quarta-feira, março 21, 2012

Pãezinhos de canela e cardamomo

English version

Cardamom and cinnamon buns / Pãezinhos de canela e cardamomo

Geralmente sinto vontade de fazer pão quando não há tempo suficiente para isso – vai entender. E desta vez, para complicar ainda mais as coisas eu queria fazer um tipo bem específico de pão: tinha de ser bonito (sou um ser complicado, admito). Vi uma receita fantástica com banana em um dos meus atuais favoritos, porém não daria tempo de descongelar as bananas que estavam no freezer. Foi quando me lembrei dos pãezinhos lindos da Tessa Kiros, e para melhorar tudo eles ainda eram recheados com uma combinação de manteiga, canela e açúcar, também conhecido como “combo irresistível”. :)

Os pãezinhos não ficaram bonitos? E posso lhes garantir que não são difíceis de moldar.

Pãezinhos de canela e cardamomo
um nadinha adaptado do lindíssimo Falling Cloudberries: A World of Family Recipes

- xícara medidora de 240ml

Massa:
1 xícara (240ml) de leite integral morno
½ xícara (100g) de açúcar cristal, de preferência orgânico
10g de fermento biológico seco
1 ovo, de preferência orgânico, ligeiramente batido com um garfo
½ xícara + 1 colher (sopa) - 127g - de manteiga sem sal, amolecida
1 ½ colheres (chá) de cardamomo em pó
½ colher (chá) de sal
5 xícaras (700g) de farinha de trigo comum, mais se necessário

Manteiga de canela:
2 colheres (chá) de canela em pó
¼ xícara (50g) de açúcar cristal, de preferência orgânico + 1 colher (sopa) para polvilhar
5 ½ colheres (sopa) - 77g - de manteiga sem sal, bem molinha
1 ovo, ligeiramente batido com um garfo, para pincelar

Coloque o leite, o açúcar e o fermento na tigela grande da batedeira planetária e misture com um garfo. Reserve por 5-7 minutos até que o fermento borbulhe. Junte o ovo, a manteiga, o cardamomo e o sal e misture em velocidade baixa, usando o batedor em formato de gancho. Aos poucos, adicione a farinha, misturando. Continue misturando por mais 5-7 minutos ou até que a massa fique homogênea e elástica – você pode sovar manualmente se preferir. Transfira a massa para uma tigela grande, levemente pincelada com óleo ou manteiga, e cubra com filme plástico e com um pano de prato limpo e seco. Deixe crescer em um lugar livre de correntes de ar por cerca de 2 horas ou até a massa dobrar de volume.
Prepare a manteiga de canela: em uma tigelinha, misture a canela e o açúcar. Divida a manteiga em quatro partes iguais e reserve.

Coloque a massa em uma superfície levemente enfarinhada e divida em quatro porções iguais. Comece com uma porção (deixando as porções restantes cobertas com o pano de prato para que não ressequem): abra a porção de massa em um retângulo de aproximadamente 30x25cm e 3mm de espessura. Espalhe de maneira uniforme a manteiga por toda a superfície da massa e então polvilhe com o açúcar e canela. Enrole a massa pelo lado mais largo como se fosse um rocambole. Repita o procedimento com as partes de massa restantes.
Forre duas assadeiras grandes com papel manteiga.
Coloque os rolos de massa de frente para você. Corte-os na diagonal, intercalando o sentido dos cortes, fazendo com que cada porção de massa pareça um “V” em que a base tenha cerca de 5cm e a ponta tenha 2cm. Vire todas as porções de massa de modo que a base do “V” esteja virada para você. Com os dedos, pressione o centro de cada pãozinho até quase furar a massa – você vai perceber que as laterais vão sobressair um pouco. Coloque os pãezinhos nas assadeiras preparadas deixando 5cm entre um e outro. Pincele com o ovo batido e salpique com o açúcar extra. Deixe crescer novamente por 30 minutos – enquanto isso, pré-aqueça o forno a 180°C.
Asse os pãezinhos por 20-25 minutos ou até que eles dourem – verifique se estão dourados também na parte inferior. Sirva quentes, mornos ou em temperatura ambiente. Depois de frios, guarde em um recipiente hermético para evitar que ressequem.

