terça-feira, novembro 24, 2020

Abobrinha marinada para quem está exausto

English version

Abobrinha marinada

Os dias andam tão corridos ultimamente, parece que sempre que o final de ano se aproxima tudo começa a se acumular – confesso que estou torcendo para que as férias cheguem logo, 2020 foi pura exaustão (emocional, especialmente) e sei que para vocês também. Não vejo a hora de desligar um pouco, ficar de preguiça, não me preocupar em fazer comida correndo, tirar cochilos depois do almoço.

Falando em preguiça, a receita que trago hoje é bem assim: não dá muito trabalho, dura alguns dias na geladeira (e fica mais gostosa depois de um tempo lá), deixa a tábua de queijos mais deliciosa ainda. Para beliscar com um pãozinho, acompanhado de uma taça de vinho ou uma cerveja bem gelada.

O pão da foto é a receita de pão sem sova do Jim Lahey, que é a mesma receita do pão italiano da Rita Lobo – fiz este pão uma vez por semana por uma boa parte da quarentena, e de uns tempos pra cá troquei pelo pão de azeitona do Amo Pão Caseiro, e asso na panela – fica maravilhoso.

 

Abobrinha marinada

um nadinha adaptada do livrão Claudia Cozinha

 

- xícara medidora de 240ml

 

4 abobrinhas médias

azeite para pincelar

½ xícara (120ml) de azeite extra virgem

4 dentes de alho descascados e cortados ao meio

1/3 xícara (80ml) de vinagre de vinho branco – usei de xerez que era o que tinha em casa

sal e pimenta do reino moída na hora


Corte a abobrinha em rodelinhas de aproximadamente 3mm de espessura.

Aqueça uma frigideira antiaderente grande em fogo médio. Pincele a abobrinha com o azeite e grelhe por aproximadamente 1 minuto de cada lado ou até ficarem ligeiramente macias. Reserve.

Em uma panela pequena, aqueça o azeite extra virgem em fogo médio. Acrescente o alho e frite por um minuto. Junte o vinagre e retire do fogo. Deixe esfriar. Tempere com sal e a pimenta e misture. Numa travessa, forme camadas de abobrinha e banhe com o tempero. Repita a operação até terminarem os ingredientes.

Cubra e leve para a geladeira por três dias – aqui em casa consumimos a abobrinha em 1 semana, depois dos três dias marinando.

Rend.: 8 porções

terça-feira, novembro 10, 2020

Panquecas de beterraba com recheio de ricota e espinafre, e um combustível chamado lembranças

Panquecas de beterraba com recheio de ricota e espinafre 


Dias desses, pensando na vida, me toquei do quanto sou movida a lembranças. 

Penso em quando o Pingo era bebê e eu dava banho nele em cima da minha cama, em uma banheira que o João comprou para quando ele viesse aqui – se fechar os olhos, parece que consigo sentir o cheiro do xampuzinho dele.

Ao ouvir determinadas canções, lembro dos meus anos na faculdade, pegando o ônibus antes das seis da manhã, ponto deserto, via Anchieta escura, walkman na bolsa para a longa viagem de ônibus, seguido de metrô.

Lembro de minha mãe todos os dias, nem que seja uma vezinha sequer: uma comida de que ela gostava, uma música, uma expressão que sai de minha boca e que ela dizia quando eu era pequena, e me dou conta do quanto trago dela comigo, mesmo tendo convivido por apenas sete anos.

Em um almoço, muito antes da pandemia, Pingo disse que o meu macarrão estava “da pontinha da orelha” - pegou na ponta da orelhinha e fez o João repetir o gesto. Sorri para ele, pegando também na ponta da minha orelha, mas minha voz embargou na hora, porque eu havia, sem querer, ensinado a ele algo que era muito característico de minha mãe.  Ele ali, na minha frente, sorrindo e falando algo que a avó que ele nem sabe que existiu falava todos os dias na hora do almoço e do jantar. Olhei pra ele com muita ternura, vendo em seu rostinho os traços de Dona Tereza, o nariz idêntico, a alegria à mesa, a carinha de felicidade, e meu coração parece ter parado de bater por um momento. Hoje, lembrando da cena, meus olhos ficam marejados e a saudade aperta demais, tanto de meu pequeno, quanto de minha mãe.

