terça-feira, junho 26, 2007

Bagels

English version

Bagels

Quando vi que o desafio deste mês das Daring Bakers seria fazer bagels, fiquei super animada – nunca havia provado os famosos pãezinhos e que chance bacana de experimentá-los!

Gostei muito da massa, cresce como poucas. Também adorei todo o processo de “fabricação” dos bagels... Só achei uma pena eles terem ficado tão feinhos. Enrugados feito um Shar-Pei. :(

De qualquer forma, o sabor ficou ótimo – dêem um desconto pois me empolguei mesmo não tendo base de comparação – e vou tentar fazê-los de novo, outra hora, para ver se ficam lisinhos e brilhantes como devem ser.

Aproveitem o clima Seinfeld deste post e dêem uma olhadinha nos bagels das outras Daring Bakers, todas listadas na barra aqui ao lado.

Bagels

Bagels

- xícara medidora de 240ml

840 a 1.120g (6-8 xícaras) de farinha de trigo para pão, com alto de teor de glúten
4 colheres (sopa) de fermento seco para pão
6 colheres (sopa) de açúcar granulado ou mel suave – usei açúcar
2 colheres (chá) de sal
720ml (3 xícaras) de água quente
um pouquinho de óleo
3,8 litros de água
3-5 colheres (sopa) de xarope de malte (um subproduto da cevada) ou açúcar refinado – usei açúcar
um pouquinho de fubá ou polentina

Coloque a água quente numa tigela grande. A água deve estar quente mas não tanto a ponto de você não conseguir colocar seus dedos dentro da tigela por mais de alguns segundos.
Adicione o açúcar ou mel e mexa bem para dissolver – usei um fuê.
Polvilhe o fermento sobre a água e mexa para dissolver.
Deixe de lado por 10 minutos para que o fermento comece a entrar em ação – uma espécie de espuma se formará e terá aquele cheirinho característico de fermento fresco.

Junte cerca de 420g (3 xícaras) de farinha e o sal e misture – use as mãos ou uma colher de pau (preferi usar a última).
Quando esta quantidade de farinha estiver incorporada à massa, vá juntando meia xícara por vez do restante de farinha e misturando, até obter uma massa mais grossa. Comece a sová-la – dentro da tigela ou numa superfície levemente enfarinhada - e continue a adicionar farinha, desta vez com mais moderação, tomando cuidado para não ultrapassar a quantidade máxima da receita ou seus pãezinhos poderão ficar duros.
A massa deve ser elástica, mas mais pesada e mais durinha do que uma massa de pão normal.

Forme uma bola com a massa e coloque-a numa tigela levemente untada com óleo e vire-a para que os dois lados fiquem untados. Cubra com um pano de prato limpo, levemente úmido. Coloque num lugar seco e livre de correntes de ar e deixe crescer até dobrar de volume – faço isso no forno de microondas todas as vezes que faço pães e massa de pizza.
Deixei a massa crescer por 1 hora e quando tirei do forno estava gigantesca.

No final do crescimento da massa, encha uma panela grande com a quantidade dada de água e leve ao fogo. Quando ferver, acrescente o xarope/açúcar e abaixe o fogo para que a água continue fervendo, mas de forma bem leve – a superfície não deve se mexer muito, poucas bolhas no fundo da panela.

Pegue a massa e coloque-a numa superfície levemente untada. Ela vai murchar um pouquinho. Divida-a em porções para fazer os bagels – com esta receita você vai obter cerca de 15 bagels. Agora, para formatá-los, há duas opções:
- faça um círculo com a massa e, usando um dos seus dedos, faça um buraco no meio e gire de forma a abrir um pouco o buraco (este foi o método que usei); - faça uma “cobrinha” com a massa e junte as pontas, formando um bagel.

Não caia na tentação de usar um cortador de biscoitos ou donuts, porque dois bagels nunca são exatamente iguais.

Pré-aqueça o forno a 205ºC.