Rend.: cerca de 35 unidades – fiz metade da receita acima e consegui 15

segunda-feira, março 19, 2012

Biscotti de aveia

English version

Oatmeal biscotti / Biscotti de aveia

E a saga do biscotti continua: estes, cheios de aveia, pecãs e damascos secos têm um jeitão saudável e são muito gostosos. Outros bons detalhes: eles duram um mês (não que eu ache que durarão tudo isso, mas...), são firmes o suficiente para serem levados de lá pra cá e podem se tornar uma opção saborosa de lanchinho entre as refeições, mas... Por mais que eu odeie admitir, acho que será difícil encontrar biscotti que superem os de pecã caramelada e laranja. De qualquer forma, não me importo em continuar testando novas receitas para descobrir isso. :D

Biscotti de aveia
do fantástico The Craft of Baking: Cakes, Cookies, and Other Sweets with Ideas for Inventing Your Own

- xícara medidora de 240ml

¾ xícara (82g) de pecãs, levemente tostadas, frias e picadas grosseiramente
1 xícara (115g) de aveia em flocos
1 ¾ xícaras (245g) de farinha de trigo
¾ xícara (131g) de açúcar mascavo claro - aperte-o na xícara na hora de medir
1 colher (chá) de fermento em pó
½ colher (chá) de bicarbonato de sódio
½ colher (chá) de canela em pó
¼ colher (chá) de sal
2 ovos grandes, de preferência orgânicos
¼ xícara (60ml) de melado de cana
2 colheres (sopa) de óleo de canola
¾ colher (chá) de extrato de baunilha
¾ xícara de damascos secos, picados (meça-os inteiros, depois pique)

Pré-aqueça o forno a 180°C. Forre uma assadeira grande, de beiradas baias, com papel manteiga.
Coloque ½ xícara da aveia no processador de alimentos e processe até obter uma farinha. Transfira para a tigela grande da batedeira e junte o restante da aveia, a farinha de trigo, o açúcar mascavo, o fermento em pó, o bicarbonato de sódio, a canela e o sal.
Em uma tigelinha à parte misture bem os ovos, o melado, o óleo e a baunilha. Com o batedor em formato de pá e a batedeira em velocidade baixa junte os ingredientes líquidos aos secos, raspando as laterais da tigela conforme necessário. Junte as pecãs e o damasco – a massa é bem firme.
Transfira a massa para uma superfície levemente enfarinhada e divida em duas partes iguais. Molde cada metade em um cilindro de 40x5cm e transfira-os para a assadeira preparada, deixando 7cm de distância entre um e outro. Asse até que os cilindros dourem e firmem, cerca de 30 minutos. Transfira os cilindros, ainda no papel manteiga, para uma gradinha e deixe esfriar por 10 minutos. Reduza a temperatura do forno para 150°C. Forre duas assadeiras grandes com papel manteiga.
Com o auxílio de uma faca serrilhada, corte os cilindros na diagonal em fatias de 8mm de espessura. Coloque-as nas assadeiras preparadas deixando 2,5cm de distância entre uma e outra e asse por cerca de 40 minutos ou até que os biscotti estejam secos e firmes ao toque. Deixe esfriar completamente nas assadeiras obre uma gradinha.
Os biscotti podem ser guardados em um recipiente hermético em temperatura ambiente por até 1 mês.

Rend.: cerca de 3 dúzias

sábado, março 17, 2012

Granola de manteiga de amendoim + Woody Allen e Larry David

English version

Peanut butter granola / Granola de manteiga de amendoim

Há algumas noites eu estava no meu sofá assistindo a “House” e ficando horrorizada com uma criança quase do meu tamanho usando fralda naquele episódio quando o lembrete para "Tudo Pode Dar Certo" piscou na tela da TV; depois de ver o filme agradeci ao Universo por juntar Woody Allen e Larry David – o texto espirituoso, perfeitamente posto em prática pelo fantástico David e por uma talentosa e afiada Evan Rachel Woods, com a adição da divina, engraçada e lindíssima Patricia Clarkson me fez rir tanto que fiquei com medo de os meus vizinhos acharem que sou louca. :)
Há centenas de falas ótimas no filme todo – algumas estão aqui – e uma delas é absolutamente real: “A raça humana. Privadas automáticas tiveram de ser instaladas em banheiros públicos porque não dá pra confiar nas pessoas nem pra dar a descarga.” – sempre me espanto (de uma maneira bem ruim) com o fato de que o homem já pisou até na lua mas as pessoas parecem incapazes de dar uma simples descarga. Vai entender. :D

Esta fã ardorosa de “Poderosa Afrodite” amou o filme e tenho certeza de que aqueles que gostam do senso de humor de Allen irão amar também – vejam e depois me contem o que acharam. Posso pedir mais uma coisinha? Façam esta granola – é a granola mais gostosa que comi na vida e o desafio foi não comê-la toda assim que saiu do forno. :D
A receita vem de um site que adoro e cujo livro estou doida pra comprar.

