segunda-feira, outubro 29, 2018

Madeleines de maracujá para um dia cinza e um obrigada pelo afeto de vocês


Madeleines de maracujá

Escrevi um post semana passada reclamando de falta de ânimo e quem me segue nas redes sociais sabe que hoje estou um trapo. Levantar da cama foi difícil, só levantei mesmo por causa do montão de boletos para pagar todo o mês – não fossem eles, eu estaria deitada embaixo do edredom até agora.

Ontem recebi um email malcriado de leitora zombando de mim por causa das eleições. Fiz algo que nunca fizera antes: bloqueei no gmail. Vou fazer a minha bolha de amor e nela não há espaço para ódio. Não há espaço para gente preconceituosa, racista, machista, homofóbica, fascista. Na minha bolha tem muito afeto, carinho e sim, tem comida boa, também. Porque precisamos estar fortes para a luta que vem aí. E tem que ter beleza e ternura para que aguentemos o que está vindo por aí. Por isso lhes trago hoje madeleines, tão pequeninas e delicadas, e ainda assim tão deliciosas.

Obrigada pela avalanche de carinho no Instagram: vocês são simplesmente maravilhosos. <3

Aproveito para agradecer quem comprou livros comigo – obrigada! E quem ainda não comprou pode clicar aqui para ver a lista das unidades disponíveis.

Madeleines de maracujá
um tiquinho adaptadas da sempre lindíssima Australian Gourmet Traveller

- xícara medidora de 240ml

1 tablete (100g) de manteiga sem sal + um pouquinho extra para untar as forminhas
1 colher (sopa) de mel
½ colher (chá) de extrato de baunilha
1/3 xícara (80ml) de polpa de maracujá – eu uso com as sementinhas pois adoro o visual e a crocância, mas quem quiser pode passar pela peneira
1 xícara + 1 colher (sopa) – 150g – de farinha de trigo
½ xícara (100g) de açúcar cristal
1 pitada de sal
2 ovos grandes

Coloque a manteiga em uma panelinha e leve ao fogo médio-alto até derreter e começar a dourar. Retire do fogo, acrescente o mel, a baunilha e a polpa de maracujá, misture e deixe chegar à temperatura ambiente.
Enquanto isso, coloque a farinha, o açúcar, o sal e os ovos em uma tigela média e misture com um batedor de arame até obter um creme homogêneo. Aos poucos, incorpore a mistura de manteiga à mistura de farinha e bata bem até ficar homogêneo. Cubra com filme plástico e leve à geladeira de um dia para o outro – se estiver com pressa, refrigere a massa por pelo menos 40 minutos.

Pré-aqueça o forno a 200°C. Unte com a manteiga derretida extra 24 forminhas de madeleine com capacidade para 1 colher (sopa) de massa cada. Enfarinhe e remova o excesso. Coloque uma colherada de massa em cada forminha e asse até que as madeleines dourem, cresçam e firmem, 10-12 minutos. Ao retirar do forno, remova-as das forminhas e deixe esfriar completamente sobre uma gradinha.

Rend.: 24 unidades

segunda-feira, outubro 22, 2018

Tabule de quinoa


Tabule de quinoa

Há mais de doze anos escrevo aqui e este blog me trouxe muita alegria. Entretanto, ultimamente, com o que está acontecendo no Brasil, não tenho mais energia ou vontade de fazer muitas coisas, entre elas escrever aqui. O futuro que vislumbro é sombrio demais.

Trago hoje um tabule que faço de vez em quando trocando o trigo para quibe por quinoa. Só junto pepino, tomate, cebola e ervas frescas (geralmente uso manjericão, salsinha e/ou hortelã) à quinoa cozida, escorrida e fria, tempero com azeite, limão, sal e pimenta do reino moída na hora e sirvo. Quando não quero ficar com bafinho faço sem cebola mesmo. :) No verão costumo comer esse tabule toda semana. É fresquinho e delicioso.

Não tem receita, faço a olho mesmo, e nunca tempero a porção toda, pois o que sobra dá para guardar na geladeira e levar de marmita, com o molho levado separadamente. Recomendo bastante.