Depois de moldar os bagels, deixe-os descansar por 10 minutos. Eles vão crescer levemente.
Coloque cada bagel na água – ele deverá afundar e depois voltar à superfície. Os meus boiaram logo de cara e a Daring Baker que escolheu a receita disse que tudo bem – apenas a textura dos bagels ficaria mais próxima de uma textura de pão comum.

Cozinhe cada bagel por 3 minutos, depois vire com cuidado, usando uma escumadeira, e cozinhe por mais 3 minutos. Retire da água e coloque sobre um pano de prato limpo e seco.
Repita o procedimento com todos os bagels.

Espalhe um pouco de fubá/milharina em assadeiras rasas e coloque os bagels nelas. Não precisa deixar muito espaço entre um e outro.
Asse por 25 minutos, retire-os do forno e vire-os, depois asse por mais 10 minutos – não fiz isso para não derrubar os ingredientes que usei para cobri-los. Assei direto por 35 minutos.
Retire do forno e coloque sobre grelhas para esfriar – se não tiver grelhas, coloque-os sobre panos de prato limpos e secos. Não corte os bagels ainda quentes pois isso vai afetar sua textura.
Para dar uma cara diferente aos seus bagels, pincele-os com uma mistura de 1 clara de ovo + 3 colheres (sopa) de água gelada e polvilhe com a cobertura de sua preferência: sementes de papoula, gergelim, cebola em flocos ou pedacinhos de alho cru, sal* ou qualquer outra coisa. Lembre-se de que bagels são essencialmente salgados, por isso coberturas doces fogem um pouco à tradição.

* usei sal grosso e achei que a cobertura ficou muito úmida no dia seguinte.

blue_sil

22 comentários:

Cláudia A. disse...

Que lindos Patrícia!! Achei muito interessante o fato de serem cozidos. Fiquei com vontade. Beijo.

Agdah disse...

Ei, Patrícia, o que é esse Shar-Pei? Menina, eu também não consigo esse efeito lisinho com meus bagels. Por isso não tinha postado ainda. Eles ficam tão enrugadinhos, mas agora me animei. Eu achava que era problema da minha receita que retarda o crescimento na geladeira para preparar fresquinho de manhã.

Eliana Scaramal disse...

Humm devem ter ficados delíciosos!!

Silvia Arruda disse...

Um dia hei de ser prendada como vc, amiga, e fazer biscoitinhos de todos os tipos aqui em casa! :)

Elvira disse...

Bagel caseiro, que maravilha! Patricia, você é muito dotada... :-)

Cinara disse...

Pat, eu amo bagels de paixão, amiga!! Já testei umas 3 receitas, mas nunca fiquei satisfeita. Esta sua é diferente, vi no Tartellete que é de origem judaica, certo? Mas mesmo enrugados feito um Shar-Pei (morri de rir com a comparação!), você merece aplausos por se aventurar em uma receita tão trabalhosa sem nunca ter provado o produto final! O termo "Daring Baker" foi feito para você, sem dúvida! ;o) Beijão!

Denise Zen disse...

Oi!
Eu também adoro bagels, mas ainda não consegui fazer com que ficassem lisinhas como as do lugar onde comprava... acho que é que nem o pão francês, difícil de fazer em casa, em forno comum... não sei... o fato é que ficam gostosas mesmo assim.
Beijos

laila disse...

adorei!!! nunca fiz em casa, tenho uma receita do cordon blue, mas nao testei ainda, lá eles estao lisinhos, sera q nso, mera mortais, conseguimos? enrugadinhos ou nao estao hiper tentadores! bjos

S. disse...

ahhhhhhhh, eu nunca comi Bagel e sou louca pra experimentar :(
mas sou uma bost* pra pães e massas do gênero ¬¬'
deve ter ficado uma delícia, minina! Prendada hein?
Congratz!

lunalestrie disse...

Nunca comi um, pelo menos que eu me lembre! Parecem deliciosos! :)

Marcia da Paz disse...