Granola de manteiga de amendoim
um tiquinho de nada adaptada do sempre maravilhoso Food52

- xícara medidora de 240ml

250g de aveia em flocos
1 colher (chá) de canela em pó
¼ colher (chá) de sal
½ xícara de manteiga de amendoim do tipo “crunchy”
¼ xícara de óleo de canola
¼ xícara (44g) de açúcar mascavo claro – aperte-o na xícara na hora de medir
¼ xícara de mel
2 colheres (chá) de extrato de baunilha
1 xícara (110g) de cranberries secas ou outra fruta seca da sua preferência (opcional)

Pré-aqueça o forno a 165°C.
Em uma tigela grande, misture a aveia, a canela e o sal.
Em uma tigelinha, misture a manteiga de amendoim, o óleo, o açúcar mascavo, o mel e a baunilha até homogeneizar. Despeje sobre a aveia e misture bem até cobrir todos os flocos com a mistura.
Espalhe a mistura em uma assadeira grande (22x32cm, usei uma ligeiramente maior). Asse por 30-45 minutos, misturando levemente a cada 15, até que a granola esteja tostada. Retire do forno e deixe esfriar completamente na assadeira sobra uma gradinha.
Junte as cranberries e guarde em um pote hermético em um lugar fresco por até 1 mês.

Rend.: 8-10 porções

quinta-feira, março 15, 2012

Salmão com molho asiático + um novo favorito na TV

English version

Salmon with hot, sweet and sour Asian sauce / Salmão com molho oriental

João estava vendo TV outro dia e descobriu, totalmente sem querer, “One Man and His Campervan”: ele me apressou até a sala e eu me apaixonei pelo programa na mesma hora – além de visitar lugares lindíssimos, Martin Dorey também prepara receitas deliciosas em um espaço minúsculo, com pouquíssimos utensílios (eu gostaria que as pessoas que me dizem que não cozinham porque têm uma cozinha muito pequena assistissem ao programa, também). :)
Depois de ver alguns episódios coloquei o livro dele na minha lista de desejos – vamos ver quanto tempo será até eu comprá-lo (todos sabem que tenho zero auto-controle quando o assunto é livros de receita). :)

De um recente favorito da TV para a eterna #1: Nigella. Este salmão é tão rápido e fica tão gostoso que tenho certeza de que vocês ficarão viciados na receita como eu fiquei. Prepare o arroz bem antes de começar com o peixe porque serão menos de 10 minutos para levá-lo da geladeira à mesa.

Salmão com molho asiático
um nadinha adaptado do fantástico Nigella Kitchen: Recipes from the Heart of the Home

- xícara medidora de 240ml

2 dentes de alho, descascados e amassados
2 pimentas, vermelhas ou verdes, sementes removidas, picadinhas
2 colheres (sopa) de gengibre fresco ralado
2 cebolinhas, somente a parte branca, em fatias bem finas
¼ xícara (60ml) de molho de peixe
2 colheres (sopa) de saquê
2 colheres (sopa) de mirin
2 colheres (sopa) de suco de limão
2 colheres (sopa) de água
1 filé de salmão, sem pele, de aproximadamente 600g

Prepare o molho: em uma tigela, misture bem o alho, a pimenta, o gengibre, a cebolinha, o molho de peixe, o mirin, o suco de limão e a água.
Aqueça uma frigideira ou chapa em fogo médio e sele o salmão nela por 4-5 minutos de um lado e 1-2 minutos do outro – o peixe deve ficar opaco e cozido no centro. Retire do fogo e transfira para um prato. Desfaça o peixe em lascas e regue com um pouco do molho.
Sirva imediatamente, com o molho restante à parte.

Rend.: 4 porções

segunda-feira, março 12, 2012

Bolo de canela com mesclado de macadâmia e especiarias + "Direito de Amar"

English version

Cinnamon pound cake with macadamia spice ribbon / Bolo de canela com mesclado de macadâmia e especiarias

Continuando com a minha meta “filmística” para 2012 assisti a “Direito de Amar” ontem à noite (que título horroroso, hein, minha gente?) e foi uma surpresa: eu já esperava algo bom - Colin Firth e Julianne Moore dificilmente erram – mas o filme é tão espetacular visualmente que me deu vontade de mandar um email pro Tom Ford pedindo-lhe para fazer outro filme logo.

