Wednesday, March 20, 2019

Picolés de brigadeiro e um post sobre amor


Picolés de brigadeiro

Final de semana passado assisti ao documentário “Jane Fonda em Cinco Atos” e fiquei um bom tempo pensando no que Jane disse sobre sua relação com a mãe, com o pai, com os filhos, sobre amor. Ela conta que nunca se sentiu amada pela mãe e como isso influenciou seu relacionamento com a primeira filha. É um documentário interessante e recomendo muito para quem gosta não só de cinema, mas de relacionamentos e História também.

Mas vocês vão me perguntar “Patricia, o que é que Jane Fonda tem a ver com picolés de brigadeiro?” A princípio, nada, se bem que acho que Jane iria gostar de prová-los. :)

O que me fez ligar a receita ao documentário foi ver o meu pequeno em casa, no mesmo final de semana, tomando picolé, receita que ele me ajudara a fazer, segurando o palito com as mãos fofinhas, tentando em vão não se sujar todo de chocolate enquanto o picolé derretia e pingava sobre sua barriga. Corri para pegar um pratinho, para proteger o picolé caso despencasse do palito, e ao final Pingo me disse, com chocolate desde a testa até o umbigo: “Dedé, me dá aqui o prato, eu adoro esse caldinho de sorvete”. :)

O post de hoje é sobre sorvete, mas também é sobre amor. Espero que vocês provem a receita (é muito boa e dá pra fazer em saquinho de gelinho, também, como o outro picolé que postei tempos atrás) e também que a vida lhes traga muito amor. Eu fiquei anos sedenta por este sentimento e hoje me sinto inundada por ele.

Picolés de brigadeiro
receita minha

1 receita de brigadeiro - faça do jeito que mais gostar; como eu queria um brigadeiro menos doce, usei 50g de chocolate 70% cacau picado no lugar do cacau/chocolate em pó
600ml de leite semidesnatado gelado (usei leite sem lactose e deu muito certo)

Deixe o brigadeiro esfriar completamente e então bata no liquidificador com o leite até obter uma mistura homogênea. Transfira para a forma de picolé. Leve ao freezer por 30 minutos (ou um pouco mais, dependendo do seu freezer – você quer os picolés ligeiramente firmes, para que os palitos não fiquem dançando), insira os palitos e então gele por mais 6 horas ou de um dia para o outro. Eu polvilhei os picóles com chocolate granulado para fazer graça na foto, mas eles ficam bem mais gostosos sem isso.

Rend.: 10 picolés de 80ml cada

Monday, March 11, 2019

Bolo de fubá, laranja e coco - um bolo com um significado muito especial


Bolo de fubá, laranja e coco

Eu poderia dizer que o post de hoje é um desabafo, mas seria dramático demais - enquanto escrevo isso, lembro da minha chefe suíça Raffaella, tão querida, que voltou para Zurique e que brincava me chamando de "drama queen". :)
Havia muito tempo que não fazia receitas novas - andava mesmo só cozinhando o basicão, por necessidade, sem sentir prazer nenhum. Cozinhava porque precisava comer, pronto - assim mesmo, bem sem graça. Não me lembrava de quando me sentira assim da última vez, talvez nunca? Desde a adolescência eu sempre me sentia feliz na cozinha e fazia bem mais de um ano que isso não acontecia. Todas as receitas que vocês tem visto aqui são as que desenvolvi para o livro, coisa antiga que eu não queria deixar guardada, receitas tão boas que precisavam ser compartilhadas com quem ainda sente alegria ao cozinhar, mas coisa nova mesmo, não havia. Eu pensava no que seria do blog quando o estoque de receitas do livro acabasse...