Sim, lembranças me servem de combustível, e acho que ainda mais neste momento que vivemos, de pandemia, de um país sendo desmontado, de discursos de ódio sendo naturalizados, de uma realidade que parece filme distópico: vou me agarrar a elas para não sufocar.

A receita de hoje é nova, mas eu imediatamente me lembro de minha mãe todas as vezes em que faço ou como beterraba – era um de seus legumes favoritos. A massa da panqueca é uma adaptação da que postei tempos atrás, de espinafre, e o recheio é muito gostoso – use-o em uma panqueca tradicional se preferir economizar tempo. Recheei as panquecas, arrumei em um refratário e cobri com colheradas de requeijão antes de levar ao forno, ideia de molho que peguei da Raquel do @borafazer.

O recheio da receita abaixo que trago hoje é suficiente para 10 crepes – congelei os outro 8 e servi em outro momento, com outro recheio. Se quiser aprender como eu faço as beterrabas assadas, clique aqui.

 

Panquecas de beterraba com recheio de ricota e espinafre

receita minha, adaptada desta aqui

 

Massa:

½ beterraba média, assada e fria (havia sobrado do almoço do dia anterior)

350ml de leite integral, temperatura ambiente – usei água + leite em pó

½ colher (chá) de sal

1 pitada de pimenta do reino moída na hora

1 ovo, temperatura ambiente

1 ¼ xícaras (175g) de farinha de trigo

1 colher (chá) de fermento em pó

 

Recheio:

1 dente de alho bem picadinho ou ralado

1 colher (sopa) de azeite

4 xícaras de espinafre (260g), somente as folhas (aperte na xícara na hora de medir)

sal e pimenta do reino moída na hora

1 pitada de noz-moscada ralada na hora

1 xícara (165g) de ricota – usei caseira, receita aqui (para esta quantidade de ricota, foram 600ml de leite)

½ xícara (35g) de mozarela amarela ralada grosseiramente

 

Molho:

¾ xícara de requeijão

3 colheres (sopa) de parmesão ralado fininho

 

Comece pela massa da panqueca: no liquidificador, junte a beterraba, o leite, a água, o sal, a pimenta, o ovo e o espinafre e bata até obter uma mistura homogênea. Junte a farinha e o fermento e bata novamente até misturar – talvez você precise ajudar o liquidificador com uma espátula, empurrando a farinha que ficar grudada nas laterais do copo. Faça isso sempre com o liquidificador desligado e com cuidado. Quando a massa estiver homogênea, deixe descansando em temperatura ambiente por 30 minutos – enquanto isso, faça o recheio.

Recheio: em uma frigideira antiaderente grande, aqueça o azeite em fogo médio e junte o alho. Refogue por 1 minuto apenas – não deixe o alho queimar, ou vai ficar amargo. Acrescente o espinafre e refogue, mexendo, até murchar. Tempere com sal, pimenta do reino e a noz-moscada. Desligue o fogo e deixe esfriar. Aperte o espinafre em uma peneira para remover o excesso de água. Incorpore a ricota e a mozarela.

Faça as panquecas: aqueça uma frigideira antiaderente em fogo médio. Derrame porções da massa no centro da frigideira e gire para que a massa cubra todo o fundo. Deixe cozinhar por alguns segundos, vire e cozinhe do outro lado por mais alguns segundos. Transfira para um prato e prossiga com o restante da massa – a minha frigideira tem 20cm de diâmetro e com ela a receita rende 18 panquecas. Se após o descanso a sua massa estiver espessa demais, junte um pouquinho de água e misture com a espátula.

Coloque porções do recheio - aproximadamente 2 colheres (sopa) – na ponta de cada panquequinha e enrole de maneira firme, formando um canudo. Transfira para um refratário. Cubra com o requeijão, salpique com o parmesão e leve ao forno por 20 minutos. Sirva imediatamente.

Rend.: 18 panquecas, usando uma frigideira de 20cm de diâmetro. O recheio desta receita é suficiente para as 10 panquecas; congelei as 8 restantes e servi outro dia, com outro recheio.

terça-feira, outubro 27, 2020

Pesto de espinafre e amêndoa e o meu sumiço

Pesto de espinafre e amêndoa

Queridas e queridos, como vocês estão?

