre uma gradinha por 5 minutos. Desenforme com cuidado e transfira para a gradinha. Deixe esfriar completamente.

Rend.: 8 porções



Wednesday, June 14, 2017

Muffins de limão siciliano e pera com farofinha de amêndoa

English version

Pear lemon muffins with almond streusel / Muffins de limão siciliano e pera com farofinha de amêndoa

Muitas das vezes em que cozinho começo com uma ideia específica, uma vontade grande naquele momento ou algo que vi em algum lugar. Entretanto, há vezes em que abro a geladeira ou o armário e decido o que fazer ali na hora, dependendo do que vejo.

Os muffins que lhes trago hoje surgiram quando eu estava pegando algumas hortaliças na geladeira para fazer o almoço: olhei para o lado e vi um punhado de peras. Meu marido trouxera uns limões sicilianos lindos do mercado, então decidi combinar as duas frutas. E a ideia da farofinha de amêndoa me veio à mente porque alguns dias antes eu havia feito um crumble de frutas com amêndoa.

O processo de criação desta receita pode ter sido bem simples, até mesmo bobo – uma espiada de geladeira, umas frutas na fruteira – mas os muffins são tudo menos isso: deliciosos, macios e perfumados.

Muffins de limão siciliano e pera com farofinha de amêndoa
receita minha

- xícara medidora de 240ml

Farofinha:
2 ½ colheres (sopa) - 25g - de farinha de trigo
¼ xícara (25g) de farinha de amêndoa
1/3 xícara (65g) de açúcar demerara
1 pitada de sal
2 colheres (sopa) - 28g - de manteiga sem sal, derretida e fria
¼ xícara (25g) de amêndoas em lâminas

Muffins:
½ xícara (100g) de açúcar cristal
raspas da casca de 2 limões sicilianos
2 xícaras (280g) de farinha de trigo
2 colheres (chá) de fermento em pó
1 pitada de noz-moscada ralada na hora
1 pitada de sal
½ xícara (113g) de manteiga sem sal, derretida e fria
2 ovos grandes
¾ xícara (180ml) de leite integral, temperatura ambiente
1 colher (chá) de extrato de baunilha
3 peras pequenas (400g no total), descascadas, cabinhos e sementes removidos, cortadas em cubinhos

Preaqueça o forno a 200°C. Forre uma forma de muffins de 12 cavidades com forminhas de papel.

Comece pela farofinha: em uma tigelinha, misture a farinha de trigo, a farinha de amêndoa, o açúcar e o sal. Junte a manteiga e misture com um garfo apenas até que a mistura se torne uma farofinha parecida com areia molhada – não misture demais, ou tudo virará uma pasta. Leve à geladeira enquanto prepara a massa dos muffins.

Muffins: em uma tigela grande, misture o açúcar e as raspas de limão e esfregue com as pontas dos dedos até que o açúcar fique aromatizado. Acrescente a farinha, o fermento, a noz-moscada e o sal e misture com um batedor de arame.
Em uma tigela média, misture a manteiga, os ovos, o leite e a baunilha com um batedor de arame. Despeje sobre os ingredientes secos e misture levemente com um garfo, sem misturar demais para que os muffins não fiquem duros – massa de muffin não é lisa como massa de bolo. Incorpore os pedacinhos de pera rapidamente.
Divida a massa entre as forminhas de papel. Cubra com a farofinha, apertando levemente com as mãos para que ela grude na massa.

Asse por cerca de 20 minutos ou até que os muffins cresçam e dourem – faça o teste do palito. Deixe esfriar na forma sobre uma gradinha por 5 minutos e então desenforme com cuidado, transferindo os muffins para a gradinha.

Rend.: 12 unidades

Friday, June 09, 2017

Pão macio de centeio com rillette de sardinha e mais lembranças da infância

English version

Soft rye bread with sardine rillette / Pão de centeio macio com rillette de sardinha

Muitos e muitos meses atrás, quando eu ainda estava com os planos do livro, li sobre rillettes e achei bem interessantes – conforme fui vendo receitas de rillette de carne de porco, pensei logo em minha mãe e em seu amor por este tipo de carne, coisa que sempre ligo ao sangue alemão (eu e meu trauma eterno de todas aquelas salsichas estranhas e joelhos de porco cheios de gordura dos quais eu não chegava nem perto nas férias da infância) :)

Conforme fui pensando no quanto ela amaria este tipo rústico de patê, me veio à mente também o seu patê de sardinha, comida barata das épocas de vacas magras – com a tão conhecida torta de liquidificador, era o fim dado a tantas latas de sardinha que vinham na cesta do meu pai, à época metalúrgico. Foram muitos sanduichinhos de patê de sardinha na lancheira – os meus sempre sem as cascas – junto com os bolos de cenoura. :)

Tudo isso acima misturado na minha cabeça me deu a ideia de fazer rillette com sardinhas em lata em vez da carne de porco e uma pesquisada pela Internet afora me mostrou variações do prato feitas com salmão, então eu soube que estava no caminho certo. Acabei fazendo este rillette de sardinha inúmeras vezes, já que eu e o marido ficamos loucos pelo patezinho.