Ainda tenho livros muito bacanas à venda, e aqui está o link para quem tiver interesse em comprá-los.


terça-feira, setembro 25, 2018

Salada de lentilha, feta e tomate cereja e o que eu associo a certos alimentos


Salada de lentilha, feta e tomate cereja

Não sei vocês, mas há momentos em que eu associo certos alimentos a determinados momentos da minha vida e isso faz com que eu queira comê-los sempre ou evitá-los a todo custo.

Arroz doce, por exemplo: antes do problema com a lactose eu fazia sempre, pois é algo que me lembra minha mãe. Quando a saudade batia forte demais daquele jeito que o coração não aguenta eu fazia arroz doce e comia quente, com uma chuvinha de canela.

Nem só de boas associações se fazem as minhas lembranças: dias atrás eu comprei feta pela primeira vez em mais de um ano. Depois de uma crise forte de enxaqueca em que fui parar no hospital, fiquei séculos sem querer nem olhar para este queijo que é um dos meus favoritos. Havia comido uma salada com feta na noite anterior à crise e mesmo sabendo que o coitado do queijo nada havia tido a ver com o modo como fiquei não conseguia mais sentir vontade de comer nada com ele. Demorou, mas passou, e uma das receitas em que mais gosto de usá-lo é nesta salada: lentilhas são um alimento tão maravilhoso que deveríamos consumir com mais frequência, não somente para dar sorte na noite de Réveillon.

Leitores maravilhosos já esvaziaram uma boa parte da minha estante, mas ainda tenho livros ótimos à venda: a lista está aqui para quem quiser dar uma espiada.

Salada de lentilha, feta e tomate cereja
receita minha

- xícara medidora de 240ml

1 xícara (200g) de lentilha seca
½ cebola
1 dente de alho descascado e cortado ao meio
1 folha de louro
3 colheres (sopa) de azeite extra-virgem
1 colher (sopa) de vinagre de vinho tinto
1 colher (chá) de cominho em pó
sal e pimenta do reino moída na hora
3 cebolinhas, somente a parte clara, em fatias finas
¼ xícara de folhas de coentro – aperte-as na xícara na hora de medir
¼ xícara de folhas de salsinha – aperte-as na xícara na hora de medir
1 xícara de tomates cereja
50g de queijo feta esmigalhado ou picadinho – pode ser substituído por outro tipo de queijo da sua preferência

Lave bem a lentilha e coloque-a em uma panela de fundo grosso média com a cebola, o alho e o louro. Junte 1 litro de água fria e leve ao fogo médio-alto, mexendo ocasionalmente, até começar a ferver. Cozinhe por cerca de 15 minutos, mexendo algumas vezes, ou até as lentilhas ficarem macias, mas sem desmanchar.

Enquanto isso, misture em uma tigela grande o azeite, o vinagre, o cominho, o sal, a pimenta e as cebolinhas. Escorra a lentilha e descarte a cebola, o alho e o louro. Transfira a lentilha para a tigela com o molho e misture para incorporar. Pique o coentro e a salsinha, corte os tomates ao meio no sentido do comprimento e junte-os à lentilha. Acrescente o feta e misture. Sirva morna ou fria – esta salada fica bem saborosa depois de uma noite na geladeira.

Rend.: 6 porções

sexta-feira, setembro 14, 2018

Flammkuchen de cogumelo, alho poró e queijo


Flammkuchen de cogumelo, alho poró e queijo

Há muito tempo (muito mesmo), eu vi um programa de TV falando sobre flammkuchen, a tal pizza alemã. Fiquei animada para experimentar: a massa era fininha, crocante, dourada, e o recheio igualmente delicioso, com bacon, cebola, queijo e aliche (lembrava o recheio de uma pissaladière).

Tratei logo de fazer a receita e ficou realmente muito gostosa, mas como eu queria um recheio vegetariano fui de cogumelos, alho poró e queijo, inspirada no recheio desta torta que eu amo tanto – o Canastra entrou para dar um toque brasileiro à receita germânica. Depois disso fiz a receita algumas outras vezes, muitas delas só com queijo e orégano mesmo (antes do problema com a lactose), pois fica deliciosa, leve e crocante. Hoje é sexta-feira e acho que esta receita tem tudo a ver com final de semana.

Lembrete: ainda tenho livros interessantes à venda - a lista está aqui.