*spoilers*

Adorei a forma como Tom Ford trabalha com as cores: uma amiga minha disse ter achado “óbvio” mas eu discordo – acho que marca os moods do filme de uma maneira bem interessante. A trilha sonora é igualmente ótima – especialmente no comecinho, com takes tão bonitos embaixo d’água – e apesar de não ter me impressionado como as trilhas de “Tron: O Legado” e “Drive” achei que serviu perfeitamente ao filme. Que alegria ver um ator jovem como Nicholas Hoult encarando mais um papel ousado – dezenas de outros de sua idade teriam medo de percorrer esse caminho, e ele o faz brilhantemente. Julianne Moore tem pouco tempo na tela, o que é uma pena, já que é uma atriz fantástica e ficou lindíssima com o visual dos anos 60 (sendo branquela e sardenta como ela cobicei muito sua cor de cabelo). :) E Firth... Perfeita seria o único adjetivo capaz de descrever sua performance. Toda a dor mostrada em cada músculo de seu rosto (o que me lembrou Natalie Portman em “Cisne Negro” e o quanto ela consegue mostrar apenas com seu rosto, com o movimento de suas sobrancelhas). Acho que o assombro é maior quando pensamos em Firth em filmes como “Bridget Jones” e “Simplesmente Amor” – como ele vai de cômico/tolo para um personagem tão profundo. Fiquei espantada, num ótimo sentido, ao final do filme e acredito que os Oscars foram entregues na ordem reversa: Firth deveria ter levado o prêmio em 2010 por “Direito de Amar” e Jeff Bridges deveria ter ficado com a estatueta em 2011 por “Bravura Indômita”.

***

Quando o assunto é pound cakes ninguém ganha de Flo Braker e Lisa Yockelson – a maravilhosa receita abaixo vem do sempre delicioso "Baking by Flavor" de Yockelson e se vocês não tiverem macadâmias em casa não deixem que isso os impeça de preparar o bolo: acho que nozes, pecãs e até mesmo amendoins seriam ótimos substitutos neste caso.

Bolo de canela com mesclado de macadâmia e especiarias
do sempre delicioso e fantástico Baking by Flavor

- xícara medidora de 240ml

Mesclado de macadâmia:
¾ xícara (105g) de macadâmias, picadinhas
2 colheres (sopa) de açúcar cristal, de preferência orgânico
1 colher (chá) de canela em pó
½ colher (chá) de noz-moscada ralada na hora
¼ colher (chá) de pimenta-da-jamaica

Bolo:
3 xícaras (420g) de farinha de trigo
1 ½ colheres (chá) de fermento em pó
1 colher (chá) de bicarbonato de sódio
¾ colher (chá) de sal
1 colher (chá) de canela em pó
1 colher (chá) de noz-moscada ralada na hora
1 colher (chá) de pimenta-da-jamaica
1/8 colher (chá) de cravo em pó
1 xícara (226g) de manteiga sem sal, amolecida
1 ½ xícaras (300g) de açúcar cristal, de preferência orgânico
½ xícara (88g) de açúcar mascavo claro – aperte-o na xícara na hora de medir
4 ovos grandes, de preferência orgânicos
2 colheres (chá) de extrato de baunilha
1 ½ xícaras de creme azedo (sour cream)*
açúcar de confeiteiro, para polvilhar

Pré-aqueça o forno a 180°C. Unte com manteiga uma forma de furo central de 25cm de diâmetro e forre o fundo com um círculo de papel manteiga. Unte o papel com manteiga e polvilhe tudo com farinha de trigo.
Em uma tigelinha, misture as macadâmias, o açúcar granulado, a canela, a noz-moscada e a pimenta-da-jamaica. Reserve.
Prepare a massa do bolo: em uma tigela média peneire a farinha, o fermento, o bicarbonato, o sal, a canela, a noz-moscada, a pimenta-da-jamaica e o cravo. Reserve.
Na tigela grande da batedeira, usando o batedor em formato de pá, bata a manteiga em velocidade média por 2-3 minutos. Junte o açúcar em duas adições, batendo bem a cada uma delas, e depois continue batendo até obter uma mistura clara e fofa. Junte os ovos, um a um, batendo por 1 minuto a cada adição. Acrescente a baunilha.
Em velocidade baixa, acrescente os ingredientes secos em três adições alternando com o creme azedo em duas adições (comece e termine com os ingredientes secos). Raspe as laterais da tigela com uma espátula ocasionalmente.
Espalhe cerca de 1/3 da massa na forma preparada. Salpique metade da mistura de macadâmia sobre a massa. Cubra com metade da massa de bolo restante, seguida do restante da mistura de macadâmia. Cubra com a massa de bolo restante. Com uma faquinha sem ponta ou espátula fina, misture as camadas levemente, criando um efeito marmorizado (não raspe o fundo e as laterais da forma nem do tubo). Alise a superfície e asse por 1 hora/1 hora e 10 minutos ou até que o bolo cresça e doure (faça o teste do palito). Deixe esfriar na forma sobre uma gradinha por 15 minutos e então, com cuidado, desenforme, invertendo o bolo. Retire o disco de papel e reinverta o bolo em outra gradinha. Deixe esfriar completamente e polvilhe com açúcar de confeiteiro antes de servir.

