Wednesday, September 04, 2013

Biscoitos de amêndoa e sementes de papoula e alguém que deveria calar a boca

English version

Almond poppy seed cookies / Biscoitos de amêndoa e sementes de papoula

Já falei diversas vezes do meu amor pelas receitas do Jamie Oliver – exceto por um probleminha anos atrás tudo o que fiz dos livros e do site dele ficou uma delícia. Infelizmente, quando ele resolve abrir a boca para algo que não seja comer nós somos “agraciados” com diversas declarações ridículas, difíceis de digerir. É uma pena que alguém como ele, que alcança milhares de pessoas e poderia mandar uma mensagem de compreensão prefere julgar coisas sobre as quais nada sabe – e quando penso nos programas dele, especialmente o das receitas de 15 minutos com todos aqueles pratos preparados com limões sicilianos em conserva, harissa, pistache e até açafrão, não consigo imaginar alguém que vive na pobreza podendo gastar dinheiro em ingredientes assim.

Uma das coisas que a idade me trouxe é o exercício constante de evitar o dedo em riste – nem sempre consigo, afinal de contas sou humana, mas tento o máximo que posso porque a filosofia do “se eu posso você também pode” me enoja – e é exatamente isso que Jamie Oliver está fazendo. Que vergonha.

Já que estou bastante desapontada com o Sr. Oliver decidi publicar uma receita de um livro que, até o momento, não decepcionou: tornou-se uma das minhas fontes favoritas para baking, à qual recorro com frequência e sempre com excelentes resultados.

E antes que alguém me pergunte: as sementes de papoula foram trazidas de viagens - tenho certeza de que os biscoitos ficariam ótimos sem elas, também.

Almond poppy seed cookies / Biscoitos de amêndoa e sementes de papoula

Biscoitos de amêndoa e sementes de papoula
um tiquinho adaptados do delicioso The Grand Central Baking Book: Breakfast Pastries, Cookies, Pies, and Satisfying Savories from the Pacific Northwest's Celebrated Bakery

- xícara medidora de 240ml

225g de farinha de trigo
2 colheres (sopa) de sementes de papoula
1/8 colher (chá) de sal
¾ xícara (170g) de manteiga sem sal, temperatura ambiente
½ xícara (100g) de açúcar cristal
1 colher (chá) de extrato de baunilha
85g de amêndoas, levemente tostadas, frias e picadas grosseiramente
um pouquinho extra de açúcar cristal, para cobrir os rolinhos de massa

Em uma tigela média, misture com um batedor de arame a farinha, as sementes de papoula e o sal.
Na tigela grande da batedeira bata a manteiga e o açúcar em velocidade média até obter um creme claro. Raspe as laterais da tigela ocasionalmente. Junte a baunilha. Em velocidade baixa, junte os ingredientes secos misturando apenas até incorporar. Com uma espátula de silicone, misture as amêndoas.
Divida a massa em duas partes iguais e coloque cada metade em um pedaço grande de papel manteiga; forme um cilindro de aproximadamente 3,5cm de diâmetro com a massa, fechando-a dentro do papel manteiga usando uma régua – como a Martha faz aqui. Feche as pontas e leve ao freezer até firmar bem.
Pré-aqueça o forno a 180°C; forre duas assadeiras grandes com papel manteiga. Desembrulhe um dos cilindros de massa (mantenha o outro no freezer). Role o cilindro de massa sobre o açúcar extra, até cobrir bem. Corte em fatias de 5mm e coloque-as nas assadeiras preparadas deixando um espaço de 5cm entre uma e outra. Asse por 10-12 minutos ou até que os biscoitos estejam dourados nas extremidades. Deixe esfriar nas assadeiras sobre gradinhas por 5 minutos e então remova com jeitinho e transfira para as gradinhas. Deixe esfriar completamente. Repita o processo com o outro cilindro de massa.

Rend.: cerca de 40 biscoitos

24 comments:

wair de paula said...

ele já não é tão jovem assim para falar o que lhe vem à cabeça sem pensar nas reações.
agora os biscoitos são deliciosos, aparentemente. a falta de sementes de papoula aqui está me irritando, vou dar um jeito de trazer de algum lugar na próxima viagem.
abs!!