Flammkuchen de cogumelo, alho poró e queijo
massa adaptada de várias fontes, recheio receita minha

- xícara medidora de 240ml

Massa:
½ colher (chá) de fermento biológico seco
¼ colher (chá) de açúcar
1/3 xícara (80ml) de água morna
1 colher (sopa) de azeite de oliva extra virgem
1 xícara (140g) de farinha de trigo comum
3 colheres (sopa) de farinha de centeio fina
¼ colher (chá) de sal

Cobertura:
2 colheres (sopa) de azeite de oliva
200g de cogumelos de Paris, limpos e cortados em fatias no sentido do comprimento
sal e pimenta do reino moída na hora
2 alhos-porós pequenos, somente a parte mais clara, em fatias finas
2 colheres (sopa) de vinho branco seco
100g de queijo Canastra ralado grosseiramente
10 tomatinhos cereja cortados ao meio no sentido do comprimento

Massa: coloque o fermento e o açúcar em uma tigela média. Junte a água e misture com um garfo para dissolver o fermento. Reserve por 2-3 minutos ou até que o fermento espume. Adicione o azeite, as farinhas e o sal e misture para incorporá-los. Transfira a massa para uma superfície limpa e seca (não é preciso enfarinhar) e sove até obter uma massa homogênea e elástica (acrescente farinha caso seja necessário, mas evite fazê-lo em excesso ou a massa ficará dura) – se preferir, sove a massa na batedeira planetária por 5-6 minutos. Forme uma bola com a massa. Unte levemente com azeite a mesma tigela e transfira a massa para ela. Cubra com filme plástico e deixe crescer em um lugar morno e livre de correntes de ar por 40 minutos (se o dia estiver muito frio deixe mais tempo).

Enquanto isso, faça o recheio: aqueça metade do azeite em uma frigideira antiaderente grande. Junte os cogumelos e doure dos dois lados – não encha demais a panela ou os cogumelos vão soltar água. Tempere com sal e pimenta do reino - dependendo do tamanho da panela, doure os cogumelos em levas. Transfira para um prato. Volte a frigideira para o fogo, regue com o azeite restante e refogue o alho poró, mexendo algumas vezes até murchar levemente. Volte os cogumelos à panela, acrescente o vinho branco e refogue por 1 minuto, somente até o vinho evaporar. Tempere com sal e pimenta do reino e retire do fogo.

Pré-aqueça o forno a 250°C. Com o auxílio de um rolo, abra a massa em uma superfície levemente polvilhada com farinha até obter um retângulo de aproximadamente 35x25cm – a massa do flammkuchen tem que ficar bem fininha. Transfira para uma assadeira – se preferir, forrada com papel alumínio. Espalhe os cogumelos e o alho-poró sobre a massa e cubra com o queijo e os tomates. Leve ao forno por cerca de 5 minutos ou até a massa dourar. Sirva imediatamente.

Rend.: 2 porções

terça-feira, setembro 04, 2018

Brownies básicos para ganhar corações


Brownies básicos

Eu não sou chocólatra, mas sei que muita gente é, e a minha tese se confirma toda vez em que posto uma foto de receita com chocolate no Instagram: é chuva de <3. :)

Como estou querendo chuva de <3 esses dias e ensopado de peixe não vai me dar isso, lhes trago uma receita de brownie bem fácil e bem saborosa. A textura destes brownies é uma delícia, bem molhadinha, quase cremosa: fico com água na boca só de lembrar.


Ah, quem quiser dar uma olhada nos livros à venda a lista está aqui (estou sendo um disco furado com esse assunto, eu sei, mas a propaganda é a alma do negócio). :D

Brownies básicos
receita minha

- xícara medidora 240ml

½ xícara (113g) de manteiga sem sal, picada
2/3 xícara (60g) de cacau em pó, sem adição de açúcar
1 xícara (200g) de açúcar cristal
2 ovos grandes
1 colher (chá) de extrato de baunilha
2/3 xícara (93g) de farinha de trigo
½ colher (chá) de fermento em pó
1 pitada de sal
½ xícara (85g) de gotas de chocolate meio-amargo ou chocolate em barra picadinho