Mas o Universo tem jeitos muito particulares de agir e o meu pequenino, que não é mais tão pequenino assim - fez 4 anos mês passado - estava aqui em casa outro dia e como já tínhamos brincado de tudo o que vocês puderem imaginar eu não sabia mais como distrair a criança que não para um minuto sequer. Com o horário do jantar chegando, me deu uma luz de repente e perguntei se ele queria fazer pizza comigo - a ideia foi rapidamente aceita e para a cozinha nós fomos. Fizemos a massa juntos, para depois deixar a batedeira sovar, e algumas colheres-medida e punhados de farinha espalhados depois nossa massinha estava na tigela, coberta com plástico e crescendo. A alegria do Pingo ao saber que estava fazendo algo que comeria mais tarde me deu uma energia completamente nova. Depois do tempo de descanso, abrimos a massa juntos, ele apertando o rolo com suas mãos fofinhas, espalhando molho com as costas da colher (e furando a massa, mas tudo bem, fui grudando tudo de novo, beliscando a massa), jogando queijo por cima... Senti uma felicidade como havia muito não sentia. Ele me ajudou a tirar as folhas de manjericão dos galhinhos, feliz da vida, para que eu as espalhasse sobre a pizza ao tirá-la do forno. E depois comemos o resultado do nosso trabalho e ele disse que a pizza da Dedé era mais gostosa do que a pizza da pizzaria.

Ele voltou outro dia, fizemos pizza novamente, e também picolé e bolo. Ele amou fazer bolo e me dizia que o cheirinho vindo da cozinha era muito gostoso. Fizemos juntos o bolo que lhes trago hoje e só agora, escrevendo o post, é que me dou conta de que é um bolo com fubá, por uma coincidência. O meu primeiro bolo da vida foi de fubá e quem é leitor veterano do blog sabe disso.

Para vocês terem uma ideia de quanto tempo fazia desde a minha última foto de comida, a bateria da câmera estava completamente descarregada quando a peguei para fotografar o bolo. Fiquei um tempão tentando encontrar um jeito de fazer uma foto bonita: bolo inteiro, bolo cortado, paninho de uma cor, paninho de outra, prato este, prato aquele. Não sei bem se as fotos me agradaram - vai ver, perdi o meu mojo -, mas para sempre vou me lembrar deste bolo como o primeiro bolo que fiz com o Pingo. O bolo que me tirou do estupor de mais de um ano sem querer sequer ligar o forno.

Bolo de fubá, laranja e coco

Bolo de fubá, laranja e coco
receita minha

Bolo:
1 xícara (140g) de farinha de trigo
3/4 xícara (105g) de fubá
1 1/2 colheres (chá) de fermento em pó
1 pitada de sal
1/2 xícara (50g) de coco ralado sem adição de açúcar
raspas da casca de 1 laranja grande
1 xícara + 1 colher (sopa) - 212g - de açúcar cristal ou refinado
1/2 xícara + 2 colheres (sopa) - 140g - de manteiga sem sal, temperatura ambiente
1 colher (sopa) de óleo de canola
3 ovos grandes, temperatura ambiente
1 colher (chá) de extrato de baunilha
3/4 xícara (180ml) de leite, temperatura ambiente

Glacê:
1/2 xícara (70g) de açúcar de confeiteiro, peneirado - meça, depois peneire
2-3 colheres (chá) de suco de laranja

Preaqueça o forno a 180°C. Unte com manteiga e enfarinhe uma forma de furo central com capacidade para 8 xícaras de massa.
Em uma tigela média, misture bem com um batedor de arame a farinha, o fubá, o fermento, o sal e o coco. Reserve.
Na tigela da batedeira, junte o açúcar e as raspas de laranja e esfregue-os juntos com as pontas dos dedos até perfumar o açúcar. Junte a manteiga e o óleo e bata em velocidade média até obter um creme claro e fofo - raspe as laterais da tigela ocasionalmente durante todo o preparo da receita. Junte os ovos, um a um, batendo bem a cada adição. Junte a baunilha e bata bem. Com a batedeira em velocidade baixa, junte os ingredientes secos reservados em três adições, alternando com o leite em duas adições, começando e terminando com os ingredientes secos. Misture bem, mas não bata em excesso para não desenvolver demais o glúten da farinha de trigo.
Transfira a massa para a forma preparada e alise a superfície. Asse por 40-45 minutos ou até que o bolo cresça e doure (faça o teste do palito). Deixe esfriar na forma sobre uma gradinha por 20 minutos e então desenforme com cuidado. Esfrie completamente.

Glacê: misture os ingredientes em uma tigelinha até obter a consistência desejada. Despeje sobre o bolo.

Rend.: 8-10 fatias

Related Posts with Thumbnails