* creme azedo (sour cream) caseiro: para preparar 1 xícara de creme azedo, misture 1 xícara (240ml) de creme de leite fresco com 2-3 colheres (chá) de suco de limão ou limão siciliano em uma tigela. Vá mexendo até que comece a engrossar. Cubra com filme plástico e deixe em temperatura ambiente por 1 hora ou até que engrosse um pouco mais (geralmente faço o meu na noite anterior e deixo sobre a pia – com exceção de noites extremamente quentes – coberto com filme plástico; na manhã seguinte o creme fica bem cremoso – leve à geladeira para ficar mais espesso ainda)

Rend.: 20 porções

sexta-feira, março 09, 2012

Brownies com praliné de pecã + "Drive", um dos melhores filmes que vi em toda a minha vida

English version

Pecan praline brownies / Brownies com praliné de pecã

Assisti ao trailer de “Drive” muitos e muitos meses atrás e depois disso não consegui esquecer o filme: havia nele uma aura parecida com alguns dos clássicos dos anos 1970 que amo profundamente – “Operação França”, “Taxi Driver” e “O Poderoso Chefão” me vieram à mente na mesma hora – enquanto que as letras cor-de-rosa neon e a música me passavam uma coisa meio anos 1980. Tinha um bom pressentimento sobre o filme e o prêmio recebido em Cannes me deixou ainda mais curiosa. Por meses esperei, pacientemente, até a noite retrasada, quando fui premiada com 100 minutos de pura obra-prima.

*spoilers*

Segundos após o filme começar meu queixo já estava caído com o quão perfeitamente os primeiros acordes da música se encaixavam à cena e poucos minutos depois eu já estava prendendo a respiração sem sequer ter notado – quantos filmes fazem com que nos sintamos assim logo nos momentos iniciais? Quando Ryan Gosling apareceu em seu carro pela primeira vez, com a canção poderosa ao fundo e a cidade à noite sendo vista de cima eu soube, tive certeza de que o que me aguardava era algo extremamente especial (a trilha sonora é tão fantástica que não consegui parar de ouvi-la até agora). Quando o filme acabou eu estava com os olhos marejados, estupefata e encantada com algo tão lindo e tão perfeito e desejei, do fundo do coração, que mais filmes como “Drive” aparecessem no meu caminho no futuro, pois me fez sentir exatamente como Friedkin, Coppola e Scorsese fizeram na minha adolescência. Havia esperado por tanto tempo ser surpreendida de um jeito bom assim que saí do cinema em estado de graça.

Como uma história tão violenta pode ser contada de um jeito tão poético? Para mim é impossível não reverenciar esse tipo de cinema hoje em dia porque é muito raro. A cena em que o personagem de Gosling carrega Benicio no colo e é visto pelas costas pela mãe do menino é de uma beleza ímpar e fez o meu coração parar. Refn realmente sabe como mover a câmera e nos brinda com centenas de enquadramentos interessantes durante todo o filme (como o carro capotando ao fundo e Christina Hendricks à frente).
O elenco é incrível e Albert Brooks deveria ter sido incluído nas indicações ao Oscar deste ano – acho que ele está fabuloso como Bernie e seu personagem e o motorista têm o melhor diálogo do filme (“minhas mãos estão meio sujas / as minhas também”). Ron Pearlman e Bryan Cranston – como não amar? E, para finalizar, Gosling: quem assistiu a “Tudo pelo Poder” sabe a profundidade que seu olhar possui – ele derrama toneladas de emoção sem sequer abrir a boca. “Drive” está aqui para provar que este jovem ator é realmente talentoso – quantos atores bonitos com todos os meios para se tornarem galãs e ganharem rios de dinheiro com comédias românticas encarariam um papel como este? Ou este? Poucos. Um ator ousado como Gosling era exatamente do que “Drive” precisava. Ele é o filme e me parece ter se colocado inteiramente nas mãos do diretor, com um sentimento de completa confiança – o que me lembra Viggo e a cena da sauna em “Senhores do Crime”: apenas um ator que confia plenamente em seu diretor pode ter uma performance como aquela em uma cena difícil como aquela; creio que este é o tipo de relacionamento que “Drive” iniciou entre Gosling e Refn e depois de ler que os dois estão fazendo outro filme juntos tudo o que posso dizer é “amém”.

***

Antes que eu me esqueça: façam esses brownies – eles são absurdamente deliciosos.