Faz tempo que não dou as caras por aqui – ando bem ocupada com o trabalho (trabalhando muito, mas feliz!) e também tentando retomar os hábitos saudáveis de antes da pandemia. Voltei a me exercitar, em casa mesmo, e a frequência está tão boa que ando me sentindo a Madonna. :)

Não tem me sobrado muito tempo para fazer receitas novas ou para escrever aqui no blog.

Por outro lado, a newsletter continua firme e forte, e todas as sextas envio minha cartinha, escrita com amor e carinho – se você também quiser receber, clique aqui para se inscrever.

Tenho algumas poucas receitas antigas ainda guardadas, como o brownies que postei tempos atrás, e o molho de hoje: gosto demais de pesto, acho que combina bem com tanta coisa! Gosto de esparramar por aí, não só no macarrão: levanta o astral do frango e do peixe, vai bem na pizza, na bruschetta.

O pesto de hoje leva espinafre, que tem um sabor marcante, e um pouco de manjericão para equilibrar. Se não tiver amêndoa em casa, use nozes ou castanha de caju.

 

Pesto de espinafre e amêndoa

receita minha

 

- xícara medidora de 240ml

 

3 xícaras de espinafre – aperte as folhas na xícara na hora de medir

¼ xícara de folhas de manjericão – aperte as folhas na xícara na hora de medir

½ xícara de amêndoa, com ou sem pele

¾ xícara de parmesão ralado grosseiramente

1 dente de alho pequeno, picado

100ml de azeite de oliva extra virgem

sal e pimenta do reino moída na hora

Aqueça uma panela grande com água em fogo alto. Tenha pronta uma tigela com água fria e gelo. Quando a água da panela ferver, junte o espinafre e cozinhe apenas por alguns segundos, até que murche – com uma escumadeira, retire o espinafre da água fervente e transfira para a tigela com água gelada.

Escorra toda a água do espinafre e aperte-o em uma peneira, para extrair o excesso de água. Transfira para o liquidificador ou processador de alimentos. Junte os ingredientes restantes e pulse/processe até obter um molho homogêneo – se a mistura estiver espessa demais, junte um pouco de água fria, aos poucos, e vá batendo.

Despeje o pesto no macarrão e misture – ao preparar o macarrão, separe um pouco da água do cozimento e use-a para soltar o molho se ficar espesso demais depois de misturado ao macarrão.

Rend. 5 porções (500g de macarrão)

terça-feira, setembro 29, 2020

Brownies com farinha integral e macadâmia e saudades do pessoal do trabalho

Brownies com farinha integral e macadâmia

Não vou mentir para vocês: esta receita de hoje é antiga. Não fiz brownies nenhuma vez desde que a quarentena começou – o meu público alvo favorito para brownies são as pessoas do trabalho, que não vejo há mais de seis meses, a não ser por chamada de vídeo.

Era tão bom chegar com a vasilha ao escritório e ver a reação de todos: os olhinhos brilhando, “Pati, o que você trouxe de gostoso hoje?”, todo mundo correndo em direção ao tupperware e, em seguida, para a cafeteira, para acompanhar o brownie com um cafezinho.

Não sinto falta nenhuma do trânsito infernal de São Paulo, demorava séculos me deslocando de lá pra cá e daqui pra lá, mas tenho saudades de estar com todos no escritório, falar sobre trabalho e outros assuntos não-relacionados, rir, às vezes passar nervoso e segurar para não soltar um palavrão ao telefone. :)

Que venha logo a vacina para o Corona – quando estiver de volta no escritório vou mimar meus colegas com um montão de doces. :)

Estes brownies levam farinha integral e macadâmia e ficam altinhos, úmidos e saborosos. À época usei macadâmias porque havia um restinho no freezer que eu não queria perder, mas use a oleaginosa que preferir. Gosto muito de usar castanha de caju em brownies, acho que funcionam muito bem.

 

Brownies com farinha integral e macadâmia

receita minha

 

- xícara medidora de 240ml

 

230g de chocolate amargo, picadinho ou em gotas, uso dividido – usei um com 70% de cacau

200g de manteiga sem sal, temperatura ambiente e picada

1 ¼  xícaras (250g) de açúcar cristal ou refinado

3 ovos grandes, temperatura ambiente

1 colher (chá) de extrato de baunilha

60g de farinha de trigo

60g de farinha de trigo integral

¼ colher (chá) de sal

80g macadâmias, picadas grosseiramente – ou use a oleaginosa que preferir

 

Preaqueça o forno a 180°C. Unte levemente com manteiga uma forma de metal quadrada de 20cm*, forre-a com papel alumínio deixando sobras em dois lados opostos e unte o papel também.