Preaqueça o forno a 180°C. Unte levemente com manteiga uma forma quadrada de 20cm, forre-a com papel alumínio deixando sobrar papel em dois lados opostos. Unte o papel com manteiga.
Em uma panela média, derreta a manteiga em fogo médio. Retire do fogo e adicione o cacau, mexendo bem para dissolvê-lo. Misture o açúcar e deixe esfriar.
Acrescente os ovos, um a um, misturando bem a cada adição. Junte a baunilha.
Adicione a farinha, o fermento e o sal e misture até a farinha sumir. Incorpore as gotas de chocolate.
Espalhe a massa na forma preparada e leve ao forno por 20 minutos ou até que a superfície do brownie pareça seca e um palito enfiado no centro saia com um pouquinho de massa grudado nele.
Deixe esfriar completamente na forma sobre uma gradinha. Corte em quadradinhos para servir.

Rend.: 16 unidades

quinta-feira, agosto 30, 2018

Bolo de iogurte e maracujá para matar a saudade dos bolos

English version

Bolo de iogurte e maracujá

Há tanto tempo que não posto um bolo por aqui, e sempre tenho a impressão de que as receitas mais queridas pelos leitores do blog são as de bolo: vira e mexe recebo comentários sobre elas ou então as vejo nas redes sociais (e isso me deixa super feliz, vocês sabem). :)

O de hoje é adaptado de diversas receitas de bolo preparadas usando-se o copinho do iogurte como medidor. Dei uma padronizada nas medidas para que a receita fique mais “certinha” (eu e minhas manias). O maracujá adicionado tanto à massa quanto à calda deixa o bolo muito saboroso – eu mantive as sementes, pois acho que o bolo fica mais bonito assim, mas se elas lhe incomodam é só passar a polpa pela peneira.

Bolo de iogurte e maracujá
adaptado de diversas receitas já vistas por aí

- xícara medidora de 240ml

Bolo:
2 ¼ xícaras (315g) de farinha de trigo
2 colheres (chá) de fermento em pó
1 pitada de sal
¾ xícara (1 potinho de 180ml) de iogurte natural integral
¾ xícara (180ml) de óleo de canola
1 ¾ xícaras (350g) de açúcar cristal
3 ovos grandes, temperatura ambiente
½ xícara (120ml) de polpa fresca de maracujá, com as sementes
1 colher (chá) de extrato de baunilha

Calda:
¼ xícara (60ml) de polpa fresca de maracujá, com as sementes
2 colheres (sopa) de açúcar cristal
1 colher (sopa) de água

Comece pelo bolo: preaqueça o forno a 180°C. Unte uma forma de furo central com capacidade para 10 xícaras de massa.
Em uma tigela grande peneire a farinha, o fermento e o sal. Junte os outros ingredientes e misture com uma colher de pau somente até obter uma massa lisa – não bata demais para não ativar o glúten da farinha, senão o bolo ficará duro.
Transfira a massa para a forma e alise a superfície. Asse por 40-50 minutos ou até que o bolo cresça e doure (faça o teste do palito). Deixe esfriar na forma sobre uma gradinha por 20 minutos e então desenforme na gradinha, com cuidado.

Nestes 20 minutos, prepare a calda: junte os ingredientes em uma panelinha e leve ao fogo alto, mexendo até dissolver o açúcar. Deixe cozinhar por 4-5 minutos ou até espessar levemente e ficar com consistência de calda. Pincele a calda sobre todo o bolo ainda quente. Deixe esfriar completamente e sirva.

Rend.: 10-12 porções

segunda-feira, agosto 27, 2018

Sopa de couve-flor com curry

Sopa de couve-flor com curry


Algo que sempre me traz boas lembranças das minhas viagens são as comidas: sinto saudade de determinados pratos e vinhos dos lugares por onde passei.