Pecan praline brownies / Brownies com praliné de pecã

Brownies com praliné de pecã
de um livro ótimo que eu deveria e pretendo usar mais vezes

- xícara medidora de 240ml

Praliné:
1 xícara (110g) de pecãs, levemente tostadas e frias
2/3 xícara (133g) de açúcar granulado ou refinado, de preferência orgânico
½ colher (chá) de suco de limão tahiti ou siciliano

Brownie:
6 colheres (sopa) - 84g - de manteiga sem sal
140g de chocolate meio-amargo, picado
56g de chocolate 99% de cacau*, picado – comprado aqui
3 ovos grandes, de preferência orgânicos
1 ½ colheres (chá) de extrato de baunilha
1 xícara (200g) de açúcar granulado, de preferência orgânico
¾ xícara (105g) de farinha de trigo
¼ colher (chá) de sal

Comece preparando o praliné: unte levemente com óleo uma assadeira e reserve.
Coloque o açúcar e o suco de limão em uma panela de fundo grosso e misture para combinar os ingredientes – a mistura parecerá areia úmida. Leve ao fogo médio-alto, girando a panela algumas vezes – não mexa com colher ou espátula. Pincele as laterais da panela com um pincel úmido para remover quaisquer cristais de açúcar. Quando o açúcar derreter e caramelizar retire a panela do fogo e imediatamente junte as pecãs – com cuidado pois o caramelo pode espirrar. Volte a panela ao fogo baixo e misture apenas até a mistura começar a borbulhar – imediatamente derrame o praliné sobre a assadeira untada, espalhando-o o máximo possível. Deixe esfriar completamente.
Agora, o brownie: pré-aqueça o forno a 180°C. Unte uma assadeira de 22x32cm e forre-a com papel alumínio, deixando sobras em dois lados opostos, formando “alças”. Unte o papel também.
Pique o praliné em pedacinhos de pouco mais de 1cm. Reserve.
Coloque a manteiga em uma tigela refratária e leve ao banho-maria (fogo baixo) até derreter. Retire a tigela do fogo e junte o chocolate. Deixe por 5 minutos e então misture gentilmente até o chocolate derreter. Em uma tigela grande, misture os ovos e a baunilha até misturá-los. Junte o açúcar e misture somente até combinar. Acrescente a mistura de chocolate, misturando somente até incorporar. Peneire e farinha e o sal sobre a mistura em duas adições e misture somente até incorporar. Despeje a massa na assadeira preparada e asse por 10-12 minutos ou somente até o topo firmar – os brownies começarão a se desprender das laterais da forma. Retire do forno e salpique todo o praliné sobre o brownie, sem pressionar. Volte ao forno por mais 8-9 minutos ou somente até que o praliné comece a derreter. Retire do forno a deixe esfriar completamente na forma, sobre uma gradinha. Corte em quadradinhos ou barrinhas e sirva.

* acho que fazer a receita somente com chocolate meio-amargo daria certo, não é estritamente necessária a utilização do chocolate 99% (minha opinião)

Rend.: 24 barrinhas – fiz exatamente a receita acima usando uma forma de 20x30cm

quarta-feira, março 07, 2012

Tortinhas de figo e amora + "Sid & Nancy"

English version

Little fig and blackberry pies / Tortinhas de figo e amora

Um dos meus objetivos para o ano passado era usar mais meus livros de receita e fiquei bem contente com o resultado: realmente os usei bem mais do que costumava fazer e pretendo continuar. Para 2012 tenho um novo objetivo: assistir a mais filmes, especialmente aqueles que, por alguma razão, não vi no cinema.
Comecei com “Sid & Nancy” – por causa do meu frenesi com a indicação de Oldman ao Oscar – e posso dizer que comecei com o pé direito: não só o filme é muito bom – lida de maneira crua com um assunto idem – como também mostra que este homem nasceu para ser ator. Oldman desenvolve o personagem de um jeito que me fez ter sentimentos mistos por ele durante todo o filme e também acrescenta a Sid Vicious, muito sutilmente, uma camada de fragilidade que as pessoas provavelmente não esperam encontrar em um punk. Nem preciso lhes contar sobre a perfeição de sua transformação visual porque isso é algo que ele fez em todos os filmes de que participou até hoje. Gostei demais de “Sid & Nancy”, porém drama é sempre a minha primeira opção de filme – quem prefere comédia talvez deva pensar duas vezes antes de assistir.