Em uma tigela refratária grande, junte 150g do chocolate (reserve o restante) e a manteiga e leve ao banho-maria (em fogo baixo, sem deixar o fundo da tigela tocar a água) até que os ingredientes derretam. Retire do fogo e deixe esfriar. Acrescente o açúcar e misture com um batedor de arame. Junte os ovos, um a um, e misture bem com o batedor. Junte a baunilha.

Adicione a farinha de trigo, a farinha integral e o sal e incorpore-os usando uma espátula de silicone, misturando até obter uma massa homogênea. Incorpore as macadâmias e o restante do chocolate. Espalhe na forma preparada e alise a superfície. Asse por 20-22 minutos ou até que um palito inserido no centro do brownie saia com migalhas úmidas. Deixe esfriar completamente na forma sobre uma gradinha.

Corte em quadradinhos para servir.

*meus brownies ficaram bem altinhos; se preferir brownies mais fininhos, use uma forma quadrada de 23cm

Rend.: 16 unidades


quinta-feira, setembro 24, 2020

Bolo de iogurte, banana e avelã

English version

Bolo de iogurte, banana e avelã

Estou de volta com mais um bolinho delicioso e fácil de fazer, e novamente uma variação da receita do bolo de iogurte do Epicurious – realmente espero que vocês não estejam cansados desta receita, porque eu adoro e acho versátil demais!

Estava com vontade de fazer um bolo de banana, mas diferente das receitas que sempre faço e vejo por aí, em que as bananas vão para a massa do bolo amassadas. Lembrei do meu amado bolo de iogurte e maçã e decidi colocar as bananas em pedacinhos.

Para deixar o bolo mais úmido e interessante, substituí parte da farinha de trigo por farinha de avelã – comprei em uma promoção, pois a farinha estava para vencer, e guardei no freezer, como faço com todas as oleaginosas, para que não fiquem rançosas logo. A combinação de sabores ficou maravilhosa! Claro que você pode usar outras farinhas de oleaginosas, como castanha de caju, amêndoa ou amendoim – esta última deve ficar incrível com banana.

O bolo ficou muito saboroso, macio e úmido, os pedacinhos de banana assada no meio da massa do bolo ficaram deliciosos! O bolo entrou para a minha lista de favoritos: está agora empatado com o bolo de maçã. ;)

 

Bolo de iogurte, banana e avelã

um nadinha adaptado do Epicurious, de novo!

 

 - xícara medidora de 240ml

 

180g de farinha de trigo

45g de farinha de avelã – use a farinha de oleaginosa que preferir

2 colheres (chá) de fermento em pó

¼ colher (chá) de sal

½ colher (chá) de canela em pó

180g de açúcar, cristal ou refinado

¾ xícara (180g) de iogurte natural integral

½ xícara (120ml) de óleo vegetal – usei de canola

2 ovos grandes, temperatura ambiente

1 colher (sopa) de Frangelico – opcional

½ colher (chá) extrato de baunilha

2 bananas médias (120g cada pesadas ainda com a casca), descascadas e em cubinhos

 

Preaqueça o forno a 180°C. Pincele levemente com óleo uma forma de bolo inglês com capacidade para 6 xícaras de massa (1 litro e meio), forre com papel manteiga deixando sobras nos dois lados mais longos, formando “alças” que vão lhe ajudar a remover o bolo depois de assado. Pincele o papel com óleo também.

Em uma tigela média, misture com um batedor de arame a farinha de trigo, a farinha de avelã,  o fermento, o sal e a canela. Reserve.

Em uma tigela grande, junte o açúcar, o iogurte, o óleo, os ovos, o Frangelico e a baunilha misture usando um batedor de arame, até obter uma massa homogênea. Com uma espátula de silicone, incorpore os ingredientes secos – se a massa ficar muito engrumada, misture levemente com o batedor de arame, mas não bata demais para não desenvolver o glúten da farinha. Acrescente as bananas e misture.

Despeje a massa na forma preparada e alise a superfície. Asse por 50-55 minutos ou até que o bolo cresça e doure (faça o teste do palito). Deixe esfriar na forma sobre uma gradinha por 15 minutos, e então remova com cuidado da forma, usando o papel como guia. Transfira para a gradinha e deixe esfriar completamente.