Em 2016 estive em Buenos Aires e tomei uma sopa de couve-flor com curry em um restaurante chamado Restó: deliciosa, foi servida em uma xícara e vinha com um lagostim boiando nela (era um jantar com vários tempos e as porções eram pequenas). Quando voltei de lá ainda estava naquele ritmo frenético de testar receitas para o livro e foi assim que a sopa que lhes trago hoje surgiu. Ficou mais cremosa do que a do Restó e não coloquei o lagostim – confesso que de lá era mais gostosa, mas ainda assim a minha versão me trouxe boas recordações. :)

Sopa de couve-flor com curry
receita minha

1 colher (sopa) de manteiga sem sal
½ colher (sopa) de azeite extra virgem
1 alho-poró grande, só a parte mais clara, em rodelas
1 dente de alho grande, picadinho
1 batata grande, descascada e em cubos pequenos
1 cenoura, descascada e em cubos pequenos
1 couve-flor de aproximadamente 500g, cortadas em floretes pequenos (para que cozinhem mais rapidamente)
500ml de caldo de legumes caseiro, fervente
300ml de água fervente
1 folha de louro
1 colher (chá) de curry em pó
½ colher (chá) de cominho em pó
sal e pimenta do reino moída na hora

Em uma panela grande, derreta a manteiga em fogo médio-alto. Junte o azeite. Em seguida, junte o alho-poró e refogue, mexendo ocasionalmente, até murchar. Junte o alho e refogue por apenas por 1 minuto – não deixe o alho queimar, ou a receita vai amargar. Junte a batata, a cenoura e refogue por 3-4 minutos, mexendo ocasionalmente. Acrescente a couve-flor, o caldo, a água, o louro e as especiarias. Tempere com sal e pimenta do reino, misture bem e assim que começar a ferver abaixe o fogo e cozinhe por cerca de 20 minutos ou até que os legumes estejam macios.
Retire o louro da sopa e bata com um mixer ou no liquidificador até ficar lisa (se usar o liquidificador, tome muito cuidado para não se queimar: remova a tampinha menor e então cubra a tampa com um pano de prato seco dobrado – desta forma o vapor tem por onde sair e a mistura não espirrará em você).
Sirva imediatamente.

Rend.: 3-4 porções (ou 2 porções generosas)


segunda-feira, agosto 20, 2018

Cookies com marshmallow e gotas de chocolate, Joaquin, Lynne e uma previsão para o Oscar 2019


Cookies com marshmallow e gotas de chocolate

As últimas duas semanas foram super puxadas e as próximas duas não me parecem muito mais leves, não. Ando devendo receita nova por aqui.

Fui ver o maravilhoso Joaquin Phoenix no filme novo da Lynne Ramsay e nossa, a cada trabalho dele fico mais apaixonada. Aliás, amo Joaquin desde que ele fez frente ao talento de Nicole no ótimo “Um Sonho sem Limites” – Gus Van Sant fez com que todo mundo prestasse atenção tanto nela (não é só a mulher linda do Tom Cruise) quanto nele (não é só o irmão menos bonito do River Phoenix).
Lynne já tinha me impressionado um bocado com “Precisamos Falar Sobre o Kevin” – quem me lê faz tempo sabe disso – e naquele ano foi ignorada no Oscar, dizem que por sua personalidade forte, mas isso é basicamente o que dizem de toda mulher determinada e talentosa, e não somente no meio do cinema, a gente bem sabe.

O filme é incrível e o prêmio de melhor ator em Cannes caiu como uma luva em Joaquin. Pelo que andei lendo e vendo, incluindo trailers, sinto que o Oscar de melhor ator em 2019 vem pra ele – e até agora minha previsão é de que indicados com ele estarão Rami Malek com seu Freddie Mercury e Ryan Gosling com seu Neil Armstrong (recomendo demais o trailer de “O Primeiro Homem” a quem ainda não viu). Podem vir aqui me cobrar em janeiro do ano que vem. :D

E falando em cobrar, estou devendo receita nova e hoje trago cookies que são deliciosos e fáceis de fazer: dívida paga. :D

Aproveito para lembrar que quem estiver interessado nos livros de culinária que estou vendendo o link está aqui.

Cookies com marshmallow e gotas de chocolate
receita minha

1 ¼ xícaras (175g) de farinha de trigo
¼ colher (chá) de fermento em pó
1/8 colher (chá) de bicarbonato de sódio
1 pitada de sal
½ xícara (113g) de manteiga sem sal, amolecida
½ xícara (88g) de açúcar mascavo – aperte-o na xícara na hora de medir
1/3 xícara (67g) de açúcar cristal
1 ovo, temperatura ambiente
1 colher (chá) de extrato de baunilha
1 xícara (50g) de mini marshmallows, cortados ao meio – meça, depois corte; eu acho mais fácil fazer isso com uma tesoura do que com uma faca
1/3 xícara (55g) de gotas de chocolate amargo
1/3 xícara (55g) de gotas de chocolate branco

Preaqueça o forno a 180°C e forre duas assadeiras grandes e rasas com papel manteiga. Em uma tigela média, misture com um batedor de arame a farinha, o fermento, o bicarbonato e o sal. Reserve.