***

Moro em apartamento e (infelizmente) não tenho um pomar como o Nigel Slater, mas isso não quer dizer que eu não possa aproveitar suas receitas deliciosas: estas tortinhas maravilhosas são de seu livro "Tender II" e a massa é tão boa e fácil de manusear que figos e amoras não precisam, necessariamente, ser a sua opção de recheio – maçãs com uma pitada de canela é o que tenho em mente para o outono. :)

Tortinhas de figo e amora
um tiquinho adaptadas do absolutamente lindo Tender, Volume 2 (o meu comprei aqui)

- xícara medidora de 240ml

Massa:
1 2/3 xícaras (233g) de farinha de trigo
1/3 xícara (46g) de açúcar de confeiteiro + um pouquinho extra, para polvilhar
1 pitada de sal
½ xícara + 2 colheres (sopa) - 140g - de manteiga sem sal, gelada e em cubinhos
1 gema grande
½ colher (chá) de extrato de baunilha

Recheio:
200g de amoras – usei congeladas, parcialmente descongeladas
4 figos grandes
2 colheres (sopa) de mel
suco de 1 limão
2/3 xícara (66g) de farinha de amêndoa

Unte levemente com manteiga quatro forminhas fundas de torta ou formas de mini bolo de 10x5cm cada. Reserve.
Coloque a farinha, o açúcar de confeiteiro e o sal no processador de alimentos e pulse para combinar e remover quaisquer grumos. Junte a manteiga e pulse até obter uma farofa grossa. Junte a gema e a baunilha e pulse até que a massa comece a se formar. Transfira a mistura para um pedaço grande de filme plástico e junte-a, formando um disco e, em seguida, forme um cilindro com a massa. Embrulhe e leve à geladeira por pelo menos 1 hora.
Pré-aqueça o forno a 200°C. Lave as frutas, corte os figos em pedaços graúdos e transfira para uma tigela. Junte as amoras, o mel, o suco de limão e a farinha de amêndoas e misture bem.
Divida a massa em quatro partes iguais. Trabalhando em uma superfície levemente enfarinhada, achate cada parte de massa e forre com ela uma das forminhas preparadas, deixando sobrar massa além da beirada da forma. Repita com a massa restante. Divida o recheio entre as forminhas forradas com massa e então deite as sobras de massa sobre o recheio, sem cobri-lo completamente – o centro da torta não deve ser coberto com a massa, deixando uma lacuna por onde o recheio fique visível.
Coloque as forminhas em uma assadeira de beiradas baixas e asse por 30-35 minutos ou até que a massa doure bem e o recheio esteja borbulhando. Polvilhe com açúcar de confeiteiro e sirva mornas ou em temperatura ambiente.

Rend.: 4 – fiz as tortinhas usando estas mini formas de bolo (com fundo removível)

segunda-feira, março 05, 2012

Le gibassier

English version

Le gibassier

Estava apenas procurando uma receita para usar um pouco da casca de laranja em calda que sobrara na geladeira depois do bolo de quase-sogra, mas o que encontrei foi o pão mais bonito que vi na vida, do qual nunca ouvira falar antes. Gosto demais quando certas coisas me levam a grandes descobertas, e voltei a sentir isso há cerca de uma semana, quando depois de assistir ao fantástico “Dublê de Anjo” fiz minha visita de costume ao IMDb: xeretando o perfil de Lee Pace encontrei este filme, do qual nunca ouvira falar e que parece ser exatamente o tipo de drama que adoro.

Le gibassier
da gloriosa e deliciosa Australian Gourmet Traveller

- xícara medidora de 240ml

1/3 xícara (80ml) de leite integral morno
4 ½ colheres (chá) - 14g - de fermento biológico seco
6 colheres (sopa) - 72g - de açúcar granulado, de preferência orgânico – uso dividido
2 ½ xícaras (350g) de farinha de trigo
2 ovos grandes, de preferência orgânicos
2 colheres (sopa) de azeite de oliva
1 ½ colheres (chá) de água de flor de laranjeira
½ colher (chá) de extrato de baunilha
¼ xícara + 1 colher (sopa) - 70g - de manteiga sem sal, amolecida
100g de casca de laranja em calda/cristalizada (se for em calda, drenada), picadinha – usei caseira, receita aqui
açúcar de confeiteiro, para polvilhar