O bolo pode ser guardado em um recipiente hermético por até 3 dias.

Rend.: 8 porções

sexta-feira, setembro 18, 2020

Cookies com gotas de chocolate e cranberries e sentimentos negativos

Cookies com gotas de chocolate e cranberries

Todo mundo diz que não devemos alimentar sentimentos ruins, mas eu não consigo evitar o  ódio diário que sinto por quem defecou 17 nas urnas: nosso país indo para o buraco, literalmente pegando fogo, me deixa ainda mais revoltada.

Além de estarem acabando com a nossa natureza, nossas plantas e animais, exterminando índios, temos também a crise econômica e os preços dos alimentos: a cada dia em que vamos ao mercado voltamos com menos produtos gastando mais dinheiro. A situação está crítica e piora constantemente. Muito se fala do preço do arroz, mas tudo está caríssimo: feijão, óleo, carne. Um tablete de manteiga, por exemplo, está custando 10 reais ou mais.

Mais do que nunca, tenho escolhido com cuidado o que preparar em casa, para não arriscar perder ingredientes. João queria cookies com chocolate e os biscoitos da Anna me pareceram maravilhosos no vídeo do Youtube – é gostoso vê-la cozinhar. A receita é, de fato, ótima, mas mudei um nadinha, já que não tinha nozes em casa. Congelei parte dos cookies já assados e garanti café da tarde gostoso por muitos dias.

 

Cookies com gotas de chocolate e cranberries

um nadinha adaptado dos lindos cookies da Anna Olson

 

- xícara medidora de 240ml

 

1 ¼ xícaras + 1 colher (sopa) - 185g – de farinha de trigo

1 colher (sopa) de amido de milho

½ colher (chá) de bicarbonato de sódio

1 pitada de noz-moscada ralada na hora

¼ colher (chá) de sal

½ cup (113g) de manteiga sem sal, temperatura ambiente

½ cup (88g) de açúcar mascavo claro – aperte na xícara na hora de medir

½ cup (100g) de açúcar cristal

1 colher (chá) de extrato de baunilha

1 ovo grande, temperatura ambiente

1 ½ xícaras (240g) de gotas de chocolate amargo ou meio-amargo

½ xícara (70g) de cranberries secas – se forem muito grandes, corte ao meio

 

Em uma tigela média, misture com um batedor de arame a farinha, o amido de milho, o bicarbonato, a noz-moscada e o sal. Reserve.

Na tigela da batedeira, bata a manteiga e os açúcares até obter um creme claro – raspe as laterais da tigela algumas vezes durante todo o preparo da receita. Junte a baunilha e o ovo e bata bem.

Com a batedeira desligada, acrescente os ingredientes secos reservados. Ligue a batedeira em velocidade baixa e misture apenas até obter uma massa. Acrescente as gotas de chocolate e asa cranberries e misture bem com uma espátula de silicone.

Faça bolinhas de massa usando 2 colheres (sopa) por biscoito e arrume em uma assadeira forrada com papel manteiga, colocando as bolinhas próximas umas das outras. Leve à geladeira por 2 horas – se não quiser assar todos os cookies, congele as bolinhas desta forma e quando estiverem bem durinhas transfira para um saco plástico.

Preaqueça o forno a 180°C. Forre duas assadeiras grandes e rasas com papel manteiga.

Arrume as bolinhas de massa nas assadeiras preparadas deixando 5cm de distância entre elas. Asse por aproximadamente 18 minutos ou até que os biscoitos dourem nas extremidades. Deixe esfriar nas assadeiras por 5 minutos e então deslize o papel com os biscoitos para uma gradinha e deixe esfriar completamente.

Rend.: cerca de 26 cookies

segunda-feira, setembro 14, 2020

Waffles integrais sabor pizza e férias bem diferentes

English version

Waffles integrais sabor pizza


Tirei alguns dias de férias em julho e foram férias muito diferentes de tantas outras que já tirei: de quarentena, fiquei em casa o tempo todo. Planejava voltar a Nova York esse ano, mas a pandemia não deixou. Não teve viagem, não teve passeio. Vi um filme por dia, alguns seriados, e cozinhei bastante. Fiz algumas arrumações nos meus livros, nos armários, tirei cochilos depois do almoço. Descansei.