Na tigela da batedeira, junte os açúcares e a manteiga e bata até obter um creme claro – raspe as laterais da tigela ocasionalmente durante todo o preparo da receita.
Junte o ovo e a baunilha e bata para incorporar. Acrescente a mistura de ingredientes secos de uma vez e misture em velocidade baixa somente até incorporar e uma massa se formar. Com uma espátula de silicone, incorpore o marshmallow e as gotas de chocolate.

Faça bolinhas usando 2 colheres (sopa) niveladas de massa por biscoito e coloque-as nas assadeiras preparadas deixando 5cm de distância entre elas. Asse por cerca de 15 minutos ou até que os biscoitos dourem nas extremidades. Deixe esfriar nas assadeiras por 5 minutos e então deslize o papel com os biscoitos para uma gradinha e deixe esfriar completamente.

Rend.: cerca de 22 unidades

quarta-feira, agosto 01, 2018

Amanteigados de canela e um assunto nada a ver


Amanteigados de canela

Uns dois finais de semana atrás eu revi “Os Homens que Não Amavam as Mulheres”, a versão americana - quem me lê faz tempo sabe que eu amei o filme e que achei melhor do que a versão sueca. Os filmes do Fincher tem mesmo esse poder visual, um uso incrível de cores (e seu amor pelo sépia), o que faz todo o sentido para um cara que veio da publicidade (publicidade boa, não essa m... que fizeram estes dias com o jogador de futebol que se acha o cara mais fodão do mundo). :)

Enquanto via o filme lembrava do Oscar perdido por “A Rede Social” e que foi para um filme que não merecia (nem o filme, nem o diretor, aliás). Depois disso, Fincher fez a maravilha que é “House of Cards”, mas para o cinema parece que ele resolveu só se divertir com projetos muito legais e que provavelmente não ganhariam nenhum prêmio, como o primeiro filme da trilogia Millennium e “Garota Exemplar”. Parece até um “já que a Academia me esnobou, eu também vou esnobá-los” – não liga, não, David, a gente te ama e o pessoal que vota nos Golden Globes também. :)

Outro dia achei este vídeo muito bacana falando sobre o estilo de filmar de Fincher e fiquei embasbacada: não vou mais conseguir assistir aos seus filmes e seriados do mesmo jeito (logo, logo tem a segunda temporada de “Mindhunter”). \0/

O assunto acima nada tem a ver com os amanteigados que lhes trago abaixo, mas sei lá porque me deu vontade de escrever sobre cinema hoje, e especificamente sobre David Fincher. Então ficamos assim: um diretor muito maravilhoso e uns biscoitinhos idem. :D

Amanteigados de canela
receita minha, inspirada em muitas outras aqui do blog

2 ¼ xícaras (315g) de farinha de trigo
1/8 colher (chá) de sal
1 colher (chá) de canela em pó
1 xícara (226g) de manteiga sem sal, temperatura ambiente
¾ xícara (105g) de açúcar de confeiteiro, peneirado – meça, depois peneire
2 gemas
1 colher (chá) de extrato de baunilha

Em uma tigela média, misture a farinha, a canela o sal com um batedor de arame. Reserve.
Na tigela da batedeira bata a manteiga e o açúcar de confeiteiro até obter um creme claro – raspe as laterais da tigela algumas vezes durante todo o preparo da receita. Adicione as gemas, uma a uma, batendo a cada adição. Junte a baunilha. Em velocidade baixa, junte os ingredientes secos e bata somente apenas uma massa se formar.

Divida a massa em duas partes iguais. Coloque cada metade em um pedaço grande de papel manteiga; forme um cilindro de aproximadamente 3,5cm de diâmetro com a massa, fechando-a dentro do papel manteiga usando uma régua – aperte bem para compactar a massa dentro do papel. Feche as pontas e leve à geladeira até firmar bem, cerca de 4 horas ou de um dia para o outro.