Fulana said...

Patricia, estou comentando pela primeira vez mas sigo seu blogue há muito tempo! Ele é lindo!
Já fiz sua torta de cebolas e várias receitas (engraçado que só fiz as salgadas, deve ser pq não tenho batedeira!)
E fiquei indignada também com isso, até cheguei a postar em meu blogue..
Tenho um vidro de sementes de papoula que preciso usar, esse biscoito seria ótimo, se nao precisasse de batedeira :/
Beijos

Camila Pedrini Marques Vieira said...

Olá Patrícia,
Estou com água na boca de olhar a textura destes biscoitos... Quero fazer hoje! Mas vai ser sem as sementes!
Beijos, obrigada por adoçar meus dias! :)
Camila.

Tati Candeias said...

Pat
td bem? Espero que sim!
Descobri um lugar fofo que tem as tão deliciosas sementinhas, comprei na loja da pompeia http://pastificioprimo.com.br/contato
um beijo!

Anonymous said...

o senhor em questão além de snob ,não tem a minima sensibilidade pelos outros.Temos a desdita de ter semanalmente num Semanario 2 das suas receitas,que não dá para tentar fazer,pois os ingredientes são ultra sofisticados...

Monica said...

Oh! que comentário infeliz o desse moço. Ele deveria ter conhecido Zilda Arns e entenderia como é nutrir muito com bem pouco. A ignorância não é só amiga da pobreza, mas é ainda mais miserável quando vem acompanhada da soberba. Que pena! :(
***
Que lindos esses biscoitinhos! e tem aspecto bem crocante! que delícia! Vou fazer mas sem as sementinhas.

Anonymous said...

Gosto muito de parcela de suas receitas e da aparência que elas têm, fiz muitas ótimas e poucas terríveis, a exemplo do bolo de cerveja stout (gosto meu, ok?). Na verdade, ultimamente tenho entrado pouco aqui, muitas vezes porque sei que seu blog não alimenta apenas nossos olhos, mas também algo íntimo como acontece com a maioria das pessoas que têm um dom, ou que se esforçam para tê-lo.
Digo isso, não vou ocultar, porque me incomoda a falta de gosto pela nossa cultura (prefiro não usar a palavra ‘preconceito’), a exemplo da nossa tão incrível e variada música brasileira. Também me incomoda o enaltecimento tendencioso por estrangeiros... Mas é seu gosto e ele merece o devido respeito, certo??
Hoje me incomodei muito com o comentário sobre Jamie, que é disléxico e, sabe Deus como, conseguiu se destacar num meio onde os egos são alimentados diariamente. Tem suas piadas e comentários de mau gosto, mas quem não não fala o idioma “ridiculez” de vez em quando? Usa ingredientes sofisticados, como alguns de nós, inclusive você, mas qual será a realidade de quem mora na Inglaterra para comprar um limão siciliano ou açafrão ou sementes de papoula (que nem aqui vende)? Não faço a mínima idéia. O mais bacana é que ele é apaixonado pelo que faz, e isso é lindo!!
A palavra “enoja” e "vergonha" aplicadas ao que ele faz soaram tão pesadas que achei que talvez seja interessante aos seus leitores visitarem a página http://pt.wikipedia.org/wiki/Jamie_oliver, e conhecer o um pouco do esforço dele em introduzir uma alimentação mais saudável no seu país. Eu acredito, e isso não tem nada a ver com gosto, na capacidade das pessoas de se superarem, e digo isso porque já vi pessoas incríveis fazerem coisas incríveis, do tipo “não sabia que não podia foi lá e fez”, e meus filhos de 03 e 05 anos fazem isso diariamente. E as possibilidades são infinitas...
Não estou te julgando, mas estou aqui porque esse é um poder que você tem, a palavra, e ela é uma ferramenta poderosa que deve ser usada com carinho pois, como disse Chico Xavier, “Lembra-te de que falando ou silenciando, sempre é possível fazer algum bem.”.
É preciso dizer que mesmo a receita de linda aparência, mais os comentários sobre elas, não apagaram a péssima imagem que ficou de Jamie...
Tenha uma ótima noite, na paz.