Coloque o leite, o fermento e 3 ½ colheres (sopa) do açúcar em uma tigelinha. Misture bem e deixe em temperatura ambiente por 10 minutos ou até que espume.
Na tigela grande da batedeira, usando o batedor em formato de gancho, misture a farinha e o açúcar restante. Junte os ovos, o azeite, a água de flor de laranjeira, a baunilha e a mistura de fermento e sove/bata até obter uma massa lisa e elástica (50-10 minutos). Vá acrescentando a manteiga, aos poucos, misturando até incorporá-la. Junte a casca de laranja cristalizada, sove para incorporar, e então transfira a massa para uma tigela grande levemente untada com óleo. Cubra e deixe crescer em um lugar livre de correntes de ar até dobrar de volume (1½-2 horas).
Forre uma assadeira grande com papel alumínio. Dê um soquinho na massa para retirar o excesso de ar e divida em duas partes iguais. Dê a cada metade de massa um formato rústico de folha, faça cortes na massa imitando os veios de uma folha e abra-os levemente com os dedos. Coloque os pães na forma preparada, cubra levemente com um pano de prato limpo e seco e deixe crescer novamente por mais 1 hora – depois desse período os cortes que eu fizera nos pães tinham praticamente desaparecido; por isso, refiz os cortes antes de assar os pães.
Pré-aqueça o forno a 200°C. Asse os pães até que dourem bem e estejam assados por dentro (10-12 minutos). Polvilhe com açúcar de confeiteiro e sirva morno (também gostei dos pães em temperatura ambiente).

Rend.: 8 porções

sexta-feira, março 02, 2012

In the kitchen with: Design*Sponge

Hoje estou lá no fantástico Design*Sponge mostrando aos gringos o nosso delicioso bolo de cenoura - a adorável e talentosa Kristina Gill publicou a receita de minha mãe, um dos meus bolos preferidos e que eu adorava levar na lancheira - espero que vocês gostem!

Um ótimo final de semana a todos!

quinta-feira, março 01, 2012

Bolo de banana caramelada

English version

Butterscotch banana cake / Bolo de banana caramelada

E quando eu achava que o bolo de banana da Flo Braker ficaria eternamente como título de “melhor bolo de banana jamais feito em minha cozinha” aparece o Sr. Dan Lepard com a idéia de caramelizar as bananas antes de adicioná-las à massa do bolo – genial, não? O bolo ficou incrivelmente macio, com uma cor dourada linda e profunda e um sabor delicioso e bem marcante de banana.

Inspirada por uma das minhas performances favoritas de Robert DeNiro tenho pensado em preparar o bolo do Dan Lepard coberto com a farofinha da Flo Braker – e se houver alguém aí me lendo disposto a provar tal combinação eu adoraria saber como ficou. :D

Butterscotch banana cake / Bolo de banana caramelada

Bolo de banana caramelada
um nadinha adaptado do delicioso Short and Sweet (comprei o meu aqui)

- xícara medidora de 240ml

Bananas carameladas:
¾ xícara (150g) de açúcar cristal, de preferência orgânico
¼ xícara (60ml) de água
250g de bananas, em pedacinhos de 2cm
1 colher (sopa) de manteiga sem sal
1 colher (chá) de extrato de baunilha

Bolo:
½ xícara (100g) de açúcar granulado, de preferência orgânico
¾ xícara (180ml) de óleo de canola (ou outro óleo vegetal de sabor neutro)
2 ovos grandes, de preferência orgânicos
¼ xícara (65g) de iogurte natural integral
1 colher (chá) de extrato de baunilha
1 xícara + 1 colher (sopa) - 150g - de farinha de trigo
½ xícara + ½ colher (sopa) - 75g - de farinha integral
1 colher (chá) de canela em pó
2 colheres (chá) de fermento em pó
½ colher (chá) de bicarbonato de sódio
1 pitada de sal

Prepare as bananas carameladas: coloque o açúcar e a água em uma frigideira grande (não use antiaderente, porque o fundo preto não vai lhe permitir controlar a cor do caramelo) e leve ao fogo médio, mexendo somente até dissolver o açúcar – depois disso, não mexa mais, apenas gire a panela levemente algumas vezes. Deixe ferver, aumente o fogo e cozinhe até obter um caramelo. Junte as bananas, a manteiga e a baunilha – cuidado pois o caramelo pode espirrar – e cozinhe em fogo médio, mexendo ocasionalmente, até a banana desmanchar levemente no caramelo e a mistura engrossar. Despeje em um prato e deixe esfriar completamente.

Pré-aqueça o forno a 180°C. Unte com manteiga uma forma quadrada de 20cm e forre o fundo da forma com papel manteiga. Unte o papel também*.
Bata o açúcar com o óleo e o os ovos até que a mistura engrosse e fique levemente aerada. Junte as bananas, o iogurte e a baunilha. Desligue a batedeira e peneire as farinhas, a canela, o fermento, o bicarbonato e o sal sobre a mistura, incorporando delicadamente com uma espátula.
Transfira a massa para a forma preparada e asse por cerca de 50 minutos ou até que o bolo cresça e doure (faça o teste do palito).

* usei uma forma com fundo removível e não forrei o fundo com papel manteiga – apenas untei bem a forma, especialmente nos cantinhos

Rend.: 16 porções

.