Pré-aqueça o forno a 180°C; forre duas assadeiras grandes com papel manteiga. Desembrulhe um dos cilindros de massa (mantenha o outro na geladeira). Corte em fatias de 5mm e coloque-as nas assadeiras preparadas deixando um espaço de 2,5cm entre uma e outra. Asse por 10-12 minutos ou até que os biscoitos estejam dourados nas extremidades. Deixe esfriar nas assadeiras sobre gradinhas por 5 minutos e então deslize o papel com os biscoitos para a gradinha e deixe esfriar completamente. Repita o processo com o outro cilindro de massa.

Os biscoitos podem ser guardados em um recipiente hermético em temperatura ambiente por até 4 dias. Se não quiser assar todos os biscoitos de uma vez, embrulhe o cilindro de massa com papel alumínio e mantenha-o no freezer por até 1 mês.

Rend.: cerca de 50 unidades

sexta-feira, julho 27, 2018

Pão de hambúrguer e mais livros


Pão de hambúrguer

Hoje é sexta-feira (finalmente – que semana longa!) e a receita que trago hoje tem todo o jeitão de final de semana: pão de hambúrguer caseiro!

De uns tempos pra cá tenho feito hambúrguer com pão francês, mas fiz muito os pãezinhos abaixo no passado. Eles ficam macios e corados e absorvem perfeitamente os sucos da carne. Como nem sempre dá tempo de fazer pão caseiro, eu preparava a receita e os 4 pãezinhos que sobravam depois do almoço ou jantar iam para o freezer, onde podem ficar por até 2 meses. Infelizmente a correria do dia a dia nos força a consumir alguns alimentos industrializados, mas acho que vale a pena fazer os pãezinhos de hambúrguer que lhes trago hoje pelo menos uma vez, para experimentar.

Aproveito para lembrar que estou vendendo alguns dos meus livros de receita. Vale a pena dar uma olhada na lista de vez em quando, pois a tenho incrementado com alguns outros volumes que não estavam listados na primeira leva. Clique aqui para ver a lista.

Pão de hambúrguer
receita minha

- xícara medidora de 240ml

2/3 xícara (160ml) de água morna
1/3 xícara (80ml) de leite morno
2 colheres (chá) de fermento biológico seco
2 colheres (chá) de açúcar cristal
1 ovo grande
3 xícaras (420g) de farinha de trigo
½ xícara (70g) de farinha de trigo integral
1 colher (chá) de sal
3 colheres (sopa) - 42g - de manteiga sem sal, amolecida

Para pincelar os pãezinhos:
1 ovo grande
1 colher (chá) de água

Na tigela grande da batedeira, junte a água, o leite, o fermento e o açúcar. Misture com um garfo e reserve por aproximadamente 5 minutos ou até espumar.
Junte o ovo, a farinha de trigo, a farinha integral e o sal e sove com a batedeira usando o batedor em formato de gancho por 6-8 minutos ou até obter uma massa lisa e elástica. Aos poucos, com a batedeira ligada, vá juntando a manteiga aos pedacinhos, deixando a massa absorver uma porção antes de adicionar outra. Bata por mais 2 minutos. Caso deseje, faça todo o processo à mão – fará um pouco mais de meleca, mas dá certo também. :)

Transfira a massa para uma tigela grande untada com manteiga. Cubra com filme plástico e deixe crescer em um lugar morninho, livre de correntes de ar, por cerca de 1 ½ horas, ou até dobrar de volume.

Dê um soquinho na massa para retirar o excesso de ar. Divida a massa em 6 porções – cada uma terá aproximadamente 140g. Forme uma bolinha com cada porção e achate-a levemente com a palma da mão. Transfira para uma assadeira rasa e grande forrada com papel alumínio, cubra com um pano de prato limpo e seco e deixe crescer novamente por 40 minutos – enquanto isso, preaqueça o forno a 200°C.

Em um potinho, bata o ovo e a água juntos com um garfo. Delicadamente, pincele cada pãozinho com o ovo batido, deslizando o pincel com cuidado, de baixo para cima nos pãezinhos, sem pesar a mão para não achatar. Leve ao forno por 25-30 minutos ou até dourar bem. Transfira para uma gradinha e deixe esfriar completamente antes de cortar.

Rend.: 6 unidades

.