Camila Pedrini Marques Vieira said...

Fiz os biscoitos ontem a noite, ficaram deliciosos, apesar de nao terem ficado tão lindos!
;)

Maíra S. said...

Gosto muito do Jamie e sei que ele lançou uma cruzada louvável contra a má alimentação, um problema sério no Reino Unido e no mundo. Mas também acho que a coisa é mais complexa do que parece. Morei na Inglaterra e nunca consumi tanta junk food na minha vida, porque os artigos frescos lá são extremamente caros enquanto opções de comidas prontas são inúmeras e super baratas. Lembro de comprar lasanha pronta por 1 libra, o que seria uns R$ 4,00. Como bater um preço desses? E agora que já estou de volta a minha vida relativamente confortável no Brasil, tenho um problema com as receitas de 15 e 30 minutos dele. Elas são impossíveis de se fazer (pelo menos no tempo proposto) sem um multi-processador com vários tipos de lâminas, que não é um eletrodoméstico barato.

Patricia Scarpin said...

Wair, além disso ele é pai de quatro filhos, né? Deveria tomar mais cuidado com o exemplo que dá.
As que usei o meu marido trouxe de Hong Kong, acredita? :D
Bj!

Fulana, que bom que vc gosta das receitas, fico feliz! \o/
Pena vc não ter batedeira. :(
Beijo!

Tati, que dica boa para as outras leitoras, obrigada, querida!
xx

Monica, Zilda Arns - excelente exemplo.
Beijo e obrigada!

Anônimo, pois é, gosto é assim mesmo. Eu não sei o que vc quer dizer com enaltecimento tendencioso, de verdade - gostar de livros de culinária de fora do Brasil, é isso? Seja mais clara.
Eu não desmereci o trabalho do Jamie, apenas critiquei um aspecto de seu comportamento. Não sei se vc chegou a ler as declarações dele, a maneira como ele se refere aos pobre é muito mais do que "ridiculês", é grave. Eu uso os ingredientes que quero e dos quais gosto, os quais posso comprar. Não vou deixar de comer o que gosto/quero por causa de quem lê o blog. E sim, uso sementes de papoula, que não são encontradas aqui, mas não estou por aí dizendo absurdos sobre quem não as pode comprar (como Jamie dizendo que pobre só gasta dinheiro com TVs gigantes). Acho que o seu paralelo não faz sentido.
Como o blog é meu, uso as palavras que bem entender. Se você se sentiu incomodada, faça a nós duas um favor: não leia mais os meus textos. E para piorar ainda mais, você ainda cita Chico Xavier - realmente nós duas jamais concordaremos em alguma coisa.

Camila, que notícia boa! Bj!

Maíra, além do preço da comida, tem todo o aspecto da falta de tempo para preparar, também - quero dizer, são tantas coisas a serem consideradas antes de ele dizer as bobagens que disse, né?

Roseane Almeida said...

Sinceramente, diferentes pontos de vista publicados/respondidos pela autora do Blog nos dão a clara ideia do quanto é bom argumentar. Gostar ou não, ter poder de compra ou não, apreciar uma receita ou não... Aprendemos, refletimos, compartilhamos experiências, tal a utilidade do virtual, a meu ver. Agora cito Pessoa, que tascou um "tudo vale a pena quando a alma não é pequena". Roseane

Rossana said...

Oi, Patricia!
Lindos cookies, assim que der um tempinho na dieta vou perfumar minha cozinha com eles!
Concordo com seu post. Bem, polêmicas são raras por aqui, mas assim como você, acredito que gosto e opinião cada um tem os seus, e os incomodados que cliquem "fechar janela".
De qualquer forma, vim aqui hoje com um propósito, e ele não me decepcionou. Precisava me lembrar de que a vida pode ser doce, apesar de tudo, e que há pessoas também doces neste mundo.
Obrigada por compartilhar suas experiências culinárias conosco!
Bjs

Sabrina Romano said...