Lá pela terceira vez, se não me falha a memória, achei que o rillette merecia ser acompanhado de um pãozinho caseiro e achei que o sabor forte do centeio combinaria bem com o patê – João concordou, porém me pediu um pão macio, para comermos no café da manhã do dia seguinte. Fiz este que lhes trago hoje, macio com a adição de leite à massa, mas ainda assim saboroso. O problema foi que no final das contas comemos TODO O PÃO com o rillette e não sobrou nada para o café da manhã. :)

Pão macio de centeio
receita minha

- xícara medidora de 240ml

Pão:
150ml de leite integral morno
200ml de água morna
2 colheres (chá) de fermento biológico seco
1 colher (chá) de açúcar cristal
½ colher (sopa) de mel
2 xícaras (280g) de farinha de trigo
1 ¼ xícaras (175g) de farinha de centeio
1 ½ colheres (chá) de sal

Para pincelar o pão:
1 colher (sopa) de leite integral, temperatura ambiente

Na tigela da batedeira planetária, misture o leite, a água, o fermento biológico e o açúcar usando um garfo. Reserve por 5 minutos ou até espumar. Acrescente o mel, as farinhas e o sal e misture usando o batedor para massas pesadas (em formato de gancho no caso da Kitchen Aid) por cerca de 8 minutos ou até obter uma massa lisa e elástica – a massa pode ser sovada com as mãos: neste caso, 12-14 minutos são suficientes. Forme uma bola com a massa, transfira para uma tigela grande levemente untada com óleo ou azeite. Cubra com filme plástico e deixe crescer em um lugar morninho, livre de correntes de ar, por 1 ½ horas ou até dobrar de volume.

Unte levemente com azeite ou manteiga uma forma de bolo inglês com capacidade para 6 xícaras de massa.
Dê um soquinho na massa para eliminar o excesso de ar. Transfira a massa para uma superfície levemente polvilhada com farinha e abra-a com um rolo, formando um retângulo de aproximadamente 20x30cm. Começando com um dos lados mais longos, enrole a massa, formando um cilindro (como se estivesse fazendo cinnamon rolls). Aperte as emendas com as pontas dos dedos e transfira o cilindro de massa para a forma preparada, deixando a emenda virada para baixo. Cubra com um pano de prato limpo e seco e deixe crescer em um lugar morninho, livre de correntes de ar, por 40-45 minutos – enquanto isso, preaqueça o forno a 200°C.

Pincele o topo do pão com o leite e asse por cerca de 30 minutos ou até que cresça e doure bem. Para verificar se o pão está pronto dê batidinhas na superfície com os nós dos dedos: o som deve ser de algo oco. Deixe esfriar na forma sobre uma gradinha por 5 minutos e então desenforme com cuidado sobre a gradinha. Deixe esfriar completamente.

Rend.: 6-8 porções

Rillette de sardinha
receita minha

- xícara medidora de 240ml

1 ½ colheres (sopa) de azeite de oliva extra virgem, uso dividido
½ colher (sopa) de manteiga sem sal
½ cebola picadinha
1 talo de salsão em fatias finas – use uma mandolina
1 dente de alho, amassado e picadinho
3 galhinhos de tomilho fresco – apenas as folhas
1 pitada de páprica defumada
sal e pimenta do reino moída na hora
350g de sardinhas em lata, escorridas e em lascas
2 colheres (sopa) de vinho branco seco
2 colheres (sopa) de creme azedo (sour cream)*
2 colheres (sopa) de salsinha fresca e picadinha – pique, depois meça

Em um panela media, junte ½ colher (sopa) do azeite e a manteiga. Leve ao fogo médio até a manteiga derreter. Acrescente a cebola e o salsão e refogue, mexendo às vezes, até que fiquem macios, 3-4 minutos. Junte o alho e refogue somente até perfumar, 1 minuto. Abaixo o fogo e junte o tomilho e a páprica, tempere com sal e pimenta do reino e cozinhe, tampado, por 2 minutos. Junte o vinho, aumente o fogo e cozinhe até o vinho evaporar. Retire do fogo, junte a sardinha e misture bem. Deixe esfriar completamente. Quando esfriar, incorpore o creme azedo, o azeite restante e a salsinha. Prove e acerte o sal, se necessário.

O rillette pode ser guardado em um recipiente hermético na geladeira de um dia para o outro, porém deve ser servido em temperatura ambiente.

* creme azedo (sour cream) caseiro: para preparar 1 xícara de creme azedo, misture 1 xícara (240ml) de creme de leite fresco com 2-3 colheres (chá) de suco de limão ou limão siciliano em uma tigela. Vá mexendo até que comece a engrossar. Cubra com filme plástico e deixe em temperatura ambiente por 1 hora ou até que engrosse um pouco mais (geralmente faço o meu na noite anterior e deixo sobre a pia – com exceção de noites extremamente quentes – coberto com filme plástico; na manhã seguinte o creme fica bem espesso – leve à geladeira para ficar mais espesso ainda)

Rend.: 2 porções

Related Posts with Thumbnails