Em uma das tardes vendo filmes me deu uma vontade doida de beliscar alguma coisinha, e eu tinha até feito bolo, mas queria mesmo algo salgado. Adaptei a minha receita de waffles de laranja e azeite e a transformei em waffles sabor pizza – adicionei um pouquinho de farinha integral para deixar a massa mais interessante e os waffles ficaram realmente muito gostosos. Divido com vocês hoje a receita.


Waffles integrais sabor pizza

receita minha, adaptada dos meus waffles de laranja e azeite de oliva

 

- xícara medidora de 240ml

 

100g farinha de trigo comum

75g de farinha de trigo integral

2 colheres (chá) de fermento em pó

1 pitada de sal

2 colheres (chá) de orégano seco

1 ovo grande

¼ xícara (60ml) de azeite de oliva extra virgem

¾ xícara (180ml) de leite integral, temperatura ambiente

1 xícara (70g) de mozarela ralada grosseiramente

2 colheres (sopa) de parmesão ralado fininho

 

Em uma tigela média, misture as farinhas, o fermento, o orégano e o sal com um batedor de arame. Reserve.

Em uma tigela pequena, misture com um batedor de arame o ovo, o azeite e o leite. Verta os líquidos sobre os ingredientes secos e misture somente até incorporar – não misture demais. Incorpore os queijos.

Preaqueça a máquina de waffle. Cozinhe porções de massa por vez, até que cada waffle doure - siga as instruções do fabricante. Sirva imediatamente.

 

Rend.: 5-6 waffles

sexta-feira, setembro 11, 2020

Bolo de iogurte e chocolate para o final de semana

English version

Bolo de iogurte e chocolate

A semana foi corrida (ainda está sendo) e o tempo bem escasso, mas queria dividir com vocês este bolo delicioso antes do final de semana: já deixo uma ideia para o sábado – quem me segue no Instagram sabe que sábado é dia de bolo! :)

Espero que vocês não se cansem de ver a receita do bolo de iogurte do Epicurious por aqui: já são diversas versões dele, todas deliciosas, e ainda quero inventar outras. O de chocolate não é exceção: fica muito gostoso, úmido e macio.

Confesso que o bolo de maçã continua sendo o meu favorito e acho que de muitos de vocês também – tem sido tão bom vê-lo reproduzido em tantos perfis das redes sociais! Entretanto, o bolo que lhes trago hoje também é ótimo e vai agradar os chocólatras que me leem. xx

Bolo de iogurte e chocolate

Bolo de iogurte e chocolate

um nadinha adaptado do Epicurious, de novo!

 

- xícara medidora de 240ml

 

1 ¼ xícaras (175g) de farinha de trigo

1/3 xícara (30g) de cacau em pó alcalino, sem adição de açúcar

2 colheres (chá) de fermento em pó

¼ colher (chá) de sal

½ colher (chá) de canela em pó

1 xícara (200g) de açúcar, cristal ou refinado

¾ xícara (180g) de iogurte natural integral - pode usar o potinho de 170g que dá certo!

½ xícara (120ml) de óleo vegetal – usei de canola

2 ovos grandes, temperatura ambiente

1 colher (chá) extrato de baunilha

 

Preaqueça o forno a 180°C. Pincele levemente com óleo uma forma de bolo inglês com capacidade para 6 xícaras de massa (1 litro e meio), forre com papel manteiga deixando sobras nos dois lados mais longos, formando “alças” que vão lhe ajudar a remover o bolo depois de assado. Pincele o papel com óleo também.

Em uma tigela média, peneire a farinha, o cacau, o fermento, o sal e a canela. Reserve.

Em uma tigela grande, junte o açúcar, o iogurte, o óleo, os ovos e a baunilha misture usando um batedor de arame, até obter uma massa homogênea. Com uma espátula de silicone, incorpore os ingredientes secos – se a massa ficar muito engrumada, misture levemente com o batedor de arame, mas não bata demais para não desenvolver o glúten da farinha. Despeje a massa na forma preparada e alise a superfície.

Asse por 50-55 minutos ou até que o bolo cresça e doure (faça o teste do palito). Deixe esfriar na forma sobre uma gradinha por 15 minutos, e então remova com cuidado da forma, usando o papel como guia. Transfira para a gradinha e deixe esfriar completamente.