Você tem uma resiliência infinita, minha amiga, do contrário já teria mandado tudo às favas... Não, na boa, a nega deve ter um tesão enrustido, inveja; sei lá! Piada pura, mas os pintadinhos ai de cima devem ser divinos! bj

Anonymous said...

Conforme solicitado: “Enaltecer: tornar alto, elevar; tornar glorioso, exaltar, engrandecer” e “tendencioso: que denuncia uma intenção secreta, uma idéia preconcebida, de impor uma opinião.”.
Explicando: você se fez uma pessoa pública e, como tal, influencia pessoas independente de sua vontade. A sua tendência pode ser sentida na sua relação com a música, com os filmes, com a comida. Não são apenas os livros. É implícito e, ao mesmo tempo, escancarado o fato de que o que se faz aqui no Brasil, com exceções (é claro!), não te agrada. Respeito isso por reconhecer ser um gosto seu, tanto que te disse: vejo suas receitas, mas evito ler o que se diz sobre o resto. Não me interesso e nunca vim aqui falar nada sobre isso.
Quero esclarecer que não falei que você desmereceu o trabalho dele, mas que ao dizer, em resumo, que “uma (determinada) filosofia praticada por ele é um nojo e uma vergonha”, transformou a opinião dele em algo como “um crime hediondo”. Entende o que digo? Tenho 05 DVDs dele. Ele fala o que quer, você também, Romário e Clodovil (em memória) também. Eu também posso, certo? C’est la vie. Jamie te incomoda e você ainda assim assiste aos programas dele. E eu também não vou deixar de entrar aqui por causa de suas idéias, pois adoro cozinhar e minha esposa mal entra na cozinha (pois é, sou homem!). Não foi muito maduro me pedir isso, principalmente quando consideramos que, quando atingimos um certo grau de amadurecimento, a vaidade e o orgulho apenas atrapalham na evolução, emocional ou do espírito, como preferir.
Na verdade, eu é que nunca entendi muito a necessidade de se falar em demérito de outra pessoa quando isso em nada acrescenta, ou a nada resolve. E também não quis te ofender, tenha certeza, mas sim te mostrar um ponto de vista diferente, pois eles existem.
Por fim, Chico foi único e – mesmo sabendo que você é ateísta (não entendo, mas respeito isso também), o citei porque o que ele disse e fez de pessoa para pessoas (no plural) transcende qualquer crença, ou mesmo a falta dela. Se todos tivéssemos um pouco dele nas nossas ações diárias seríamos pessoas melhores. Espero que um dia, mesmo sem crer em Deus ou em qualquer forma de espiritualidade á Ele ligada, você entenda isso. E, conforme dito acima, que você continue compartilhando suas experiências culinárias conosco.
“Se as críticas dirigidas a você são verdadeiras, não reclame. Se não são, não ligue para elas.” Chico Xavier.
Fique na paz e tenha um ótimo final de semana.
C. Ângelo B. Silva

Camila said...

Acho que o maior problemas dos espíritas é sempre se acharem superiores. E acharem que têm uma grande lição de maturidade e evolução pra passar.

Ângelo, o blog é dela, ela posta a comida que ela quiser, do país que ela quiser. E se dizer isso é imaturo de minha parte, apenas digo o seguinte: beleza.

Camila said...

PS: antes que venham dizer que é preconceito meu contra os espíritas, esclareço: sou de família espírita, cresci em ambiente espírita e eu mesma já dei minhas saculejadinhas por aí. Eu sei do que estou falando, believe me.

Veggie said...

deu inveja agora. também quero por um comentário com português afetado e pomposo, ensinar a vc como ser uma pessoa melhor e, por fim, esperar "q um dia vc entenda isso". vou ali dar uma surtadinha e já volto pra postar, kkkk.

Patricia Scarpin said...

Sabrina, haja saco com gente chata e desocupada, né, querida?
xx

Ângelo, já percebi o seu problema: vc é chato mesmo. Vá pastar.

Camis e Ivan, queridos, obrigada pelos comentários, vcs são puro amor. <3

Helena Urpia said...