Adorei a dica de colocar a massa no microonda, nunca comi pelo menos que me lembre né, achei legal a receita acho q vou me arriscar em fazer bjks

Karen disse...

Acabei de ver os da Ivonne e ela também teve problemas como formato dos Bagels, mas estética não é tudo, fiquei com vontade! Nunca comi bagels na vida e morro de vontade de comer um sanduíche com salmão defumado e queijo...

Patricia Scarpin disse...

Cláu, eu também achei interessante - quando li, não conseguia imaginar a cena na minha cabeça. :)
Beijos, querida!

Agdá, Shar-Pei é aquele cachorro todo enrugado, cheio de dobras, amiga.
Quero ver teus bagels logo!

Eli, eu comi só um e me segurei mesmo para não comer mais. :)

Si, você é querida e prendada, sim, senhora! ;)

Elvira, e você é um doce, amiga, obrigada!

Ci, eu pensei em você quando vi o desafio, pena que não podia contar pra ninguém! risos
Ainda vou tentar fazer os danados de novo!
Beijos!

Denise, bom saber que não aconteceu só comigo! :)
Bjs!

Laila, eu adoraria ver esta receitinha sua!
Bjs!

S, eu acho que se vc começar a se aventurar com os pães vai tomar gosto e produzir coisas lindas!

Luna, obrigada!

Marcinha, o micro é meu aliado na hora de fazer as massas crescerem. Mas ele tem que ficar desligado, tá?
Bjs!

Karen, e olha que ela é danada, hein? Essa sua idéia de sanduíche é tentadora. :)

Renata disse...

eu amo bagels. me dá saudade só de lembrar que aqui onde eu moro não acho nem sinal...

Cris disse...

Ah Patricia, uma de minhas tentativas foi com a Cinara, ficamos tão frustradas, o sabor ficou horrível, mas ainda não desisti, sua receita está confiável e vale a pena ser testada! :-) Beijão!

semente de sésamo disse...

Adoro bagels e nunca fiz! É agora!

Manú disse...

Que delícia!!! Pati, eles parecem maravilhosos!
Uma vez, minha mãe comprou uns bagels no mercado, que eram com passas e canela. Mas pra ficarem gostosos, tinha que dar uma esquentadinha.
Deliciosos!!!
Bjooo

Vitor Hugo disse...

Faz muito tempo que gostaria de experimentar o Bagel, mas por enquanto assados estão fora da minha alçada... =/

Uma amigo falou tanto deles depois que voltou dos EUA, depois a Tatu também e agora receitas.... Ahh, eu quero, heheheh

Patricia Scarpin disse...

Renata, aqui em São Paulo, no bairro de Moema, tem uma "padaria" de bagels, mas eu nunca fui lá... Estou querendo provar.

Cris, você é super prendada, amiga, tenho certeza de que vai acabar conseguindo! :)
Beijos!

Semente de Sésamo, tomara que dê certo!

Manú, obrigada!
Canela eu amo, mas passas não são muito a minha praia. :)

Vitor Hugo, eu acho que vc consegue fazê-los, afinal de contas é um chef em formação! ;)

bia disse...

deve ser bom, nunca fiz, acho que vou me arriscar ! bjs

Renann disse...

Cai sem querer no seu blog e adorei hehe

você descobriu o porque dos bagels terem ficado enrugados?

bj

Anônimo disse...

olá,
bagel é 1 delícia. Em NY vende em qq Deli nas versões doce e salgado com ou sem recheio. Eu adorava comer o salgado de cebola com creme de queijo, eles partiam o bagel de cebola , passavam 1 pasta de queijo, embrulhavam num papel alumínio e prensavam numa chapa quente....hummm...nada igual.Acho que o deles é mais bnitinho, pois devem ter alguma máquina pra deixá-los perfeitos. Valeu sua receita e experimente recheiar e prensar.

Related Posts with Thumbnails