O bolo pode ser guardado em um recipiente hermético por até 3 dias.

 

terça-feira, setembro 08, 2020

Barquinhas de abobrinha com bacon e alho-poró e um assunto nada a ver

Barquinhas de abobrinha com bacon e alho-poró

Estava pensando aqui em um assunto que nada tem a ver com comida: quanto tempo vocês demoram para desistir de um seriado?

Já faz algum tempo que não me encanto com nada novo, mas como meus preciosos “Ozark” e “Better Call Saul” vão demorar muito para voltar, andei tentando outros seriados. Vi a primeira temporada de “The Leftovers” e desisti – confesso que só terminei mesmo a temporada por causa do João, se fosse por mim já teria largado lá pelo terceiro, quarto episódio. Achei confusa, rocambolesca demais – doida. E olhem que adoro Terry Gilliam, Cronenberg, Michel Gondry, estou acostumada com loucura. :)

“I May Destroy You” foi a mesma coisa: vi três episódios e larguei. Achei chato de ver, me causou agonia em muitos momentos, fiquei incomodada com a romantização do uso de drogas. Vejo tanta gente enaltecendo a série nas redes sociais, me pergunto se estávamos vendo a mesma coisa.

Por outro lado, comecei a ver “The Boys” no final de semana prolongado e estou adorando! Logo no primeiro episódio eu já senti que iria gostar. Sempre penso no piloto de “Breaking Bad” e em como acho que as séries tem que nos ganhar logo de cara – se demora demais para gostar, eu já desconfio.

Algo de que não desisto jamais é dos legumes: a cada semana tento fazer algo novo com eles, experimentar novas receitas. Abobrinha aqui em casa nunca falta, faço assada em rodelas com bastante frequência (receita ótima da Rita Lobo), mas desta vez quis variar um pouco: acabei fazendo barquinhas, mas diferentes das que postei aqui tempos atrás, com carne moída – apenas um pouquinho de bacon para dar um toque salgadinho a mais.

 

Barquinhas de abobrinha com bacon e alho-poró

receita minha

 

- xícara medidora de 240ml

 

2 abobrinhas médias (280g cada), cortadas ao meio no sentido do comprimento

2 colheres (chá) de azeite de oliva, para pincelar as abobrinhas

sal e pimenta do reino moída na hora

2 fatias de bacon, picadas

1 alho-poró grande, somente a parte mais clara, em fatias finas

1 dente de alho grande, amassado e picadinho

1 colher (chá) de orégano seco

algumas folhinhas de manjericão fresco

1 xícara (70g) de mozarela passada no ralador grosso – rale, depois meça

2 colheres (sopa) de parmesão ralado fininho

 

Preaqueça o forno a 200°C. Forre uma assadeira média e rasa com papel alumínio e pincele o papel com azeite.

Com cuidado, usando uma colher, remova a polpa das abobrinhas, formando as barquinhas – não cave demais, para que não fiquem muito frágeis. Pique a polpa e reserve. Pincele a parte de dentro das barquinhas com o azeite, salpique com sal e pimenta do reino e arrume na forma preparada, com o lado cortado virado para baixo. Asse por 20 minutos.

Enquanto isso, faça o recheio: aqueça uma frigideira antiaderente grande em fogo alto. Junte o bacon e frite até dourar e começar a ficar crocante. Acrescente o alho-poró e refogue, mexendo algumas vezes, até que ele fique macio. Junte o alho e refogue por 1 minuto apenas – não deixe queimar, para não amargar. Acrescente a polpa de abobrinha, misture bem, tempere com sal e pimenta do reino (cuidado com o sal, porque o bacon e o queijo já são salgadinhos). Adicione o orégano e o manjericão, misture bem, cozinhe por 1 minuto e desligue. Deixe esfriar por alguns minutos, junte a mozarela e misture bem.

Retire as abobrinhas do forno e, com cuidado para não se queimar, acomode o recheio dentro das barquinhas (deixe o forno ligado). Salpique com o parmesão e volte ao forno por mais 20 minutos. Sirva em seguida.

Rend.: 2 porções (servi com arroz branco e salada de rúcula)

quinta-feira, setembro 03, 2020

Bolo de tangerina e creme azedo (sour cream)

English version

Bolo de tangerina e creme azedo / Tangerine sour cream cake

Depois que comecei a adaptar a receita de bolo de iogurte do Epicurious para fazer bolos de diferentes sabores demorei muito a fazer novamente uma receita com manteiga – sempre que pensava nisso tinha que abandonar a ideia, já que não teria tempo de esperar a manteiga amolecer (não tenho microondas).