Realmente o fato dele usar açafrão em algumas receitas que ele considera do dia-a-dia (o propósito do Refeições em 15 Minutos) é meio ''revoltante''. Açafrão é caro no mundo inteiro, não tem justificativa, já outros ingredientes eu não vejo tantos horrores assim, o limão siciliano em conserva mesmo ensina a fazer na internet, já pesquisei e achei bons links.

Mas sempre dá para dar um jeitinho brasileiro, eu também adoro ele, e dou uma abrasileirada nas receitas dele na minha cozinha de classe média, hahaha. Uso o que dá, adapto da forma que acho ser conveniente para mim.

A proposito, já assitiu o Curso de Culinária do Gordon Ramsay? As dicas são ótimas, as receitas também são muito boas. Tento fazer minha mãe assistir mas ela simplesmente o odeia, kk, deve ser por causa do Hell's Kitchen. Recomendo esse programa, sempre coloco para gravar, e ele não usa ingredientes tão inimagináveis assim.

Patricia Scarpin said...

Helena, já vi o programa do Gordon, sim, e gostei bastante! Bj

Yuri Barros said...


Patricia adoro seu Blog, o leio desde que você o criou. O acessei por engano em 2007, procurando o site da banda de indie rock de um amigo que leva o mesmo nome do blog rsrrs. E depois disso nunca mais deixei de le-lo.

Pessoal, aqui no Wal-Mart e Carrefour de Goiânia eu encontrei fácil sementes, o preço não passava de 10 reais por 50g :)

Sobre as críticas imprecisas que você acabou de sofrer, acho que entendi o ponto do outro leitor masculino. Ele quis dizer que o Jamie tem poder de influencia e consequentemente de modificação da realidade social/cultural e utiliza ingredientes caros assim como você o faz. Mas realmente não tem nada a ver. O Jamie está engajado em contribuir com o problema da alimentação na Inglaterra (pra não dizer em todos os países de língua inglesa que carregam esses maus hábitos) aliado à receitas rápidas, fáceis e acessíveis à população (nessa última parte ele perdeu o rumo), então as opiniões e direções gastronômicas dele são extremamente relevantes. O seu blog, ao contrário, foi feito para expressar os seus gostos, com a pretensão de trazer a alegria para aqueles que o acessam e ainda poder contar com, essas lindas fotos que dão um super trabalho e seus comentários sobre o mundo cinematográfico(O final de Seinfeld foi realmente ruim). O público que acessa o blog, falo especialmente por mim, quer ver no blog receitas despretensiosas, com essa identidade que você criou. Desculpe de dei continuidade de forma desnecessária a algo que já havia finalizado.

Parabéns pelo blog Patrícia, especialmente pelos cookies, minha namorada, família e amigos amam todos.

Yuri Nelson

Patricia Scarpin said...

Yuri, tudo bem?
Que bacana ter um leitor assim tão "antigo" - adorei! :D

Sabe, sempre deixo os comentários dos posts abertos, mesmo os bem antigos, porque acho que as conversas nunca se "fecham" - dá para continuar falando sobre os assuntos, cada um dando a sua opinião. Obrigada pela sua. Eu sou muito fã do Jamie quando o assunto é a comida em si - aliás, fiz um bolo de carne dele (levemente adaptado) do "Save With Jamie" e ficou bem bom - só acho que ele julgou pessoas que não vivem na mesma condição que ele, e nisso foi leviano. É fácil criticar quando se dorme de barriga cheia todos os dias.

Que bom que vc gosta das receitas aqui, isso me deixa bastante contente.
Beijo pra vc e para sua namorada!

Silvia said...

Pat, tudo bem?
Será que eu posso congelar pra guardar 1 rolinho desses? Digo por causa das sementes e da amêndoa...

Somos só em 2, e prefiro fazer menos biscoitos, mais vezes, pra estar sempre fresquinho. Porém, fazer uma receita inteira e congelar meia já agilizaria :)

beijos.

Patricia Scarpin said...

Silvia, pode manter no freezer, sim! Faço isso com vários biscoitos do tipo slice and bake. Eu só não mantenho a massa por mais de um mês.
Bjs!

Related Posts with Thumbnails