Cozinhar é também planejamento, e nem sempre a gente tem tempo de fazer o que tem vontade. O desejo por um bolinho para o café da tarde e manteiga gelada me faziam recorrer à receita perfeita que eu já tinha feito de várias maneiras, sempre com resultados deliciosos. Há horas em que me cobro muito, querendo sempre fazer coisas novas, inclusive para dividir com vocês, mas em certos momentos nada como uma receita já batida, que a gente tem certeza de que funciona. Em hora de aperto, ou de pressa, receita já testada é a solução.

Só que chegou o dia em que precisei usar um restinho de creme de leite fresco antes que estragasse na geladeira, e acabei fazendo um bolo de creme azedo que também pedia manteiga. Ficou macio, perfumado de tangerina – tanto com as raspas da casca quanto com o suco – e saboroso. Meu marido adorou o glacê sobre o bolo.

O bolo é todo pincelado com suco de tangerina logo após ser desenformado, o que o torna deliciosamente úmido. Caso não tenha tangerinas em casa, faça o bolo com laranjas (a receita original é com limão siciliano).

Bolo de tangerina e creme azedo / Tangerine sour cream cake

Bolo de tangerina e creme azedo (sour cream)

adaptado desta receita

 

- xícara medidora de 240ml

 

Bolo:

2 xícaras (280g) de farinha de trigo

1 ½ colheres (chá) de fermento em pó

¼ colher (chá) de sal

1 ¼ xícaras (250g) de açúcar cristal ou refinado

raspas da casca de 2 tangerinas médias

180g de manteiga sem sal, amolecida

3 ovos grandes, temperatura ambiente

½ colher (chá) de extrato de baunilha

2 colheres (chá) de Cointreau - opcional

1 xícara de creme azedo (sour cream)*

 

Para pincelar o bolo:

3 colheres (sopa) de suco de tangerina

 

Glacê:

½ xícara (70g) de açúcar de confeiteiro

2 colheres (sopa) de suco de tangerina

 

Comece com o bolo: preaqueça o forno a 180°C. Unte com manteiga e enfarinhe uma forma de furo central com capacidade para 8 xícaras de massa.

Em uma tigela média, misture com um batedor de arame a farinha, o fermento e o sal. Reserve.

Na tigela da batedeira, junte o açúcar e as raspas de tangerina e esfregue com as pontas dos dedos até o açúcar ficar aromatizado. Junte a manteiga e bata até obter um creme claro e fofo – raspe as laterais da tigela com uma espátula de silicone algumas vezes durante todo o preparo da receita. Junte os ovos, um a um, batendo bem a cada adição. Junte a baunilha e o Cointreau (se for usar) e bata para misturar.

Em velocidade baixa, adicione os ingredientes secos em três adições, alternando com o creme azedo em duas adições. Bata somente até incorporar – não bata demais para não desenvolver o glúten da farinha e deixar o bolo duro.

Despeje a massa na forma preparada e alise a superfície. Asse por 45-55 minutos ou até que o bolo cresça e doure (faça o teste do palito). Deixe esfriar na forma, sobre uma gradinha, por 20 minutos, e então desenforme com cuidado sobre a gradinha. Pincele todo o bolo com o suco de tangerina, até que o bolo absorva todo o suco.

Glacê: acrescente o suco de tangerina aos poucos ao açúcar de confeiteiro, e vá misturando até obter a consistência desejada. Despeje sobre o bolo já frio.

* creme azedo (sour cream) caseiro: para preparar 1 xícara de creme azedo, misture 1 xícara (240ml) de creme de leite fresco com 2-3 colheres (chá) de suco de limão ou limão siciliano em uma tigela. Vá mexendo até que comece a engrossar. Cubra com filme plástico e deixe em temperatura ambiente por 1 hora ou até que engrosse um pouco mais (geralmente faço o meu na noite anterior e deixo sobre a pia – com exceção de noites extremamente quentes – coberto com filme plástico; na manhã seguinte o creme fica bem espesso – leve à geladeira para ficar mais espesso ainda)

Rend.: 10-12 fatias

.